Notícias - Alpha Trânsito

Cassação de cnh Sorocaba suspensão de cnh sorocaba



habilitação suspensa sorocaba multa por embriaguez sorocaba



Cassação de cnh Sorocaba suspensão de cnh sorocaba



habilitação suspensa sorocaba multa por embriaguez sorocaba



Área do Cliente
Notícias

RSS Feed - Notícias - Mantenha-se Informado


03/07 - Ford reforça ícones históricos com novos Bronco e F-150
Picape acaba de ser renovada nos EUA, enquanto o lendário Bronco voltará, em uma variante moderna, como uma família de SUVs. Ford Bronco será lançado no próximo dia 13 Divulgação Em um período de 15 dias, a Ford preparou novidades para dois de seus principais ícones históricos: a picape F-150 e o Bronco. A primeira, acabou de ser renovada nos Estados Unidos no final de junho, enquanto o futuro SUV será apresentado globalmente no próximo dia 13. Os dois nomes lendários, no entanto, seguiram caminhos opostos: a F-150 segue firme como a picape mais vendida para os norte-americanos há 43 anos; enquanto o antigo 4x4 Bronco, produzido entre 1966 e 1996. Ford Bronco fez época entre 1966 e 1996 Divulgação Ainda não se sabe o quanto do antigo modelo o novo Bronco trará, mas a montadora já declarou que o modelo será, na verdade, uma família de SUVs. Enquanto no passado ele era derivado das próprias picapes a F, em sua variante moderna a base é a atual Ranger. A onda nostálgica da Ford já havia começando com a criação de seu primeiro carro 100% elétrico, que acabou ganhando o nome de Mustang Mach-E, apesar de ser também um SUV, e não um esportivo. O que mudou na F-150 Em sua renovação, a F-150, que não é vendida no Brasil, ficou mais moderna e ganhou novo trem de força híbrido. O motor V6 de 3.5 litros trabalha em conjunto com motor elétrico de 47 cavalos, que está integrado à transmissão automática de 10 velocidades. Ford F-150 2021 Divulgação A F-150 traz uma nova tela central de 12 polegadas – de série nas versões XLT e acima – que permite dividir a tela e controlar várias funções simultaneamente, incluindo navegação, música e recursos do veículo. As versões de entrada e intermediárias da XL e XLT vêm com tela de 8 polegadas. Interior da Ford F-150 2021 Divulgação
Veja Mais

03/07 - Honda Civic Si 2020 tem cara nova e ronco 'fake' por R$ 179.900
O esportivo também passou a ter as relações de marchas mais curtas e a oferta de cores foi reduzida. Honda Civic Si ganha alterações no para-choque, com faixa na cor do veículo Divulgação/Honda O Honda Civic Si chegou à linha 2020 com novidades visuais, tecnológicas e mecânicas. Disponível em configuração única, o esportivo parte de R$ 179.900. Apesar de poucas e discretas, as principais mudanças na aparência do Civic Si estão na dianteira. Os nichos do para-choque, onde ficam os faróis de neblina, agora têm acabamento liso (antes tinha uma falsa grade em formato de colmeia) e uma barra que acompanha a cor da carroceria do veículo. Por falar em cor, o cupê teve sua paleta reduzida e passa a ser oferecido apenas nas cores branco, preto e vermelho. Traseira do cupê não tem novidades Divulgação/Honda Os faróis de neblina agora são de LEDs, como os principais, e as rodas de 18 polegadas têm novo desenho com acabamento em preto fosco. A traseira não tem mudanças. Por dentro, o Civic Si segue com o quadro de instrumentos digital com grafismos em vermelho, pedais em alumínio e acabamento que imita fibra de carbono. A linha 2020 adiciona novos detalhes em vermelho acima das saídas de ar e faixas na mesma cor nos bancos. Interior do Si tem novos detalhes em vermelho no painel e nos bancos Divulgação/Honda Ronco 'fake' Para quem reclamava que o esportivo não tinha um ronco encorpado, ele passa a ter o Active Sound Control, que utiliza o sistema de áudio do veículo para amplificar o som do motor durante uma tocada mais agressiva. De fora, porém, os barulhos que saem do motor e do escapamento continuam os mesmos. A amplificação é uma experiência apenas para quem está dentro do carro. Novas rodas de 18 polegadas têm acabamento em preto fosco Divulgação/Honda Entre os demais itens de série há central multimídia com Apple CarPlay e Android Auto, som com 450 watts e 10 alto-falantes, câmera de ré, câmera no retrovisor direito (acionada com a seta para o mesmo lado), assistente de partida em rampas, controles de tração e estabilidade e 6 airbags. Relação mais curta O Si continua equipado com motor 1.5 turbo de 208 cavalos de potência e 26,5 kgfm de torque, assim como o câmbio manual de 6 marchas. De acordo com a Honda, a linha 2020 recebe uma relação de marchas 6% mais curta, aprimorando a dirigibilidade esportiva do modelo. A marca não divulga números de desempenho de seus carros, mas reforça que o cupê tem comportamento dinâmico em pilotagem esportiva graças aos conjuntos de chassis, direção e suspensão. Bancos esportivos do Civic Si têm visual renovado com faixas vermelhas Divulgação/Honda
Veja Mais

03/07 - Justiça turca começa julgamento de supostos cúmplices de Carlos Ghosn
Sete cidadãos turcos são acusados de terem ajudado o ex-presidente da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn, em sua fuga do Japão no final de 2019. Carlos Ghosn durante coletiva em Beirute, no Líbano, após fuga do Japão Mohamed Azakir/Reuters Um tribunal de Istambul começou o julgamento, nesta sexta-feira (3), de sete cidadãos turcos acusados de terem ajudado o ex-presidente da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn, em sua fuga do Japão no final de 2019 — noticiou a mídia turca. De acordo com a agência de notícias pública Anadolu, quatro pilotos e um executivo da empresa de aluguel de jatos particulares podem ser condenados a até oito anos de prisão por "tráfico de migrantes em grupo organizado". Japão pede aos EUA extradição de acusados de ajudar Carlos Ghosn a fugir Já dois membros da tripulação podem ser condenados a um ano de prisão por não denunciarem um crime. Ghosn fugiu do Japão em dezembro de 2019, país onde foi acusado de fraude financeira. Desde então, está refugiado no Líbano, que não tem tratado de extradição com o Japão. Detalhes da fuga Depois de decolar de Osaka (oeste do Japão), o jato particular com Ghosn a bordo pousou primeiro em Istambul, onde o empresário trocou de avião para ir para Beirute. Esta é a etapa de interesse das autoridades turcas. Segundo a Promotoria turca, dois suspeitos de serem cúmplices de Ghosn - Michael Taylon, um ex-membro das Forças Especiais dos EUA, e George-Antoine Zayek, cidadão libanês - "recrutaram" o executivo da empresa turca MNG Jet Okan Kösemen, para garantir o trânsito desobstruído por Istambul. A MNG Jet se constituiu em parte civil no processo, afirmando que seus jatos foram usados de maneira "ilegal" e que a presença de Ghosn a bordo não foi declarada. Kösemen está em prisão preventiva. Segundo a ata de acusação turca, ele recebeu várias transferências, totalizando mais de 250.000 euros (US$ 290.000), nos meses que antecederam a fuga de Ghosn. Detalhes sobre a fuga de Carlos Ghosn do Japão Aparecido Gonçalves/Rafael Miotto/G1 Reveja entrevista de Ghosn ao Robert D' Avila: Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal Initial plugin text
Veja Mais

03/07 - Motos BMW vão frear e acelerar sozinhas com novo sistema adaptativo de velocidade
Tecnologia manterá automaticamente distância de veículo à frente, como já acontece nos carros. BMW terá motos com sistema adaptativo de velocidade A BMW anunciou que vai introduzir o sistema de controle de velocidade adaptativo em suas motos, em breve. Isso significa que os modelos com a tecnologia poderão frear e acelerar sozinhos, como acontece já em muitos carros com essa tecnologia. O sistema, chamado de "Adaptive Cruise Control", vai controlar a velocidade da moto e a distância do veículo que está à frente. Ainda não se sabe a qual de suas motocicletas a tecnologia vai chegar, mas este tipo de sistema é indicado a modelos utilizados em longas viagens. Motos BMW terão sistema adaptativo de velocidade Divulgação De acordo com a empresa, o objetivo é trazer mais conforto e segurança para o motociclista. Feito em parceria com a Bosch, o dispositivo vai se basear na velocidade escolhida pelo motociclista, como em um "piloto automático" convencional. Mas, a partir daí, sensores vão detectar a velocidade do veículo mais a frente e, eventualmente, desacelerar e acelerar. Vão existir 3 níveis de distância escolhidos pelo usuário, e o sistema também vai atuar em curvas, se adequando a uma velocidade compatível, diz a fabricante. Sistema BMW manterá distância de outro veículo automaticamente Divulgação Ainda não vai 'andar sozinha' A nova tecnologia mostrada pela BMW é apenas um passo para as motos se tornarem mais autônomas, um movimento que já está bem mais avançado nos automóveis. Com apenas duas rodas, esses veículos também precisam do equilíbrio para andar, mas já existem tecnologias que prometem "quebrar" essa barreira. BMW mostra moto que dirige sozinha A própria BMW revelou sua "moto que anda sozinha", em 2018, em uma R 1200 GS adaptada com a tecnologia; antes, em 2016, também mostrou um conceito que "nunca cai". BMW mostra conceito de moto que não cai nunca Por sua vez, Honda e Yamaha estão trabalhando em tecnologias que ajudam o motociclista a se equilibrar na moto. Salão Duas Rodas 2019 - programa ao vivo - bloco 4 No Salão Duas Rodas 2019, o público brasileiro poder conferir a moto da Yamaha que é controlada por gestos.
Veja Mais

03/07 - 'A gente precisa sonhar e não colocar limites', diz brasileira que será 1ª mulher a chefiar fábrica da Fiat na América Latina
Juliana Coelho, de 30 anos, vai comandar a unidade de Goiana, em Pernambuco, seu estado-natal. Em conversa com o G1, ela conta que começou como trainee e viu fábrica 'nascer'. Fiat terá pela primeira vez uma mulher no comando de fábrica na América Latina A notícia de que a pernambucana Juliana Coelho será a primeira mulher a comandar uma fábrica da Fiat Chrysler (FCA) na América Latina, em seu estado-natal, ganhou repercussão nacional. O destaque ao fato de ser uma mulher não chega a incomodar a engenheira de 30 anos. Mas, ao G1, ela diz esperar que, futuramente, isso deixe de ser novidade. "Entendo que (o ineditismo) seja algo que precisa, ser, sim, compartilhado. Espero que a gente não precise, daqui para frente, compartilhar, porque seja o natural, mas sabemos que, até lá, é importante", afirma. "Eu fiquei muito feliz com o feedback que eu recebi. Não esperava tanto carinho, tantas mulheres e homens vindo falar comigo", reconhece a engenheira. Mulheres na Liderança: as barreiras que ainda prejudicam a ascensão "Ainda temos alguns marcos a romper: o primeiro negro, a primeira mulher... Mas, depois, a gente já abriu caminhos e espero que várias outras mulheres venham e abram outros caminhos, e eu estou aqui também para abrir outros", completa. Começou como trainee Juliana também é a mais jovem a assumir este cargo na América Latina. Ela chegou à Fiat em 2013, como trainee, junto com os primeiros funcionários da então futura fábrica de Goiana, que estava em construção. Até então, a engenheira química achava que seu futuro estava na área de petróleo e gás, alvo da pós-graduação concluída naquele ano. Mas a chegada da primeira indústria automotiva na região mudou seu rumo. "Entrei na área de pintura, como engenheira química. Especialista da cabine de pintura, onde aplica a cor do carro", relembra. A guinada para se tornar uma gestora foi iniciada ainda naquela área. "Comecei a participar das entrevistas, do desenvolvimento dos primeiros operadores. Então, eu pude abraçar essas pessoas (...) desenvolver a primeira pessoa daquela família que tinha um emprego numa indústria", conta. Pouco depois da abertura da fábrica, em julho de 2015, Juliana passou a chefiar 300 pessoas na área. Em dois anos, virou comandante de 2.300, como gerente da montagem da nova fábrica. No fim de 2018, partiu para sede da montadora, em Betim (MG), onde assumiu a chefia da área de VLM, responsável por novos desenvolvimentos na manufatura da FCA em toda a América Latina. No ano passado, concluiu uma especialização em gestão empresarial. Gestão na pandemia De malas prontas para voltar para casa, Juliana sabe que tem um desafio extra pela frente: manejar a produção recém-retomada, em tempos de pandemia. "(A pandemia) é um momento atípico, mas a gente entende também que é um momento de oportunidades de crescer enquanto pessoas", reflete. "Antes mesmo das pessoas de fora da fábrica entenderem que isso era importante, eu já estava com máscara, a 1 metro de cada pessoa. A gente teve uma reação muito rápida", lembra. "O desafio maior é continuar cuidando das pessoas e garantindo a segurança de cada colaborador do pólo, do entorno do pólo e da família de cada pessoa que vive lá." Álcool gel acionado pelo pé, divisórias no refeitório: como as montadoras estão retomando a produção Lidando com os campeões A fábrica de Goiana é a mais moderna da FCA no país e de lá saem alguns dos modelos campeões de venda de Fiat e Jeep: os SUVs Compass e Renegade e a picape Toro. "A planta está completando 5 anos e a gente tem grandes desafios, próximos. Foi muito importante a plantar para criar uma cultura automotiva", avalia Juliana. "Sabemos que as pessoas que trabalham lá são apaixonadas por lá, assim como eu sempre fui, e garantir que essa paixão continue viva em cada uma das pessoas , para que a gente possa fazer e alcançar novos horizontes com aquela fábrica." Recado às futuras engenheiras Para futuras engenheiras, e líderes, o recado da executiva é: "A gente precisa sonhar e não colocar limites". "Entendendo que, por mais que tenhamos uma sociedade que é, historicamente, que seja um pouco mais patriarcal, somos maioria, somos 51% da população", relembra. "E não só por ser maioria - a gente não quer criar o contrário do machismo, a gente quer realmente saber que podemos estar juntos, cada um agregando com o que tem de melhor." "Muitas vezes, nós, mulheres, colocamos: 'Uma mulher nunca foi ‘plant manager', então eu não vou nem pensar, deixa ver uma outra coisa para eu fazer...' Não. Não coloque barreiras para o seu sonho", ensina. "Acredite e se esforce bastante que, com certeza, o reconhecimento, ele vem", finaliza.
Veja Mais

02/07 - Japão pede aos EUA extradição de acusados de ajudar Carlos Ghosn a fugir
Pai e filho foram presos em maio, mas países não têm acordo. O Japão pediu formalmente aos Estados Unidos a extradição de um ex-militar e de seu filho, acusados de ajudarem o ex-chefe da Nissan Carlos Ghosn a fugir do país enquanto aguardava julgamento por acusações financeiras. Michael Taylor e seu filho, Peter, foram presos provisoriamente em Massachusetts no mês de maio. Seus advogados argumentaram que eles não haviam sido acusados ​​no Japão por um crime pelo qual a extradição é possível sob o tratado EUA-Japão. Os Taylor foram presos em Harvard, Massachusetts, em 20 de maio, a pedido do Japão, após as autoridades de lá, em janeiro, os acusarem de colaborar na fuga de Ghosn, ex-presidente da Nissan, do país em 29 de dezembro de 2019. Os dois homens foram mantidos sem fiança desde suas prisões. Promotores argumentam que Taylor e Michael, veterano de forças especiais do Exército dos EUA e especialista em segurança, não devem ser libertados da prisão em razão do risco de fuga. A embaixada japonesa em Washington e o Departamento de Justiça dos EUA não responderam a pedidos por comentário. Ghosn fugiu para o Líbano, país de sua infância. O país não tem um tratado de extradição com o Japão. O brasileiro é acusado de ter cometido irregularidades financeiras, inclusive minimizar sua remuneração nas demonstrações financeiras da Nissan. Ele nega. Initial plugin text
Veja Mais

02/07 - Mitsubishi Outlander Sport chega ao Brasil partindo de R$ 119.990; ASX continua em linha
Modelo está sempre equipado com motor 2.0 flex de até 170 cavalos. Montadora afirma que ASX segue também como opção entre os SUVs compactos. Mitsubishi Outlander Sport 2021 Divulgação O Mitsubishi Outlander Sport 2021 foi lançado no Brasil nesta quinta-feira (2) como mais opção no segmento dos SUVs compactos. De acordo com a montadora, o modelo conviverá com o ASX atual, que continua disponível no mercado. A explicação ocorre porque, em outros mercado, o Outlander Sport é a evolução do ASX vendido no Brasil. No entanto, a estratégia local da montadora foi a de manter os dois modelos à venda ao mesmo tempo Veja preços e versões do Outlander Sport: Outlander Sport GLS 2WD: R$ 119.990 Outlander Sport HPE 2WD: R$ 132.990 Outlander Sport HPE AWD: R$ 138.990 Apesar de ser "irmão" do ASX, o Outlander lembra bem o Eclipse Cross, principalmente no visual de sua dianteira. O modelo cona com luzes todas de LED, e suas rodas são de 18 polegadas. Está disponível nas cores: azul, branco, cinza, marrom, duas variantes de prata, vermelho e preto. Central multimídia do Mitsubishi Outlander Sport 2021 Divulgação Todas variantes do Outlander Sport são produzidas na fábrica da HPE em Catalão (GO). O modelo está sempre equipado com motor 2.0 flex: ele produz 170 cv de potência com etanol e 160 cv com gasolina a 6.000 rotações; enquanto o torque máximo é de 23 kgfm com etanol, e de 22 kgf m com gasolina, sempre a 4.250 rpm. Em todas as versões, o SUV está sempre equipado com o câmbio automático do tipo CVT; existe a opção Sport Mode, que simula 6 marchas e permite trocas por "borboletas". Mitsubishi Outlander Sport 2021 Divulgação Android Auto e CarPlay O Outlander Sport possui central multimídia de 7 polegadas, sensível ao toque, feita em parceria com a JBL. Esse sistema é compatível com as interfaces Android Auto e Carplay; na versão top de linha HPE AWD, a tela é de 9 polegadas. Veja itens de série em todas as versões: direção elétrica, ar-condicionado automático; duplo airbag frontal; controles eletrônicos de estabilidade e de tração; freios a disco nas quatro rodas com ABS; distribuidor eletrônico de frenagem (EBD); assistente de emergência (BAS); Brake Override System (BOS), que atua nos pedais durante as frenagens; assistente de saída em rampas (Hill Start Assist System -HSA); ancoragem Isofix para cadeirinhas infantis; ajuste de altura do facho principal dos faróis; vidros elétricos nas quatro portas; travamento automático das portas; sistema de monitoramento da pressão dos pneus (TPMS); câmera de ré.
Veja Mais

02/07 - Emplacamento de veículos tem queda de 38% no 1º semestre de 2020, e entidade prevê baixa de 36% no ano
De janeiro a junho, 808.784 unidades foram emplacadas, contra 1.308.110 nos primeiros 6 meses de 2019. Setor foi impactado pela pandemia de coronavírus. Emplacamentos de veículos em queda no Brasil Reprodução / RBS O emplacamento de veículos caiu 38,2% no 1º semestre de 2020, em relação ao mesmo período do ano passado, informou a associação das concessionárias, a Fenabrave, nesta quinta-feira (2). De janeiro a junho, 808.784 unidades de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus foram emplacadas, contra 1.308.110 nos primeiros 6 meses de 2019. Com o fechamento do semestre, a entidade refez as projeções para 2020. Por causa dos efeitos da pandemia de coronavírus, a Fenabrave prevê uma queda de 35,8% no ano para todo o segmento de veículos; incluindo também motocicletas e implementos rodoviários — a previsão inicial, feita em janeiro, era de crescimento de 9,7%. “A queda já era esperada, em função do atual cenário, considerando os efeitos da pandemia do Covid-19, que obrigou o fechamento do comércio e o isolamento social, durante longo período", explica Alarico Assumpção Jr, presidente da Fenabrave. Em junho, os emplacamentos chegaram ao total de 132.833 veículos, uma baixa de 40,5% frente ao mesmo mês de 2019, quando o setor alcançou 223.191 unidades. Desempenho do setor de veículos no Brasil G1 Melhora entre maio e junho Na comparação com maio, no entanto, houve alta de 113,6% — no mês passado 62.192 veículos foram emplacados no país. "Quando avaliamos o mês de junho, na comparação com maio deste ano, já observamos uma expressiva melhora, explicada pelo retorno das atividades dos Detrans, principalmente, em São Paulo, que representou 32,1% das vendas nacionais, e da reabertura das Concessionárias, para vendas, na Capital Paulista e em outras localidades”, afirma Alarico. Desde o início de junho, as concessionárias iniciaram a reabertura no Brasil. Entre as medidas de segurança adotas estão manter a distância de 1,5 metro entre funcionários e clientes, utilização de máscaras e higienização dos carros. Veja os 10 carros mais emplacados no 1º semestre: Chevrolet Onix: 60.267 Hyundai HB20: 32.843 Chevrolet Onix Plus: 31.456 Ford Ka: 29.583 Volkswagen Gol: 24.827 Renault Kwid: 23.648 Fiat Strada: 22.849 Fiat Argo: 22.727 Jeep Renegade: 20.710 Volkswagen T-Cross: 20.595 Motocicletas Contabilizado a parte dos outros veículos, o setor de motocicletas fechou o 1º semestre do ano com 350.290 unidades emplacadas, o que corresponde a uma queda de 34% em relação ao mesmo período de 2019 — naquela época, o setor havia alcançado 530.152 unidades nos primeiros seis meses. Em junho, 45.893 motos foram emplacadas, baixa de 42,5% em relação ao mesmo mês de 2019 (80.040). No entanto, na comparação com maio, com 29.221 unidades, o setor se recuperou; a alta foi de 57%. “Esse crescimento nos mostra o aumento de demanda, principalmente, por motos de até 250 cilindradas, que foi o segmento que mais sofreu com a paralisação das fábricas”, ressaltou Alarico Assumpção Júnior. Concessionárias se reinventam para atrair clientes durante a quarentena
Veja Mais

02/07 - Citroën C4 ganha visual ousado, versão elétrica e suspensão hidráulica
Nova geração do hatch também tem configurações a combustão e aposta em tecnologia. Citroën C4 Divulgação/Citroën A Citroën revelou todos os detalhes da nova geração do C4, que ganha uma configuração 100% elétrica, visual ousado e sistema de suspensão com batentes hidráulicos. Há menos de um mês, a marca apresentou as primeiras imagens do modelo. Embora tenha traços robustos, dianteira alta e grande quantidade de plásticos sem pintura na base da carroceria, o novo C4 é classificado pela marca como um hatch, não como um SUV. "Após a ofensiva bem-sucedida do SUV com o lançamento de C3 Aircross e C5 Aircross (...) a Citroën está pronta para a próxima etapa na implementação de sua estratégia de produtos, concentrando-se firmemente no mercado hatchback", disse em comunicado. Citroën C4 Divulgação/Citroën Gasolina, diesel ou eletricidade O destaque da nova geração é a configuração 100% elétrica, batizada de ë-C4, equipada com um motor de 138 cavalos de potência e 26,5 kgfm de torque. A energia vem de uma bateria de alta tensão de 50 kWh. De acordo com a Citroën, o modelo pode ir de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos e tem autonomia de até 350 km. A bateria pode ser recarregada em uma tomada convencional doméstica, em postos de recarga públicos (80% da carga é feita em 30 minutos) ou pelo wallbox, uma estação instalada na casa do proprietário, que pode levar até 7h30 para uma recarga completa. Versão elétrica é grande destaque da nova geração do C4 Divulgação/Citroën Entre as demais motorizações estão 5 opções a gasolina, que variam com câmbios manuais e automáticos de seis marchas, e outras 2 a diesel, também com as duas variações de transmissão. Seguindo o "irmão" maior C5 Aircross, o modelo terá o sistema de suspensão Progressive Hydraulic Cushions, que promete maior conforto ao rodar. Segundo a Citroën, a tecnologia produz um efeito de se estar "deslizando sobre um terreno irregular". Com batentes hidráulicos de atuação progressiva, em movimentos mais suaves apenas as molas e os amortecedores trabalham. Já em situações de maior exigência, os batentes absorvem e dissipam a energia. Faróis principais são grandes e a trama da grade é diagonal Divulgação/Citroën Tecnológico Tecnologia também é uma palavra de ordem para o novo C4. Entre os itens que ele pode oferecer estão faróis e lanternas de LED, para-brisa, volante e bancos com aquecimento, frenagem automática de emergência, alerta de risco de colisão, frenagem pós-colisão e monitoramento de pontos cegos. Há também assistente de permanência na faixa, piloto automático adaptativo, alerta de fadiga e atenção do motorista, faróis altos automáticos, leitura de placas de trânsito, carregador sem fio de smartphones, câmera 360° para estacionamento, assistente de partida em rampas e central multimídia com Android Auto e Apple Carplay, tela de 10 polegadas e 16 Gb de memória interna. Interior moderno tem mistura de materiais e texturas, mas destaca as telas Divulgação/Citroën Inspiração visual ousada Com traços ousados e polêmicos, o modelo resgata a essência de carros mais antigos da francesa, que diz ter se inspirado em modelos como Ami 6, Ami 8, BX, ZX, Xsara, C4 VTR e C4 Cactus. De acordo com a marca, são 31 combinações externas e 6 opções para o interior. A dianteira tem os LEDs superiores ligados à grade, enquanto os grandes faróis principais ficam logo abaixo e têm formato parecido com o de uma gota. A grade tem a trama diagonal, em alusão ao duplo chevron do logo da Citroën. As rodas variam entre 16 e 18 polegadas. Perfil de cupê do hatch vem de modelos antigos da marca Divulgação/Citroën Por causa da caída do teto suave, que remete a um cupê, o novo C4 tem a traseira alta. As lanternas têm formato irregular e um filete de LEDs sobreposto, que dá aparência mais agressiva. O vidro traseiro é dividido em duas partes pelo aerofólio, como no C4 VTR de 2004. Por dentro, o francês reserva uma mistura de materiais e texturas, com destaque para os três visores: o quadro de instrumentos digital, o head-up display e a central multimídia com efeito "flutuante". Seja nas versões a combustão ou na elétrica, a ausência de uma alavanca de câmbio abre espaço no console central. Os comandos da transmissão são feitos por botões. Câmbio tem comandos por botão, não por alavanca Divulgação/Citroën
Veja Mais

02/07 - Fiat Chrysler terá mulher comandando fábrica pela primeira vez na América Latina
Engenheira Juliana Coelho substituirá o italiano Pierluigi Astorino na chefia da unidade de Goiana, PE. Juliana Coelho, nova chefe da fábrica da FCA em Goiana Divulgação Pela primeira vez, uma fábrica da Fiat Chrysler na América Latina será comandada por uma mulher. A engenheira Juliana Coelho, de 31 anos, assumirá o posto máximo na unidade de Goiana (PE), onde atualmente são produzidos os Jeep Renegade e Compass e a Fiat Toro. Ela trabalha na empresa desde 2013, e faz parte do primeiro time de funcionários da unidade pernambucana, aberta em 2015 e considerada uma das mais modernas da FCA em todo o mundo. Mulheres na Liderança: as barreiras que ainda prejudicam a ascensão feminina VÍDEO: G1 acompanha produção do novo Volkswagen Nivus Antes de assumir o cargo de gerente da fábrica, Juliana Coelho trabalhou como Especialista de Processo de Pintura, Supervisora e Gerente da Pintura e Gerente da Montagem na Jeep, além de, mais recentemente, ter chefiado a área de novos desenvolvimentos na manufatura da América Latina na fábrica da Fiat em Betim (MG). Antes dela, o posto era ocupado pelo italiano Pierluigi Astorino, que se torna Diretor de Manufatura da Fiat Chrysler Automóveis para a América Latina. Ele sucederá o também italiano Francesco Ciancia, que retorna à Itália com a missão de liderar a manufatura das marcas Maserati e Alfa Romeo. (Correção: o G1 errou ao informar que Astorino era quem voltaria para a Itália para chefiar Maserati e Alfa Romeo. A informação foi corrigida às 11h) Fábrica da Jeep, em Goiana, na Região Metropolitana do Recife Inês Campelo/Jeep/Divulgação
Veja Mais

01/07 - Iate Lamborghini terá 4 mil cavalos de potência e será lançado em 2021
Inspirado no modelo Sían FPK 37, embarcação conta com dois motores e será limitada a 63 unidades. Iate Tecnomar Lamborghini 63 Divulgação A Lamborghini se uniu com a fabricante de embarcações Italian Sea Group para criar o iate chamado de Tecnomar 63. Com 4 mil cavalos de potência, o modelo começará a ser entregue em 2021. Apenas 63 unidades serão produzidas, uma homenagem ao ano de 1963, a data de fundação da fabricante italiana de carros de luxo. A inspiração atual é o modelo de "terra firme" Sían FKP 37. Interior do iate Tecnomar Lamborghini 63 Divulgação O modelo conta com dois motores que, juntos, atingem potência máxima de 4 mil cavalos. Isso possibilitação a embarcação chegar a uma velocidade máxima de 110 km/h. Iate Tecnomar Lamborghini 63 Divulgação
Veja Mais

01/07 - Honda faz recall de 35 mil carros no Brasil por 'airbags mortais', incluindo Civic e Accord
Chamado envolve unidades de Civic, Accord, CR-V e Odyssey com componentes feitos pela Takata. Proprietários devem agendar reparo a partir de 10 de julho. Sétima geração do Honda Civic, de 2000 Divulgação A Honda anunciou um novo recall de 34.937 veículos por airbags defeituosos no Brasil. O chamado envolve unidades de Civic, Accord, CR-V e Odyssey e faz parte do caso dos "airbags mortais" da Takata, que atingiu milhões carros em todo o mundo. O defeito recebeu esse nome porque uma falha no equipamento de segurança pode machucar gravemente os ocupantes do veículo. Os proprietários devem agendar a substituição definitiva do insuflador do airbag do motorista a partir de 10 de julho. Esses airbags defeituosos da Takata estão ligados a dezenas de mortes em todo o mundo. No início de 2020, a Honda confirmou que 1 pessoa morreu no Brasil em acidente causado pelo defeito; a montadora disse que houveram 39 casos de rompimento dos insufladores no país em seus automóveis. Veja os chassis envolvidos: Recall Honda de 'airbags mortais' da Takata Divulgação De acordo com a montadora, em caso de colisão primordialmente frontal de intensidade moderada ou severa, situação em que o acionamento do sistema de airbag é esperado, poderá haver o rompimento da estrutura do insuflador e, eventualmente, ocasionar a projeção de fragmentos metálicos no interior do veículo. Em outras situações, a bolsa do airbag pode não ser inflada com eficiência, perdendo a sua funcionalidade. Em casos extremos, o defeito pode causar, além de danos materiais, lesões graves ou até mesmo fatais aos ocupantes e/ou terceiros. Entenda o caso dos 'airbags mortais' da Takata; Brasil tem recalls
Veja Mais

01/07 - Documento digital de veículos está disponível em todo o Brasil; impressão pode ser feita em casa
Todos estados e o DF já aderiram ao sistema, afirma o Ministério da Infraestrutura. Entenda como fazer a impressão do documento e acessar offline. CRLV eletrônico está disponível em todo o país, diz Ministério Divulgação A versão digital do documento do veículo está disponível em todo o Brasil a partir desta quarta-feira (1º), informou o Ministério da Infraestrutura. Com a adesão do Pará, todos estados e o Distrito Federal passam a emitir o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), como é chamado o documento, apenas em formato digital. CNH, cadeirinha, farol: veja 10 pontos da lei de trânsito que podem mudar Saiba como tirar a CNH digital O processo de implementação do documento digital para carros, motos e outros veículos começou no fim de 2018, e existem 4.083.150 CRLVs digitais no Brasil até agora. De acordo com o ministério, a emissão do documento passa a ser inteiramente online e não é necessário ir ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran) local para obter o documento digital. CRLV físico e digital Divulgação/Detran-RR Segundo a pasta, o documento físico pode ser impresso em qualquer impressora caseira, e a autenticidade da impressão seria garantida pelo QR Code presente do CRLV. A norma, no entanto, prevê que se sair do Brasil com o carro, o motorista tem que estar portando o documento impresso. Todo o território nacional deveria aderir ao sistema para disponibilização do CLRV digital até o dia 31 de julho de 2020, aponta resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Como tirar o CRLV digital e imprimir? Do mesmo modo que a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) digital, o documento digital de veículos está disponível no aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT). O CRLV digital é atualizado no aplicativo após a quitação do IPVA e do Licenciamento. Além de acessá-lo pelo aplicativo, o documento está disponível no Portal de Serviços do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e nos sites dos Detrans — de onde o usuário pode imprimir uma cópia física. Como acessar offline? Por meio do app é gerado previamente um arquivo PDF, com uma assinatura digital, e ele pode ser acessado mesmo que o usuário não tenha acesso à internet naquele momento. Motoristas já podem baixar o documento digital do carro em nove estados
Veja Mais

01/07 - Kawasaki Ninja ZX-10R 2020 tem recall por defeito na central eletrônica do motor
Falha pode causar incêndio nas unidades envolvidas no chamado. Proprietários devem levar a moto à concessionária para reparo gratuito. Kawasaki ZX-10R 2020 SE DIvulgação A Kawasaki anunciou o recall das motos Ninja ZX-10R e ZX-10R SE no Brasil, de ano/modelo 2020, por possível defeito na central eletrônica do motor. Os proprietários devem levar as unidades envolvidas no chamado à concessionária para o reparo gratuito. Veja os chassis envolvidos: Ninja ZX-10R (2020): 96PZXVE1*LFS00001 até 96PZXVE1*LFS00161 Ninja ZX-10R SE (2020): de 96PZXVH1*LFS00001 até 96PZXVH1*LFS00020 No conserto, as motos devem passar pela a reprogramação da ECU (Unidade de Controle do Motor) e substituição das válvulas de sucção de ar do cabeçote; o tempo de reparo é de 3 horas, e os agendamentos para o serviço já estão disponíveis. De acordo com a montadora, a programação de fábrica da ECU (Unidade de Controle do Motor) pode causar um atraso na queima do combustível quando usada em conjunto com o sistema de troca de marchas Quick Shifter em condições extremas de condução, resultando em deformação e/ou quebra das válvulas de sucção de ar. O uso contínuo nesta condição pode resultar em derretimento das peças ao redor pela alta temperatura do retorno dos gases de escape, podendo causar um incêndio e gerar acidentes fatais, afirma a Kawasaki. Para mais informações, a empresa disponibiliza o site www.kawasakibrasil.com e o telefone 0800 773-1210, das 9h às 17h.
Veja Mais

01/07 - Entregadores de aplicativos fazem manifestações pelo país
Movimento pede aumento na remuneração e melhoria nas condições de trabalho. Associação de empresas diz estar aberta a diálogo. Trabalhadores que prestam serviços de entrega por aplicativos protestam pelo país Entregadores de aplicativos fizeram protestos em cidades brasileiras nesta quarta-feira (1º). A mobilização nacional da categoria, que teve forte crescimento ao longo da pandemia do novo coronavírus, é por melhores condições de trabalho. Houve protestos no Distrito Federal e em cidades como Aracaju (SE), Belo Horizonte (MG), Campinas (SP), São Paulo (SP), Piracicaba (SP), Fortaleza (CE), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Teresina (PI), Maceió (AL), Goiânia (GO), Rio Branco (AC) e Belém (PA). Os manifestantes não têm uma representação sindical. No entanto, em comum, incluíram na pauta de reivindicações os seguintes itens: aumento do valor recebido por quilômetro rodado; aumento do valor mínimo de cada entrega, que é independente da distância percorrida e do tempo gasto pelo entregador; esse valor é fixado por cada empresa; fim do que os entregadores consideram bloqueios indevidos, quando eles são bloqueados dos aplicativos sem saber o motivo; auxílio pandemia (equipamentos de proteção individual - EPIs - e licença). Em nota à imprensa, as empresas que integram a Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec), que atuam no setor de delivery, informam que desde o início da pandemia foram tomadas diversas medidas de apoio, como distribuição gratuita ou reembolso pela compra de materiais de higiene e limpeza (máscara, álcool em gel e desinfetante) e a criação de fundos para pagar auxílio financeiro a parceiros diagnosticados com Covid-19 ou em grupos de risco. Segundo a Amobitec, os entregadores cadastrados nas plataformas estão cobertos por seguro contra acidentes pessoais durante as entregas. A associação também informou estar aberta ao diálogo e que a mobilização desta quarta "não acarretará em punições ou bloqueios de qualquer natureza". Entregadores ocupam a portaria da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte Rodrigo Franco / TV Globo Veja cidades onde houve protestos: São Paulo 1º de julho - Motoboys e entregadores protestam na Torre do Castelo, localizada na Praça 23 de Outubro, na cidade de Campinas (SP) Denny Cesare/Código19/Estadão Conteúdo Em São Paulo, ocorreram protestos na capital, em Campinas e em Piracicaba. Na cidade de São Paulo, a concentração começou na região do Brooklin, Zona Sul da cidade. Em Campinas, os manifestantes passaram pela Torre do Castelo, na Praça 23 de Outubro. Em Piracicaba, eles saíram de comboio de várias partes da cidade. Rio de Janeiro Motoboys e entregadores carregavam cartazes e faziam buzinaço na Avenida Presidente Vargas Reprodução/Redes Sociais Motoboys e entregadores de aplicativo iniciaram a manifestação no centro do Rio de Janeiro por volta das 10h30. Pouco depois das 11h, o grupo saiu do Centro e seguiu até a Zona Sul, parando nos bairros de Botafogo e Jardim Botânico. Pernambuco Em protesto, entregadores seguiram em motos pelas principais vias do Recife, nesta quarta-feira (1º), por volta das 11h Eliab Pessoa/TV Globo No Recife, manifestantes de motos e bicicletas seguiram pela Avenida Agamenon Magalhães, causando retenções no trânsito, e chegaram à Avenida Domingos Ferreira, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul da cidade. Minas Gerais Enfileirados, motociclistas ocupam rua Rodrigues Caldas, na Região Centro-Sul de BH Rodrigo Franco / TV Globo Em Belo Horizonte, os manifestantes ocuparam vias da cidade de motocicleta e foram até a Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Ceará Fortaleza, 1º de julho, às 11h: Manifestantes reivindicam melhores condições de trabalho Isanelle Nascimento/SVM Em Fortaleza, motociclistas e ciclistas de diferentes empresas se reuniram em frente a um shopping da capital cearense. Em seguida, o grupo se dirigiu até a Praça da Imprensa, no Bairro Edson Queiroz, onde ficou concentrado. Distrito Federal Entregadores de aplicativo protestam em Brasília por melhorias na condição de trabalho PMDF/Divulgação No Distrito Federal, os manifestantes começaram o protestos por volta das 11h30 na Alameda das Bandeiras, em frente ao Congresso Nacional, e passaram por avenidas da capital federal. Piauí Entregadores por aplicativo fazem protesto em Teresina Arquivo pessoal No Piauí, os entregadores se reuniram em Teresina com o secretário estadual de Segurança Pública, Rubens Pereira, para pedir mais polícia nas ruas e garantir segurança à categoria. Nessa terça-feira (30), um assalto a um entregador no centro da capital piauiense foi registrado por câmeras de segurança, no momento em que ele fazia uma entrega. Ele teve a moto roubada. Bahia Protesto dos entregadores na Av. Tancredo Neves, em Salvador, nesta quarta-feira Arquivo pessoal Em Salvador, a manifestação começou por volta das 11h, na Avenida Antônio Carlos Magalhães (ACM), nas proximidades de um shopping da região. O protesto terminou no Shopping Barra, por volta das 14h. Alagoas Motoboys que fazem entrega por meio de aplicativos protestam em Maceió Carolina Sanches/TV Gazeta Em Maceió, o grupo de manifestantes percorreu, de motocicleta, diversas ruas da capital. Por volta das 12h, o protesto chegou à Avenida Fernandes Lima, principal via de Maceió, e bloqueou temporariamente o trânsito no sentido Tabuleiro. Sergipe Entregadores de aplicativo protestam em Aracaju nesta quarta-feira (1º) Rafael Carvalho/TV Sergipe Em Aracaju, entregadores de aplicativo se reuniram na Orla de Atalaia. Utilizando motocicletas, eles ficaram concentrados em frente aos Arcos da Orla, na Avenida Santos Dumont, por cerca de duas horas, mas foram impedidos de circular pelas ruas da capital porque, segundo a Polícia Militar e a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT), a solicitação para o protesto não havia sido deferida pelos órgãos. Goiás Entregadores de delivery fazem protesto por melhorias de condições de trabalho, em Goiânia Em Goiânia, os manifestantes circularam pela Praça Cívica, passando pela Avenida T-10 e pelo Parque Vaca Brava. Acre Entregadores de aplicativos fazem ‘buzinaço’ e reivindicam melhorias em Rio Branco Arquivo pessoal Um grupo de manifestantes fez um "buzinaço" em Rio Branco. Após fazer o ato na Avenida Marechal Deodoro, o grupo ficou reunido na Gameleira. Pará Protestos de entregadores de aplicativos em Belém Reprodução/ TV Liberal Em Belém, os manifestantes saíram da avenida Visconde de Souza Franco em direção ao Palácio dos Despachos, sede do governo do Pará. A manifestação terminou por volta das 13h30.
Veja Mais

01/07 - Volkswagen Tiguan atualiza visual e ganha versões híbrida e esportiva
O SUV passa a ter a nova linguagem de design da marca, com faróis espichados e logotipo renovado. Configuração R tem 320 cv de potência. Volkswagen Tiguan R-Line Divulgação/Volkswagen A Volkswagen apresentou novidades para o Tiguan, que ganha alterações visuais, tecnológicas, além de duas versões inéditas: híbrida e R, de apelo esportivo. G1 acompanha produção do Nivus, na mesma fábrica que já foi do Fusca A maior parte das mudanças está na dianteira do SUV, com desenho inspirado na geração mais recente do Golf. Os faróis foram "espichados" para as laterais, a grade ficou maior (com desenho semelhante ao de T-Cross e Nivus) e o para-choque ganhou traços mais esportivos. Na traseira, as lanternas têm novo arranjo interno em LEDs, o para-choque foi redesenhado e os logotipos têm novas grafias. O nome "Tiguan" agora está centralizado, logo abaixo do símbolo da Volkswagen (já com a nova identidade). Volkswagen Tiguan R-Line Divulgação/Volkswagen Por enquanto, as mudanças foram apresentadas apenas para o modelo convencional, de 5 lugares, que não é vendido no Brasil. A versão alongada Allspace, de 7 lugares, deverá receber as mesmas atualizações. As imagens são da versão R-Line. Por dentro, além de novidades entre materiais e acabamentos, o Tiguan passa a ter uma nova central multimídia batizada de MIB3, com Android Auto e Apple CarPlay sem fio e comandos por voz - aparentemente menos tecnológica do que a VW Play, que equipa o brasileiro Nivus. Ele também passa a ter o quadro de instrumentos digital (sem mudanças) em todas as versões e o volante com a nova linha da marca e comandos sensíveis ao toque. Volkswagen Tiguan R-Line Divulgação/Volkswagen Entre os equipamentos, que variam de acordo com a versão, o SUV pode ser equipado com piloto automático adaptativo (que pode acompanhar a velocidade da via, bem como detectar cruzamentos e rotatórias com base na câmera frontal e no GPS), assistente de permanência em faixa e sistema de som Harman Kardon com 480 watts de potência. Os faróis serão de LED em todas as versões, mas só as mais caras terão o sistema de iluminação com LEDs matriciais, com maior eficiência e tecnologia. Híbrido e esportivo Volkswagen Tiguan eHybrid Divulgação/Volkswagen Além das configurações tradicionais a gasolina ou diesel, que variam de acordo com o mercado, o novo Tiguan passa a ter duas novas configurações. A híbrida plug-in eHybrid é equipada com o mesmo conjunto mecânico do Golf GTE, ou seja, combina o motor 1.4 turbo de 150 cavalos de potência a outro elétrico de 115 cv. Com isso, a potência combinada é de 245 cv. Volkswagen Tiguan R Divulgação/Volkswagen De acordo com a marca, a autonomia do modelo no modo totalmente elétrico é de até 50 km. As baterias que fornecem energia para o motor elétrico são recarregadas pela tomada ou em situações como frenagens e desacelerações. A versão esportiva R, que se diferencia visualmente por detalhes como rodas aro 21 e quatro saídas de escape, tem motor 2.0 turbo com 320 cv. No modo Race, o controle de tração fica totalmente desligado.
Veja Mais

30/06 - Artesp adia reajuste de pedágios nas rodovias de SP por conta da pandemia de coronavírus
Tarifas seriam reajustadas a partir desta quarta-feira (1º) como ocorre anualmente, mas o aumento previsto foi adiado para daqui quatro meses. Trecho de pedágio da rodovia dos Imigrantes no sentido litoral em novembro de 2019 Reprodução/ TV Globo As tarifas de pedágio das rodovias estaduais não serão reajustadas a partir desta quarta-feira ( 1º) como ocorre anualmente, de acordo com a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp). O aumento previsto foi adiado para daqui quatro meses. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo desta terça-feira (30). SP tem mais de 281 mil casos de coronavírus e 14.763 mortes Com leitos de UTI, hospital de Heliópolis tem 42 casos de morte O reajuste é previsto no contrato do Programa de Concessões Rodoviárias, que contempla 20 concessionárias. O adiamento também contempla as praças de pedágio da concessionária Entrevias, que teria atualização na segunda-feira (6). Segundo a agência, o adiamento do reajuste leva em conta o "cenário de estado de calamidade pública, conforme Decreto 64.879 de 20 de março de 2020, em razão da pandemia provocada pela Covid-19, e mantém inalterado os valores das tarifas em vigor desde julho de 2019." Para os pedágios da concessionária ViaPaulista, o aumento previsto para 23 de novembro deste ano permanece como previsto. As cinco praças da concessionária Centrovias, "administradas pela concessionária Eixo-SP, também não terão alteração, pois já tiveram suas tarifas calculadas em outro processo, cujos valores estão em vigor desde 15 de maio deste ano." As concessionárias das rodovias paulistas são consideradas serviços essenciais e mantiveram as atividades no período de isolamento social. Obras, manutenção e prestação de socorro e distribuição de kits de higiene e alimentação seguem inalterados durante a quarentena. Initial plugin text
Veja Mais

30/06 - Eicma 2020, o Salão de Milão das motos, é cancelado por causa do coronavírus
Principal evento de motocicletas do mundo, a feira terá nova edição apenas em novembro de 2021. G1 foi à edição 2019; relembre as principais novidades. Salão de Milão 2019 Divulgação/Courtesy EICMA O Salão de Milão 2020, conhecido como Eicma, foi cancelado por causa do coronavírus. Maior e mais importante evento de motos, a feira era uma das únicas do setor de veículos que ainda não havia sido oficialmente cancelada. Além do Eicma, o Salão de Colônia (Intermot) também teve sua edição do ano cortada. Os salões de Genebra, Detroit, Nova York e Paris foram outros que não serão realizados em 2020 por causa da pandemia. Previsto para entre 3 e 8 de novembro de 2020, o Salão de Milão terá sua 78ª edição entre 9 e 14 de novembro de 2021. "O Salão de 2021 terá um grande valor simbólico e esperamos que possa contribuir para fazer com que os fãs e todo o setor de duas rodas esqueçam essa situação difícil e excepcional", disse Pietro Meda, presidente do conselho de administração do Eicma. Em 2019, o G1 compareceu ao Salão de Milão; relembre abaixo os destaques: BMW F 900 R Salão de Milão 2019: BMW lança motos e anuncia 'rival da Harley' Antes do lançamento, a nova F 900 R já havia aparecido em registro de patente no Brasil, mas somente no Eicma 2019 seus detalhes técnicos foram revelados. O motor se baseia no da F 850 GS, mas ficou maior, passando de 853 cc para 895 cc. Com dois cilindros, ele rende 105 cavalos de potência e 9,4 kgfm de torque, e também é utilizado na versão "aventureira" F 900 XR. Na F 850 GS, a potência é de 95 cavalos na Europa e de 80 cavalos no Brasil. Veja a cobertura completa do Salão de Milão 2019 O maior evento do setor em FOTOS Harley-Davidson Pan America Harley-Davidson Pan America Rafael Miotto/G1 A Pan America pode ser chamada de "Harley para a terra". A novidade traz um motorzão V2 de 1250 cc que passa de 145 cavalos de potência. Além disso, tem pneus de uso misto e uma posição de guiar mais alta. Sua chegada foi confirmada para o Brasil até 2021. Harley-Davidson Bronx Harley-Davidson Bronx Rafael Miotto/G1 Assim como a Pan America, a Bronx é uma proposta diferente da Harley - no caso, uma naked. Segundo a fabricante, as duas motos foram desenvolvidas do zero. A Bronx traz motor de 975 cc e mais de 115 cv. E, da mesma forma que a Pan America, a novidade também foi confirmada para o Brasil. O prazo de chegada é o mesmo, 2021. BMW R18 BMW R18 Concept Divulgação Apresentada como um conceito no Salão de Milão, a R18 teve a versão definitiva apresentada em 2020. Ela tem a missão de concorrer com os modelos da Harley-Davidson. Yamaha MT-03 Yamaha MT-03 Rafael Miotto/G1 A nova MT-03 surgiu em Milão chamando atenção pela grande mudança visual, principalmente no farol dianteiro. A estética que divide opiniões é destaque no estande da marca no Eicma. Tracer 700 Yamaha aposta em motos que parecem robôs no Salão de Milão O modelo estradeiro da Yamaha, baseado na MT-07, ganhou novo visual. A Tracer 700 agora tem farol dianteiro de LED, remodelado. A parte mecânica também evoluiu. O motor teve ajustes, tanto na parte de admissão como de exaustão, e promete uma melhor entrega de potência. As suspensões ganharam novo acerto, e a marca também realizou alterações em sua ergonomia. Ducati Streetfighter V4 Ducati Streetfigther V4 S Divulgação Uma naked com motor derivado da MotoGP. Essa é uma boa definição para a nova Streetfighter V4. Com um visual bem radical, a Streetfighter possui as versões V4 e V4 S. Seu motor chega a 208 cavalos de potência. Honda CBR 1000 RR-R Honda CBR 1000 RR-R é lançada com 217 cavalos de potência A nova Fireblade CBR 1000 RR-R é uma evolução da CBR 1000 RR. Traz novo visual, além de um chassi completamente renovado. O modelo foi totalmente renovado e carrega tecnologia derivada da MotoGP em seu motor, utilizando tecnologia de baixa fricção interna. A potência é de 217 cv. Isso coloca a CBR 1000 RR-R na briga com as principais esportivas da atualidade, como Ducati Panigale V4 e BMW S 1000 RR. Africa Twin 1100 Honda Africa Twin 1100 Rafael Miotto/G1 A nova geração da Africa Twin foi apresentada em Milão. Seu motor agora tem 1100 cc, e entrega 102 cv, contra 95 cv da versão anterior. Além do aumento na potência, houve redução de 5 kg no peso total da moto. Ainda há opção de câmbio automático DCT. Falando sobre tecnologia, a Africa Twin ganhou um novo painel, que traz conectividade Apple CarPlay, além de exibir informações de sistemas da moto, como o modo de condução. Moto da Aston Martin Aston Martin lança sua primeira moto por 108 mil euros Initial plugin text
Veja Mais

30/06 - Honda registra duas motos 'baratas' de origem indiana no Brasil
CD 110 e Shine 125 são vendidas pelo equivalente a menos de R$ 5 mil na Índia. Modelos dificilmente virão ao mercado brasileiro; entenda o motivo. Honda Shine 125 Inpi A Honda registrou nesta terça-feira (30) no Brasil as patentes dos modelos Shine 125 e CD 110, ambas de origem indiana. Os desenhos foram publicados no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). Apesar das patentes estarem no país, isso não significa necessariamente que as motos serão vendidas no mercado brasileiro. Como já aconteceu com outros modelos, como a nova Yamaha Fazer 250, o registro serve para as empresas se resguardarem sobre o desenho dos veículos para evitar cópias por todo mundo. Motos 2020: veja 35 lançamentos esperados para o Brasil no ano Pelo retrospecto da Honda no Brasil, não faria sentido, ao menos por enquanto, vender Shine e CD 110 no Brasil. A montadora conta com uma linha de baixa cilindrada de sucesso desenvolvida e feita no país, e a Honda CG 160 é disparada a moto mais vendida. Honda CD 110 Inpi Preço acessível O que poderia atrair nesses modelos indianos seria o preço acessível. Em uma conversão direta feita de rúpias para reais, a Shine é vendida na Índia pelo equivalente a R$ 4,8 mil; enquanto a CD sai por cerca de R$ 4,6 mil. Honda CD 110 Inpi Esses valores não levam em conta, é claro, as taxas de importação das motos para o Brasil; assim, o valor poderia ser maior se viessem ao mercado brasileiro. Por aqui, a moto mais barata da Honda é a Pop 110i, que custa a partir de R$ 6,7 mil. Shine 125 Com motor de 1 cilindro e 124 cc, a Shine atinge potência máxima de 10,6 cavalos. O modelo parece menos robusto comparado a CG 160, por exemplo. Ela pesa 115 kg e tem um tanque de 10,5 litros. Honda Shine 125 Inpi CD 110 A CD 110 seria a equivalente de Biz ou Pop para o mercado indiano. Ela possui motor de 1 cilindro e 109,51 cc, que rende 8,6 cavalos. Com 112 kg, a moto conta com tanque de 9,1 litros; sua partida ainda é feita a pedal. Honda CD 110 Inpi
Veja Mais

29/06 - Salão de Genebra de 2021 é cancelado por pandemia e problemas financeiros da organização
Empresa que promove o salão vai tentar vender a marca para a dona do centro de exposições. Marcas de carros também afirmaram que uma edição em 2022 é mais viável. Estandes do Salão de Genebra 2020 estavam em processo de montagem Salvatore di Nolfi/Keystone via AP A edição de 2021 do Salão Automóvel de Genebra foi cancelada devido às consequências financeiras da pandemia do coronavírus, anunciaram seus organizadores nesta segunda-feira (29). Em uma declaração, o Comitê e o Conselho da Fundação do Salão Internacional do Automóvel indicam que "desistiram de organizar um evento em 2021 por razões óbvias: de acordo com uma pesquisa, a maioria dos expositores indicou que provavelmente não participará de uma edição de 2021 e que favorecerá uma próxima edição em 2022". "Não é certo que a situação da saúde permita a organização de um evento que atraia mais de 600 mil visitantes e 10 mil jornalistas na próxima temporada", acrescentam os organizadores. Tradicionalmente, o Salão do Automóvel de Genebra é realizado em março. A edição deste ano foi cancelada na última hora pela pandemia da Covid-19. Os organizadores pediram ajuda financeira ao cantão de Genebra para cobrir as perdas causadas por esse primeiro cancelamento, estimado em 11 milhões de francos suíços (US$ 11,2 milhões), e para preparar uma nova edição. No início de junho, as autoridades de Genebra aprovaram um empréstimo de 16,8 milhões de francos suíços, mas os organizadores do Salão decidiram rejeitá-lo nesta segunda-feira, pois não conseguiriam realizar o primeiro pagamento em junho de 2021. Além do cancelamento da edição de 2021, a organização também planeja vender o direito de realização do Salão de Genebra para a dona do Palácio de Exposições e Congressos de Genebra (Palexpo), onde este evento é realizado. Initial plugin text
Veja Mais

29/06 - Ford interrompe anúncios em redes sociais nos EUA, ampliando campanha de boicote
Montadora se junta a empresas como Unilever e Coca-Cola. A Ford informou nesta segunda-feira (29) que interromperá a veiculação de anúncios em todas as plataformas de mídia social nos Estados Unidos pelos próximos 30 dias. Por que gigantes suspenderam publicidade nas redes sociais A montadora se juntando a uma lista crescente de empresas que pararam de anunciar no Facebook e outras redes da empresa, em apoio a uma campanha que afirma que a companhia não faz o suficiente para impedir a publicação de discurso de ódio em sua plataforma. Fazem parte do boicote Unilever, Coca-Cola e Starbucks. A segunda maior montadora de veículos norte-americana disse que reavaliará sua presença em todas as plataformas de mídia social e acrescentou que discurso de ódio, violência e injustiça racial no conteúdo das redes sociais "precisam ser erradicados". Um porta-voz disse que a Ford está avaliando esses gastos em outras regiões também.
Veja Mais

29/06 - G1 acompanha produção do novo Volkswagen Nivus, na mesma fábrica que já foi do Fusca
'SUV do Polo' começou a ser feito neste mês, com linha de montagem adaptada às regras contra a pandemia. Modelo foi criado no Brasil e também será produzido e vendido na Europa. Veja como é a produção do Volkswagen Nivus na fábrica que já fez o Fusca O Nivus é um dos principais lançamentos da indústria automotiva em 2020. Para a Volkswagen, porém, este modelo específico tem sua importância por outras razões. Nivus parte de R$ 85.890; veja preços e versões O 'SUV do Polo' é o primeiro carro da marca com desenvolvimento totalmente digital. Isso significa que empresa não precisou construir nenhum protótipo durante sua criação. Até então, para cada novo projeto, eram necessários até 70 modelos físicos. Segundo a montadora, isso representou uma economia de até 65% nessa etapa. No entanto, a Volks não informou a quantia que deixou de gastar. Porsche, Mercedes, BMW... estilo de SUV-cupê do Nivus não é novidade Volkswagen Nivus teve desenvolvimento 100% digital Reprodução A tecnologia também ajudou na simulação de etapas da montagem. Com isso, os movimentos que os trabalhadores devem fazer na linha de produção foram estudados e otimizados. Além do desenvolvimento digital, a produção em si foi modernizada. Foram instalados 90 novos robôs, principalmente nas áreas de estamparia e armação da carroceria. A automatização das linhas, aliás, é cada vez maior, não só na montadora alemã. O G1 acompanhou, com exclusividade, visitou a linha de montagem do Nivus na fábrica de São Bernardo do Campo (SP), uma das mais antigas do país. Nos últimos 60 anos, saíram dali mais de 14 milhões de veículos, incluindo clássicos como Fusca e Kombi. Hoje a unidade produz outros 3 modelos, além do Nivus: Polo, Virtus e Saveiro. Todos na mesma linha de montagem. Coronavírus exige mudanças Medição de temperatura de funcionário da Volkswagen Divulgação Durante a visita do G1, uma semana antes do lançamento do carro, apenas um dos turnos estava operando. A restrição na produção foi adotada por diversas montadoras e faz parte das ações de retomada após o início da pandemia do coronavírus, em 1º de junho. Logo na entrada, os funcionários que chegam às 6h têm a temperatura aferida. Eles só têm o acesso liberado se o termômetro marcar menos de 37ºC. Álcool gel acionado pelo pé, divisórias no refeitório: como as montadoras estão retomando a produção no Brasil Além disso, todos devem usar máscaras. Nos postos de trabalho onde não é possível ficar a uma distância mínima de 1 metro, os funcionários também usam protetores faciais de acrílico. Em postos onde os funcionários ficam a menos de 1 metro de distância, uso de protetor facial é obrigatório na Volkswagen Celso Tavares/G1 Refeitórios e ônibus fretados tiveram as capacidades reduzidas. Mesmo na linha de produção, em pequenas “ilhas”, onde funcionários fazem as pausas durante o expediente, foram fixados adesivos, mostrando onde cada trabalhador pode sentar, respeitando uma distância de pelo menos 1 metro. É possível encontrar álcool em gel em diversas mesas. Local para pausas na linha de produção da Volkswagen também recebeu álcool em gel e adesivos para que funcionários mantenham o distanciamento Celso Tavares/G1 Quase 1 carro por minuto Atualmente, o ritmo de produção na fábrica é de 55 veículos por hora. No dia da visita, a expectativa da Volks era montar pouco menos de 400 veículos. A montadora propôs que a reportagem conhecesse na prática alguns passos da montagem mas, no dia da gravação, só foi permitido participar de uma delas: a colocação dos emblemas. Prateleira na linha de montagem reúne todos os gabaritos e adesivos com emblemas dos veículos Celso Tavares/G1 No caso do Nivus, como o logotipo da Volkswagen já vem montado na tampa do porta-malas, então restam apenas três peças a serem colocadas: uma com o nome do carro e outras duas com a motorização. Diferente de outras tarefas que podem ser executadas por robôs, esta é totalmente manual. O processo é bastante simples, e começa com a colocação das placas em moldes. Na sequência, já junto ao veículo na linha, o funcionário fixa os gabaritos na carroceria na posição correta, usando ímãs. Funcionário treinado leva menos de 1 minuto para a colocação dos emblemas de um carro na Volkswagen Celso Tavares/G1 Depois, é só passar a mão sobre a plaqueta para que ela seja colada. O último passo é remover os moldes. Um funcionário costuma levar menos de um minuto para completar a tarefa. Mas para quem não tem experiência não é tão fácil assim. Os 'braços' da fábrica Carros chegam na montagem da Volkswagen e seguem de elevador até o nível térreo do galpão Celso Tavares/G1 O setor de montagem é dividido em 6 grandes corredores, chamados internamente de “braços”. Cada um deles é subdividido em diversos outros postos, estes batizados de “tactos”. A colocação dos emblemas, por exemplo, fica no tacto 16 do braço 1. Tudo começa quando a estrutura chega do galpão da pintura, no chamado tacto 1. Antes de os elevadores abaixarem as carrocerias para o nível térreo, as portas são retiradas – elas só vão se juntar novamente ao resto do carro mais adiante. Na primeira parte da montagem, carro chega sem portas e recebe parede corta-fogo, pedais e vedações Celso Tavares/G1 No primeiro “braço”, os trabalhadores ainda precisam instalar todas as vedações de portas, passar os chicotes com dezenas de metros de cabos, fixar as hastes de abertura do capô e do porta-malas, a parede corta-fogo e os emblemas. Para auxiliar os trabalhadores, há telas que mostram as especificações do modelo que está passando por aquele ponto da linha, além de uma grande folha, impressa com diversos códigos, que identificam acessórios que o veículo deve ter. Nos passos seguintes, onde não foi possível fazer qualquer imagem, os carros começam a receber painéis e a parte eletrônica. Configurar essa parte em um Nivus, por exemplo, exige mais tempo do que em uma Saveiro ou um Polo. Folha impressa com códigos ajuda os funcionários com as especificações exatas daquele modelo na Volkswagen Celso Tavares/G1 Eletrônica mais complexa Mas, nos demais processos, os passos são bem semelhantes – principalmente com Polo e Virtus, “vizinhos” de linha do Nivus, e que compartilham a mesma plataforma. No “casamento”, etapa onde o chassi com motor e câmbio é acoplado à carroceria, o maquinário é o mesmo. Etapa do 'casamento' na linha de produção da Volkswagen, quando a carroceria é unida ao chassi com conjunto mecânico Celso Tavares/G1 Só há uma maior diferenciação já quando os veículos já rodam com suas próprias forças e chegam aos ajustes finais. Ali, além de acertar o alinhamento das rodas e dos faróis, os Nivus equipados com controle de cruzeiro adaptativo passam por um acerto nos sensores e radares. Com a montagem concluída, um profissional com os olhos bem treinados ainda faz uma checagem final, em uma cabine com iluminação especial. As luzes ajudam na busca por imperfeições na carroceria. Caso haja alguma, ele devolve o veículo para a linha. Se estiver tudo certo, o carro toma um belo “banho”, para validar a vedação da carroceria e segue para o pátio. O que mudou para o Nivus Apesar de dividir a linha com mais 3 modelos, a Volks disse que instalou 90 novos robôs para poder fazer o Nivus. Muitas dessas máquinas ficam em outro galpão, e são usadas nas fases de armação e estamparia. Gostou ou não do visual do Nivus? Initial plugin text Além de plataforma, conjunto mecânico, componentes eletrônicos e peças de acabamento, Nivus e Polo também compartilham portas dianteiras, teto e para-brisa – solução também adotada por outros modelos de fabricantes diferentes. A Fiat Strada, por exemplo, usa portas dianteiras e para-brisa do Mobi. Volkswagen Nivus tem plataforma de Polo, mas deve roubar clientes do T-Cross; G1 conheceu Só que o Nivus tem a “proeza” de ser o primeiro carro da Volkswagen que foi desenvolvido no Brasil e será produzido e vendido também na Europa no ano que vem. Até hoje, o mais próximo disso que a engenharia local conseguiu foi o Fox, criado pelo time local e exportado para a Europa. Só que o hatch não fez muito sucesso por lá. O Nivus também vai inaugurar a nova identidade da Volkswagen, com o logotipo atualizado –lançado em setembro, no Salão de Frankfurt. Outra novidade é a central multimídia de 10 polegadas, também criada pela equipe brasileira. Ela tem armazenamento interno de 10 gb, e pode receber diversos aplicativos, como em um tablet. O modelo será vendido em duas versões, Comfortline e Highline. Ambas trazem motor 1.0 turbo de 128 cavalos e 20,4 kgfm e câmbio automático de 6 marchas. Veja abaixo os equipamentos de cada uma. Comfortline (R$ 85.890): Assistente de partida em rampas, 6 airbags, freios a disco nas quatro rodas, câmera de ré, controles de tração e estabilidade, direção elétrica, ar-condicionado, faróis e lanternas em LED, controle de velocidade, rodas de 16 polegadas, central multimídia com tela de 6,5 polegadas, sensores de estacionamento traseiros e volante multifuncional. Como opcional, a versão tem o pacote VW Play & Tech, por R$ 3.520, com piloto automático adaptativo, sistema autônomo de frenagem de emergência e volante multifuncional de couro com aletas para troca de marchas. Highline (R$ 98.290): Mesmos itens da versão acima, mais ar-condicionado digital, faróis de neblina em LED, acesso e partida com chave presencial, controle de velocidade adaptativo, frenagem automática de emergência, central multimídia de 10 polegadas, bancos de couro, quadro de instrumentos digital, rodas de 17 polegadas, sensores de luz, chuva e estacionamento dianteiro, sistema de alerta de fadiga e alavancas de trocas de marcha no volante.
Veja Mais

27/06 - CNH, cadeirinha, farol: veja 10 pontos da lei de trânsito que podem mudar; projeto ainda será analisado pelo Senado
Alterações tiveram aval da Câmara nesta semana. Projeto inicial foi proposto pelo presidente Jair Bolsonaro, mas conteúdo passou por diversas mudanças feitas por parlamentares. Trânsito congestionado na marginal do rio Pinheiros, próximo à Ponte Estaiada, na Zona Sul de São Paulo, em imagem de arquivo Marcelo Brandt/G1 O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) pode ser alterado pelo projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados nesta semana. O texto segue agora para análise no Senado, e ainda não existe uma previsão de quando será votado lá. Desde o projeto inicial, proposto pelo presidente Jair Bolsonaro, o conteúdo passou por diversas alterações feitas por parlamentares. Entre os principais temas que podem ser alvos de mudanças estão o prazo de validade da CNH e as exigências para uso da cadeirinha. Saiba o que mudou no projeto em relação à proposta de Bolsonaro O G1 listou 10 pontos que o projeto de lei pretende alterar, veja abaixo. Mudanças no Código de Trânsito que vão ser analisadas pelo Senado Aparecido Câmara concluiu votação do projeto de mudança do Código de Trânsito Brasileiro
Veja Mais

26/06 - Preços dos combustíveis voltam a subir nos postos; gasolina passa de R$ 4
Segundo levantamento semanal da ANP, valor médio do litro da gasolina para o consumidor avançou 0,9%, para R$ 4,022. Preços dos combustíveis nos postos subiram nesta semana Marcelo Brandt / G1 Os preços dos combustíveis nos postos voltaram a subir nesta semana, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados nesta sexta-feira (26). Segundo levantamento semanal da agência, o valor médio do litro da gasolina ao consumidor subiu 0,9%, a R$ 4,022, para o maior patamar desde 18 de abril. O preço do litro do diesel avançou 0,95% nesta semana, para R$ 3,077. Já o litro do etanol teve alta de 1,04%, para R$ 2,709 o litro. O preço do combustível representa uma média calculada pela ANP com dados coletados em postos de diversas regiões. O preço, portanto, pode variar de acordo com o local pesquisado. No acumulado do ano, o preço da gasolina tem queda de 11,7%, e o diesel já recuou 18%. O etanol perdeu 14,2% do valor. Guia Prático #74: Aprenda a calcular o consumo de seu carro A alta do preço dos combustíveis tem como pano de fundo a melhora recente da cotação do preço do petróleo, com expectativas positivas sobre um reequilíbrio entre oferta e demanda mundial pelo produto.
Veja Mais

26/06 - Mitsubishi L200 Triton 2021 ganha sobrenome Outdoor e parte de R$ 149.990
Conjunto mecânico é o mesmo, com motor 2.4 turbodiesel e câmbio manual ou automático. Mitsubishi L200 Triton Outdoor Divulgação/Mitsubishi A Mitsubishi apresentou a linha 2021 da L200 Triton, que passa a ter o sobrenome Outdoor em todas as versões. Sem grandes novidades, a picape agora parte de R$ 149.990. Todas as configurações permanecem equipadas com motor 2.4 turbodiesel de 190 cavalos de potência e 43,9 kgfm de torque, o mesmo do novo Pajero Sport, apresentado na última semana. A tração 4x4 também é item indispensável. Apenas a versão de entrada, GLX, tem câmbio manual de 6 marchas. As demais têm transmissão automática de 5 velocidades, que agregam também o sistema de diferencial blocante. As mais caras, HPE e HPE-S, oferecem ainda um sistema com 4 modos de operação da tração. Em toda a gama, a capacidade de carga é de até 1.055 kg e a de reboque de até 2.300 kg. Mitsubishi L200 Triton Outdoor Divulgação/Mitsubishi Veja todos os preços: GLX (manual) – R$ 149.990 GLS – R$ 162.990 HPE – R$ 183.990 HPE-S – R$ 203.990 Sobrenome de peso Antes utilizado como nomenclatura de uma versão específica, o sobrenome Outdoor agora ocupa toda a linha L200. De acordo com a marca, o nome é "sinônimo de confiabilidade, força e resistência". Por isso, a picape ganhou alterações visuais internas e externas. Por fora, o para-choque tem uma área de impulsão com skid plate (uma espécie de peito de aço) integrado, protetor de caçamba, apliques plásticos nos para-lamas. Mitsubishi L200 Triton Outdoor Divulgação/Mitsubishi Entre os itens de série desde a versão GLX estão ganchos de reboque na dianteira, ganchos internos na caçamba, rodas de 16 polegadas, ar-condicionado e central multimídia com tela de 6,75 polegadas com espelhamento de smartphone. O modelo só tem 2 airbags e não tem controles de estabilidade e tração. A versão mais cara, HPE-S, inclui itens como os controles de estabilidade e tração, airbags laterais, de cortina e de joelho, piloto automático, faróis bixenônio automáticos com regulagem de altura e lavadores, sensores de chuva e bancos e volante de couro. Mitsubishi L200 Triton Outdoor Divulgação/Mitsubishi A lista segue com rodas aro 17, ar-condicionado digital de duas zonas, capota martítima, luz diurna em LED, chave presencial com partida por botão, câmera de ré e central multimídia com tela de 7 polegadas, Android Auto e Apple Carplay. Despedida Mitsubishi L200 Triton Divulgação/Mitsubishi Esta deve ser a última novidade da picape antes de sua reestilização, que poderá ser apresentada no segundo semestre deste ano no Brasil. Revelada na Tailândia há 2 anos, a picape renovada ganhou dianteira semelhante à do Pajero Sport, com as barras cromadas verticais que vão da base dos faróis até a parte inferior do para-choque. Além disso, o conjunto de iluminação passa a ser separado em dois pares. Na traseira as mudanças serão mais discretas. A lanterna é totalmente nova, com formato mais quadrado e iluminação de LEDs. No interior, porém, nada deve mudar além dos materiais de acabamento. A única novidade para o conjunto mecânico deverá ser a nova transmissão automática de 6 marchas no lugar da atual, de 5. Mitsubishi L200 Triton Divulgação/Mitsubishi
Veja Mais

26/06 - Fábrica da Hyundai em Piracicaba anuncia retorno de dois turnos de trabalho
Funcionários que estavam com contrato suspenso retornam às atividades a partir desta sexta-feira (26). Primeiro turno que estava trabalhando será suspenso por 30 dias. Fábrica da Hyundai Divulgação/Hyundai A Hyundai Motor Brasil anunciou nesta sexta-feira (26) a retomada dos turnos de trabalho que estavam suspensos por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A fábrica de Piracicaba (SP) tem três turnos e o primeiro retornou às atividades em 13 de maio, após dois meses de paralisação. A fábrica vai adaptar o volume de produção à demanda de mercado, "que ainda se encontra em fase de recuperação devido aos impactos da pandemia da Covid-19 na economia nacional", segundo nota oficial. Por isso, o 1º turno da fábrica começa um novo período de suspensão (lay-off), que vai até 25 de julho. "O funcionamento parcial da fábrica, agora com apenas os 2º e 3º turnos trabalhando, foi devidamente acordado com o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Piracicaba (STMP), baseado nas medidas de proteção de emprego do Governo Federal." A empresa informou que vai seguir as determinações e orientações das autoridades de saúde para combate à pandemia. Sendo assim, todos os funcionários que retomam as atividades nesta sexta vão usar máscaras de tecido fornecidas pela Hyundai. "Processos de higienização e proteção contra contaminação foram introduzidos no transporte, nas entradas e nos ambientes da fábrica e dos escritórios, nas estações de trabalho e nas áreas de alimentação e descanso. A temperatura corporal dos funcionários também será monitorada diariamente", informou a Hyundai. De acordo com a empresa, qualquer alteração do cenário atual da pandemia, pode implicar em novas ações. Suspensão da produção O trabalho na fábrica em Piracicaba foi suspenso no dia 20 de março, após um funcionário ser identificado com suspeita de coronavírus. Ele testou negativo para a doença posteriormente. Com o início da quarentena no Estado de São Paulo, a fábrica anunciou férias coletivas no dia 26 de março e a previsão era de que terminassem no dia 13 de abril, posteriormente estendida por tempo indeterminado. No final de abril, a empresa anunciou a suspensão dos contratos de trabalho (lay-off) dos funcionários da fábrica em Piracicaba, devido à continuidade à quarentena no estado e ao impacto da pandemia do novo coronavírus no país. A medida vale para os escritórios em São Paulo até o dia 26 de maio, com retorno previsto para 27 de maio. Durante o período, a montadora está complementando o benefício emergencial do governo federal de forma que cada funcionário siga recebendo o mesmo salário líquido, sem qualquer redução. Initial plugin text Veja mais notícias da região no G1 Piracicaba
Veja Mais

26/06 - Nova Fiat Strada fica até R$ 5 mil mais barata e parte de R$ 63.590
Picape mais vendida do Brasil ganha nova geração depois de 2 décadas. Além de renovação visual, cabine dupla agora tem 4 portas e capacidade para 5 passageiros. Nova geração da Fiat Strada Marcelo Brandt/G1 A Fiat lançou nesta sexta-feira (26) a segunda geração da Strada. O modelo já havia sido mostrado em março, e avaliado pelo G1 na versão topo de linha. No entanto, o lançamento acabou sendo adiado por conta da pandemia do coronavírus. VÍDEO: como anda a nova Strada A nova Strada é a picape mais vendida do Brasil há mais de 10 anos, e uma das maiores novidades da indústria automotiva em 2020. Ao todo, são 5 combinações, alternando três versões com duas opções de cabine. Veja abaixo todos os preços e itens de série, e compare com os valores da geração anterior: Preços Endurance cabine simples - R$ 63.590 (mesmo preço da antiga Hard Working) Endurance cabine dupla - R$ 74.990 (antiga Hard Working era R$ 76.290) Freedom cabine simples - R$ 69.490 (mesmo preço da antiga) Freedom cabine dupla - R$ 77.990 (antiga era R$ 82.990) Volcano cabine dupla - R$ 79.990 (antiga Adventure era R$ 84.990) Itens de série Fiat Strada Endurance Cabine Plus Divulgação/Fiat Endurance: ar-condicionado, direção hidráulica, computador de bordo, preparação para som, assistente de partida em rampas, controles de tração e estabilidade, volante com regulagem de altura, protetor e iluminção de caçamba e rodas de aço de 15 polegadas com calotas. Cabine dupla inclui airbags laterais e fixação Isofix. Fiat Strada Freedom Cabine Plus Divulgação/Fiat Freedom: mesmos itens da Endurance mais direção elétrica, retrovisores, vidros e travas elétricas, banco do motorista com ajuste de altura, faróis de neblina, para-choques, maçanetas e capa dos retrovisores na cor da carroceria, rádio com entrada USB, rodas de liga leve de 15 polegadas, computador de bordo com tela 3,5 polegadas e sensor de pressão dos pneus. Cabine dupla inclui airbags laterais e fixação Isofix. Fiat Strada Volcano Divulgação/Fiat Volcano: mesmos itens da Freedom mais faróis de LED, bancos com revestimento parcial em couro, vidros elétricos traseiros, central multimídia Uconnect de 7 polegadas, câmera de ré, sensor de ré, duas entradas USB, volante revestido em couro, capota marítima, rack de teto e rodas de liga-leve de 15 polegadas com pneus de uso misto. Opcionais Endurance: Pack Worker - R$ 2.500: alarme, travas e vidros elétricos, break light, fechadura elétrica na caçamba, comando elétrico na tampa do combustível e banco do motorista com ajuste de altura; Pack Audio - R$ 1.500 : rádio, alto-falantes, entrada USB e volante multifuncional; Pack Tech - R$ 3.490: central multimídia Uconnect de 7 polegadas, tela de 3,5 polegadas no quadro de instrumentos, alto-falantes, duas entradas USB, volante de couro multifuncional, câmera de ré e sensor de estacionamento. Freedom: Pack Tech - R$ 2.990: central multimídia UConnect com tela de 7 polegadas, alto-falantes, câmera de ré e sensor de estacionamento. Volcano: Rodas de liga leve de 16 polegadas - R$ 2.300 Antiga Hard Working segue Fiat Strada Hard Working Divulgação A Fiat também vai manter uma versão da antiga Strada. A configuração escolhida foi a Hard Working com cabine simples. Seu preço, no entanto, foi reduzido de R$ 63.590 para R$ 61.590. Duas décadas A Fiat levou vinte anos para renovar totalmente a Strada. Nesse intervalo, mesmo já veterana, a picape se mantém na liderança entre os veículos comerciais, quase sem ser incomodada. Nessa nova geração, a Fiat aproveitou algumas peças de outros modelos. As portas dianteiras e o para-brisa, por exemplo, vieram do Mobi. Quadro de instrumentos, volante e alavanca de câmbio também são compartilhados com o Uno. Cabine da Fiat Strada tem diversos elementos compartilhados com Uno e Mobi Marcelo Brandt/G1 Porém, a Strada ficou mais refinada. Sua versão topo de linha tem faróis de LED e uma central multimídia que pode espelhar conteúdo de smartphones sem a necessidade de cabos. Cabine mais espaçosa No entanto, apesar dos novos equipamentos, a Strada deve se destacar por outras razões. Ela é a primeira picape do segmento com uma cabine dupla de 4 portas e 5 lugares. Até então, a própria Strada só tinha 3 portas, enquanto a rival, Saveiro, mesmo na cabine dupla, tinha 2 portas – e 4 lugares. Isso significa o fim do aperto para quem vai na segunda fileira. Nova geração da Fiat Strada tem mais espaço no banco traseiro Divulgação Na segunda geração, a Fiat resolveu aposentar a carroceria com cabine estendida, que, segundo a marca, representava apenas 6% das vendas. Porém, promoveu um considerável aumento no espaço interno na cabine simples. Apesar de ter metade dos 300 litros da antiga cabine estendida, a nova simples, agora chamada de Plus, tem 150 litros de espaço atrás dos bancos, o dobro da geração anterior. O espaço na caçamba, porém, melhorou muito. Veja abaixo: Nova Strada com cabine simples – 1.354 litros e 720 kg Strada atual com cabine simples – 1.220 litros e 705 kg Strada atual com cabine estendida – 910 litros 685 kg Motores Nova geração da Fiat Strada Marcelo Brandt/G1 Apesar de ter sido totalmente renovada, a Strada vai manter, na versão Endurance, o antigo motor 1.4 Fire, que entrega 88 cavalos. Para Herlander Zola, diretor da Fiat, o propulsor atende às necessidades do público da Strada. “A Strada 1.4 é muito representativa da versão atual, isso indica que os clientes estão satisfeitos, por isso a decisão de manter o atual”, disse. Fiat Strada cabine simples Divulgação As demais configurações sairão de fábrica com um motor menor, só que mais moderno, potente e eficiente. É o 1.3 Firefly, de 109 cv. Ele substitui, de uma só vez, o 1.4 nas configurações intermediárias e o 1.8 de 139 cv na opção mais cara. Apesar de ter menos potência, o 1.3 é bem mais econômico, sem perder tanto em desempenho. Fiat Strada muda depois de 2 décadas; G1 testou a nova picape
Veja Mais

26/06 - Audi Q8 tem recall por vazamento de óleo da transmissão
Participam do chamado 71 unidades feitas em 2019. Problema está em uma tubulação da caixa de câmbio. Audi Q8 Divulgação/Audi A Audi iniciou nesta semana um recall envolvendo 71 unidades do Q8, todas de modelo 2020 e fabricadas em novembro de 2019. O SUV topo de linha da marca pode apresentar vazamento na transmissão. De acordo com a Audi, uma avaria na tubulação de óleo da caixa da transmissão pode causar um vazamento com o veículo em movimento. Com isso, o câmbio pode se comportar de maneira anormal, com risco de causar acidentes com danos físicos e materiais. A marca convoca os proprietários das unidades envolvidas para a inspeção e, se necessária, a substituição da tubulação de óleo. O serviço será realizado nas concessionárias Audi, com agendamento prévio. O telefone 0800 777 2834 está disponível para eventuais dúvidas. Veja detalhes dos modelos: Audi Q8 Ano/modelo 2020 Fabricados entre 7/11/2019 a 19/11/2019 Chassis entre WAU_F1_LD010785 a WAU_F1_LD012193 Initial plugin text
Veja Mais

25/06 - Segway deixará de ser produzido depois de 20 anos
Apesar de ser um veículo revolucionário, vendas ficaram muito abaixo das expectativas. Segway teve menos de 150 mil unidades vendidas em 2 décadas AP/Sue Ogrocki O Segway, considerado um meio de transporte inovador no começo dos anos 2000, está saindo de linha, segundo site americano Fast Company. O veículo elétrico de mobilidade individual, na verdade, nunca atingiu o sucesso esperado, e se despede do mercado em julho, com menos de 150 mil unidades produzidas em 2 décadas - muito abaixo da previsão de comercializar 100 mil exemplares no primeiro ano. "Na primeira década, o Segway PT se tornou um item básico em segurança e aplicação da lei, visto como um veículo pessoal eficaz e eficiente", disse, em um comunicado, Judy Cai, presidente da Segway. Na prática, o Segway possui uma base onde o condutor fica com os dois pés. O apoio vem de uma haste, e o movimento acontece quando o corpo se inclina para frente. Há duas rodas, nas extremidades, e um motor elétrico. O veículo foi inventado por Dean Kamen, e as vendas começaram em 2001. Na ocasião, seu inventor comparou o Segway à evolução que o carro trouxe em relação ao cavalo. A produção do Segway PT (como o veículo se chamava oficialmente) será encerrada em 15 de julho, e resultará na demissão de 21 funcionários. Segway também investiu em patinetes Florence Lo/Reuters A fabricante, que também se chama Segway, no entanto, seguirá com a fabricação de outros produtos de mobilidade, incluindo patinetes elétricos, que se mostraram mais adequados aos desejos do mercado. Quando foi lançado, o Segway PT custava cerca de US$ 5 mil, valor semelhante ao de uma motocicleta pequena. Atualmente, o modelo representava apenas 1,5% do faturamento de sua fabricante.
Veja Mais

25/06 - México adia em 3 anos acordo de livre comércio com Brasil sobre veículos pesados
Governo mexicano justificou o adiamento com a situação da pandemia de coronavírus. Pacto estava previsto para começar em 1º de julho deste ano. O início de um acordo de livre comércio entre o México e o Brasil envolvendo veículos pesados foi adiado em três anos, informou o Ministério da Economia do México nesta quinta-feira. A declaração do governo mexicano mencionou o coronavírus, mas não estabeleceu, explicitamente, uma relação com a pandemia pelo atraso no início do acordo. O pacto estava previsto para começar em 1º de julho de 2020, mas foi adiado para julho de 2023, informou o ministério. Brasil e México inauguram acordo de livre comércio de veículos e de autopeças
Veja Mais

25/06 - Lamborghini Huracán leva forte batida 20 minutos após sair da loja, diz polícia britânica
De acordo com a autoridade de trânsito de West Yorkshire, no Reino Unido, o esportivo teve uma falha mecânica e, depois de ficar parado na pista, foi atingido na traseira por outro veículo. Uma Lamborghini Huracán Perfomante Spyder sofreu uma forte batida na traseira apenas 20 minutos depois de sair da loja WYP Roads Policing Unit Uma Lamborghini Huracán Perfomante Spyder sofreu uma forte batida na traseira apenas 20 minutos depois de sair da loja, disse a polícia rodoviária de West Yorkshire, no Reino Unido. O acidente aconteceu na tarde de quarta-feira (24) momentos após o carro sair de uma concessionária na região. De acordo com a autoridade de trânsito, o esportivo teve uma falha mecânica e, depois de ficar parado na pista, foi atingido na traseira por uma van. Lamborghini de R$ 1,6 milhão; veja como carro ficou depois de enchente em SP Ferrari F40 pega fogo em Mônaco Huracán Perfomante havia acabado de sair da loja no Reino Unido WYP Roads Policing Unit De acordo com a rede BBC, o motorista do veículo que bateu na Lamborghini sofreu ferimentos na cabeça, mas nenhum deles sério. Versão especial da Huracán, a Perfomante tem motor 5.2 V10 de 640 cavalos de potência. Segundo a imprensa britânica, o modelo é avaliado em 200 mil libras, equivalente a mais de R$ 1,3 milhão em conversão direta, e não há informações se ele era novo ou usado. Relembre o caso da Lamborghini 'alagada' no Brasil Lamborghini na enchente: veja como ficou o carro depois do alagamento
Veja Mais

25/06 - Volkswagen Nivus chega em duas versões a partir de R$ 85.890
'SUV do Polo' foi desenvolvido no Brasil, é mais comprido e tem porta-malas maior do que o T-Cross, e tem faróis full LED e 6 airbags de série. Marca oferecerá condições especiais para público PCD. Volkswagen Nivus tem plataforma de Polo, mas deve roubar clientes do T-Cross; G1 conheceu A Volkswagen lançou nesta quinta-feira (25) o Nivus, sua maior aposta para 2020. O modelo, que é baseado no hatch Polo, mas tem visual de SUV cupê compacto chega às lojas nas próximas semanas, em duas versões: Comfortline, por R$ 85.890, e Highline, por R$ 98.290. O público PCD terá condições especiais. A versão mais cara com um pacote de lançamento está disponível em pré-venda, mediante sinal de R$ 5 mil, e com isenção de 1 ano para o pagamento de parcelas, de seguro pela Porto Seguro, do sistema Sem Parar e de Audio Book. Nesta quinta, a pré-venda será feita exclusivamente pela Internet. Ambas as configurações trazem o motor 1.0 turbo de 3 cilindros e 128 cavalos e 20,4 kgfm. Ele vem acompanhado de uma transmissão automática de 6 marchas. Gostou ou não do visual do Nivus? Initial plugin text Volkswagen Nivus Celso Tavares/G1 De acordo com a marca, o modelo vai de 0 a 100 km/h em 10 segundos. No consumo, ele faz médias de até 10,7 km/l na cidade e 13,2 km/l na estrada, com gasolina. Quando abastecido com etanol, os números caem para 7,7 e 9,4 km/l, respectivamente. O Nivus chega com 6 opções de cores para a carroceria: Branco Cristal, Preto Ninja, Prata Sirius, Cinza Platinum, Vermelho Sunset e Cinza Moonstone. As duas últimas foram desenvolvidas especialmente para o modelo. Veja abaixo o conteúdo de cada versão Comfortline (R$ 85.890): Assistente de partida em rampas, 6 airbags, freios a disco nas quatro rodas, câmera de ré, controles de tração e estabilidade, direção elétrica, ar-condicionado, faróis e lanternas em LED, controle de velocidade, rodas de 16 polegadas, central multimídia com tela de 6,5 polegadas, sensores de estacionamento traseiros e volante multifuncional. Como opcional, a versão tem o pacote VW Play & Tech, por R$ 3.520, com piloto automático adaptativo, sistema autônomo de frenagem de emergência e volante multifuncional de couro com aletas para troca de marchas. Volkswagen Nivus Divulgação/Volkswagen Highline (R$ 98.290): Mesmos itens da versão acima, mais ar-condicionado digital, faróis de neblina em LED, acesso e partida com chave presencial, controle de velocidade adaptativo, frenagem automática de emergência, central multimídia de 10 polegadas, bancos de couro, quadro de instrumentos digital, rodas de 17 polegadas, sensores de luz, chuva e estacionamento dianteiro, sistema de alerta de fadiga e alavancas de trocas de marcha no volante. Série de lançamento: Baseada na versão Highline, a edição de lançamento limitada adiciona teto pintado de preto, retrovisores, rodas e logos escurecidos, apliques externos em cinza e é vendido sempre nas cores vermelho Sunset ou cinza Moonstone. O pacote custa R$ 1.700 a mais, elevando o valor para R$ 99.990. PCD: Para não criar uma nova configuração menos equipada e exclusiva para o público PCD (Pessoas com Deficiência), a Volkswagen oferecerá uma condição especial baseada na versão Comfortline. Aplicando-se o desconto de 7% de IPI e outros 10% da própria marca, o Nivus PCD sai por R$ 72.346. Volkswagen Nivus Celso Tavares/G1 Entre Polo e T-Cross O Nivus chega para suprir a lacuna de preços entre o Polo mais caro e o T-Cross mais em conta. De acordo com a Volkswagen, o perfil do consumidor do modelo é de pessoas amantes de esportes, tecnologia, pets, gastronomia e viagens, entre 30 e 35 anos. Aliás, apesar de acabar “competindo” com o segundo, é do primeiro que ele herda muitos atributos, como a plataforma MQB A0, com entre-eixos de 2,56 m. Portas dianteiras, para-brisa e teto também vieram do Polo. Volkswagen Nivus Celso Tavares/G1 Nas medidas, apesar de ter o mesmo entre-eixos do Polo, ele é 22 cm mais comprido do que o hatch. Na comparação com o T-Cross, o Nivus também ganha por 7 cm. No porta-malas, o novo modelo também supera o SUV compacto lançado no começo de 2019. São 415 litros, contra 373. Só que o Nivus é menor do que o T-Cross na largura e na altura. Volkswagen Nivus Celso Tavares/G1 Made in Brazil Só que todo o desenvolvimento do Nivus foi feito no Brasil, incluindo do design, assinado por João Carlos Pavone. As linhas possuem mais personalidade do que Polo e T-Cross, por exemplo. A traseira, ângulo mais fotogênico do Nivus, tem uma queda suave no teto, além de lanternas de LED com uma barra preta. Volkswagen Nivus Celso Tavares/G1 O acabamento, porém, segue o mesmo padrão simples do Polo e do T-Cross. Há bastante plástico duro, apesar do visual moderno. O Nivus tem grande importância para a operação brasileira da Volks porque ele é o primeiro carro da marca criado aqui que também será produzido e vendido na Europa. Do Brasil, o modelo será exportado para toda a América Latina, além do México. A partir do ano que vem, sai da linha de produção da unidade de Pamplona, na Espanha. Volkswagen Nivus tem motor 1.0 turbo Celso Tavares/G1 “Totalmente desenvolvido na América Latina, o Nivus começou a ser produzido no dia 8 de junho, seguindo a programação inicial de lançamento no mercado", disse Pablo Di Si. "Todas as nossas fábricas da Volkswagen no Brasil e na Argentina já retomaram a produção de forma gradativa, respeitando todas as normas de segurança de combate à pandemia”, completou. Concorrência Ao popularizar o segmento dos "SUV-cupê", até então visto apenas em categorias premium, o Nivus acaba não tendo rivais diretos. Por isso, ele é comparado com as versões de entrada dos SUVs compactos mais vendidos, como Chevrolet Tracker, Renault Duster e Jeep Renegade. Ainda novidade no mercado, o Tracker tem apenas uma versão com motor 1.0 turbo e câmbio automático, que parte de R$ 93.490. Sem opcionais, ele tem itens como 6 airbags, controles de estabilidade e tração, chave presencial e câmera de ré. Tracker 1.2 Premier é bem equipado, mas caro: G1 ANDOU Volkswagen Nivus Highline tem faróis full-LED Celso Tavares/G1 No caso do Duster, também recém-lançado, as versões automáticas vão de R$ 80.690 a R$ 90.690, sempre com motor 1.6. Na mais cara, há central multimídia, câmera de ré, detector de ponto cego e só 2 airbags. Duster evoluiu em visual, mas peca em segurança: G1 ANDOU Para o Renegade 1.8 flex, que começa em R$ 76.490, há apenas airbags frontais, ar-condicionado manual, monitoramento da pressão dos pneus. Só na versão Sport, de R$ 91.590, há central multimídia, enquanto airbags laterais, de cortina e de joelho entram apenas na mais cara, Limited, de R$ 113.990. Nenhum deles oferece faróis de LED de série na configuração de entrada e só o Tracker tem 6 airbags, como o Nivus. O modelo da Volkswagen também é o único com sistemas de piloto automático adaptativo e frenagem de emergência por menos de R$ 90 mil, considerando o pacote opcional da versão Comfortline, e até R$ 100 mil, considerando a versão Highline. Nivus só será oferecido com câmbio automático Celso Tavares/G1
Veja Mais

24/06 - Código de Trânsito: Câmara muda projeto e fixa em 10 anos validade da CNH de motorista profissional
Texto-base aprovado pelos deputados nesta terça (23) determinava cinco anos. Nesta quarta (24), Câmara concluiu a votação do projeto, que agora segue para o Senado. Câmara aprova proposta do governo que reformula Código de Trânsito Brasileiro A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (24) um destaque (mudança no texto do projeto) que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a fim de permitir que a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de motoristas profissionais, com idade inferior a 50 anos, tenha validade de dez anos. O texto-base, aprovado pelos parlamentares na terça-feira (23), determinava que o documento para os condutores nessa faixa etária fosse renovado a cada cinco anos. Com isso, os motoristas profissionais ficarão enquadrados na regra geral: CNH com validade de dez anos para quem tiver menos de 50 anos CNH com validade de cinco anos para quem tiver idade igual ou superior a 50 anos e inferior a 70 anos; CNH com validade de três anos para condutores com idade igual ou superior a 70 anos. Os demais destaques ao projeto foram rejeitados. Com a conclusão da votação pela Câmara, a matéria seguirá para votação no Senado. Considerado um assunto prioritário pelo Palácio do Planalto, o projeto foi apresentado em junho do ano passado pelo presidente Jair Bolsonaro, que foi pessoalmente à Câmara fazer a entrega do texto. Entre as mudanças, o projeto amplia o prazo para a renovação dos exames de aptidão física e mental para a renovação da CNH e estabelece a obrigatoriedade do uso de cadeirinha para o transporte de crianças de até 10 anos que ainda não atingiram 1,45 metro. O projeto regulamenta ainda a circulação de motocicletas entre os veículos, mantém a exigência de exames toxicológicos para motoristas das categorias C, D e E e prevê limites diferentes de pontuação na carteira de motorista, antes da suspensão, no prazo de 12 meses. Ponto a ponto Saiba ponto a ponto o que diz o projeto: Validade da CNH O projeto amplia o prazo para a renovação dos exames de aptidão física e mental para a renovação da CNH, de acordo com as seguintes situações: 10 anos para condutores com menos de 50 anos; 5 anos para condutores com idade igual ou superior a 50 anos e inferior a 70 anos; 3 anos para condutores com 70 anos ou mais. O texto-base inicialmente previa que, para os motoristas com idade inferior a 50 anos que exercessem atividade remunerada em veículo, a periodicidade de renovação seria menor, de cinco anos. Mas os deputados aprovaram um destaque do PSL e mantiveram para estes profissionais a mesma regra válida aos demais. O texto prevê, ainda, que em caso de indícios de deficiência física ou mental ou de progressividade de doença que diminua a capacidade de condução, o perito examinador pode diminuir os prazos para a renovação da carteira. Atualmente, o Código de Trânsito prevê a renovação a cada cinco anos para a maioria dos motoristas e a cada três anos para condutores com mais de 65 anos. Já o texto enviado pelo governo previa a renovação dos exames a cada 10 anos e, para pessoas acima de 65 anos, a cada cinco anos. Exame de aptidão O texto determina, ainda, que os exames de aptidão física e mental sejam realizados por médicos e psicólogos peritos examinadores, com a titulação de especialista em medicina do tráfego ou em psicologia de trânsito, respectivamente. A legislação atual não deixa explícita essa exigência, e os requisitos constam apenas em resoluções do Contran. Pela proposta, os exames devem ser avaliados "objetivamente" pelos examinados, o que subsidiará a fiscalização sobre o profissional credenciado feita pelos órgãos de trânsito em colaboração com os conselhos profissionais. Pontuação da CNH O projeto também prevê limites diferentes de pontuação na carteira de motorista, antes da suspensão, no prazo de 12 meses: 40 pontos para quem não tiver infração gravíssima; 30 pontos para quem possuir uma gravíssima; 20 pontos para quem tiver duas ou mais infrações do tipo. Os motoristas profissionais terão 40 pontos de teto, independentemente das infrações cometidas. Esses condutores podem participar de curso preventivo de reciclagem quando atingirem 30 pontos. A legislação atual prevê a suspensão da carteira sempre que o infrator atingir 20 pontos. O projeto original do governo previa uma ampliação geral, de 40 pontos para todos os motoristas, independentemente da vinculação por infração criada pelo relator. Avaliação psicológica O relator incluiu, também, a exigência de avaliação psicológica quando o condutor: se envolver em acidente grave para o qual tenha contribuído; ser condenado judicialmente por delito de trânsito; estiver colocando em risco a segurança do trânsito, por decisão da autoridade de trânsito. Cadeirinha O projeto aprovado determina também a obrigatoriedade do uso da cadeirinha para crianças de até 10 anos que ainda não atingiram 1,45 m de altura. Pelo texto, o descumprimento desta regra ocasionará uma multa correspondente a uma infração gravíssima. A proposta original do governo previa que a punição para o descumprimento fosse apenas uma advertência por escrito, sem a multa. Pela proposta do Executivo, endurecida pelo relator, a cadeirinha seria necessária para crianças de até 7 anos e meio. Exames toxicológicos Sobre a renovação da carteira de habilitação, o texto também mantém a obrigatoriedade de exames toxicológicos para motoristas das categorias C, D e E. O fim da obrigatoriedade do exame era um dos pontos polêmicos do texto e foi alvo de críticas de parlamentares e entidades ligadas ao setor. Segundo a proposta, quem tem idade inferior a 70 anos também terá que se submeter ao exame a cada dois anos e meio, independentemente da validade da CNH. Objetivo é impedir que eventual mudança do prazo da carteira implique em alteração na periodicidade do exame. Motos O projeto estabelece regras para a circulação de motocicletas, motonetas e ciclomotores quando o trânsito estiver parado ou lento. Pelo texto, os motociclistas devem transitar com velocidade compatível com a segurança dos pedestres e demais veículos nessas situações. A proposta cria ainda uma “área de espera” para motociclistas junto aos semáforo. O projeto diz que haverá uma área delimitada por duas linhas de retenção, destinada exclusivamente à espera destes veículos próximos aos semáforos, imediatamente à frente da linha de retenção dos demais veículos. Recall O projeto torna o recall das concessionárias - convocação de proprietários para reparar defeitos constatados nos veículos - uma condição para o licenciamento anual do veículo a partir do segundo ano após o chamamento. Segundo o relator, são frequentes os casos de descumprimento do procedimento, colocando em risco a segurança dos condutores desses veículos e de outras pessoas. Cadastro positivo A proposta cria o Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), em que serão cadastrados os condutores que não tenham cometido infração de trânsito sujeita a pontuação nos últimos 12 meses. O cadastro positivo vai possibilitar que estados e municípios concedam benefícios fiscais e tarifários aos condutores cadastrados. Inicialmente, o relatório previa que, na Semana Nacional de Trânsito, comemorada em setembro, haveria um sorteio no valor de 1% do montante arrecadado com as multas para premiar os motoristas do cadastro. Contudo, Juscelino Filho retirou essa parte ao acolher uma emenda de plenário. Escolinhas de trânsito O projeto prevê a criação de escolinhas de trânsito para crianças e adolescentes com aulas teóricas e práticas sobre legislação, sinalização e comportamento no trânsito. Consulta pública As propostas de normas regulamentares a serem editadas pelo Contran deverão sejam submetidas a consulta pública antes da entrada em vigor. Objetivo é dar mais transparência às decisões do conselho. Multas administrativas O parecer propõe a isenção de pontos na carteira de motorista em algumas situações de infrações de natureza administrativa, por exemplo: Conduzir veículo com a cor ou característica alterada; Conduzir veículo sem os documentos de porte obrigatório; Portar no veículo placas em desacordo com as especificações e modelos estabelecidos pelo Contran; Deixar de atualizar o cadastro de registro do veículo ou de habilitação do condutor. As multas para essas situações, contudo, estão mantidas. Outros pontos Veja outros pontos do projeto: Reprovação de exame: o projeto revoga dispositivo do Código de Trânsito que determinava que o exame escrito sobre legislação de trânsito ou de direção veicular só poderia ser refeito 15 dias depois da divulgação do resultado, em caso de reprovação; Faróis: o texto determina a obrigatoriedade de manter os faróis acesos durante o dia, em túneis e sob chuva, neblina ou cerração, e à noite. A proposta, contudo, flexibiliza a obrigatoriedade dos faróis nas rodovias, previstas atualmente em lei - pela proposta, a obrigatoriedade é apenas para veículos que não tenham luzes de rodagem diurna em rodovias de pista simples; Capacete sem viseira: a proposta altera trecho do Código de Trânsito que trata da obrigatoriedade do uso do capacete, retirando a menção sobre a viseira - o que, atualmente, é considerado infração gravíssima. O não uso viseira no capacete ou do óculos de proteção ganhou um artigo separado na lei, tornando-se infração média; Aulas à noite: o projeto também retira a obrigatoriedade de que parte das aulas de direção sejam feitas à noite; Policiais legislativos: o texto prevê que os policiais legislativos da Câmara dos Deputados e do Senado, mediante convênio com o órgão ou entidade de trânsito local, poderão autuar os motoristas em caso de infração cometida nas adjacências do Congresso Nacional quando estiverem comprometendo os serviços ou colocando em risco a segurança das pessoas ou o patrimônio do Legislativo. Os autos de infração serão encaminhadas ao órgão competente.
Veja Mais

24/06 - Jessi Combs recebe título de 'mulher mais rápida do mundo' 10 meses após sua morte
De acordo com o Guinness, Combs atingiu a velocidade 841,338 km/h, no Oregon, em 27 de agosto de 2019. Ela utilizava veículo movido a jato para bater recordes de velocidade. Jessi Combs recebeu do Guinness, o livro dos recordes, o título de "mulher mais rápida do mundo" em um veículo no solo Reprodução/Facebook A norte-americana Jessi Combs recebeu o título de "mulher mais rápida do mundo" em solo do Guinness, o livro dos recordes, 10 meses após a sua morte, em um acidente que sofreu quando tentava bater a marca. De acordo com o Guinness, Combs atingiu a velocidade 841,338 km/h no deserto de Alvord, no Oregon, em 27 de agosto de 2019. Ela superou assim a atinga marca, da também norte-americana Kitty O’Neil, que estabeleceu 819 km/h em 1976. Veículo a jato utilizado por Jessi Combs nas tentativas de bater o recorde Reprodução/Facebook Combs tinha 39 anos na época do acidente. Além de pilotar carros e motos, ela participou de diversos programas de TV; como "Overhaulin" e "Os caçadores de mito". Jessi Combs é a 'mulher mais rápida do mundo' Reprodução/Instagram
Veja Mais

24/06 - Fiat Strada aposta em mais espaço com nova cabine simples e 'mata’ opção estendida
Marca italiana também mudou nome da configuração, que agora passa a se chamar cabine Plus. Lançamento da picape é na próxima sexta-feira, 26. Fiat Strada cabine simples Divulgação O lançamento da Fiat Strada acontece na próxima sexta-feira (26). Porém, nesta quarta-feira (24), a marca italiana antecipou alguns detalhes das versões de entrada do modelo, que é a picape mais vendida do Brasil. Os preços não foram divulgados. A nova Strada não terá carroceria com cabine estendida. Serão oferecidas apenas cabines simples e dupla – esta última com quatro portas e espaço para 5 ocupantes, algo exclusivo em sua categoria. O G1 já avaliou a versão topo de linha. Confira no vídeo abaixo: Fiat Strada muda depois de 2 décadas; G1 testou a nova picape Strada terá câmbio automático e vai aposentar 'sobrenome' Adventure O diretor da Fiat, Herlander Zola, explica a decisão de manter apenas duas configurações. “Hoje, cabine estendida representa apenas 6% nas vendas”. Enquanto isso, a cabine simples tem uma fatia de quase 80%. “Aqueles que precisarem de mais espaço, podem migrar para a cabine dupla. Quem não faz tanta questão, pode ficar com a cabine Plus”, completa. Fiat Strada com cabine simples Divulgação O termo “cabine Plus” é a forma como a Fiat vai chamar sua nova cabine simples. Além do novo nome, o espaço será mais generoso. Enquanto a parte interna da cabine simples atual acomoda 75 litros, a nova terá o dobro do volume, 150 litros. Ainda assim, é metade do volume da cabine estendida que sairá de linha. O espaço na caçamba, porém, melhorou muito. Veja abaixo: Nova Strada com cabine simples – 1.354 litros e 720 kg Strada atual com cabine simples – 1.220 litros e 705 kg Strada atual com cabine estendida – 910 litros 685 kg Fiat Strada cabine simples terá 1.354 litros de capacidade na caçamba Divulgação A fabricante italiana também disse que aprimorou o sistema antifurto do estepe, localizado abaixo da caçamba. Essa é a razão para ter abolido a fixação do pneu sobressalente dentro da cabine, que roubava cerca de 25 litros da área. “A engenharia passou 250 horas trabalhando nessa trava. E ninguém na fábrica conseguiu roubar o estepe nos testes”, concluiu. Fiat Strada cabine simples Divulgação Versões Zola ainda confirmou que serão oferecidas 3 versões para a cabine dupla e outras 2 na simples: Cabine simples Endurance e Freedom Cabine dupla Endurance, Freedom e Volcano Serão duas motorizações. A opção de entrada, Endurance com cabine simples, terá o conhecido e veterano 1.4 Fire, que entrega 88 cavalos. As demais versões terão o moderno 1.3 Firefly, de 109 cv. Nos dois casos, o câmbio é manual, de 5 marchas. Não foram revelados os equipamentos de cada uma delas. Porém, a opção mais cara vai oferecer faróis de LED, central multimídia com conexão Android Auto e Apple CarPlay sem fio e 4 airbags. Todas as configurações terão os obrigatórios controles de estabilidade e cintos traseiros de 3 pontos para todos os ocupantes, além de controle de tração e assistente de partida em rampas. Hard Working segue em linha Fiat Strada Hard Working Divulgação Como já era conhecido, a Fiat vai manter uma versão da Strada atual. Nesta quarta-feira (24), o diretor da empresa confirmou qual foi a configuração escolhida para permanecer em linha. Será a Hard Working, a segunda mais simples. Hoje, ela custa R$ 63.590. Questionado se esse será o novo preço de partida da família Strada, Zola não confirmou. Ele também disse que a empresa trabalha para baixar o preço dessa configuração específica. Inclusive, a Hard Working vai compartilhar o motor 1.4 com a versão de entrada da nova Strada.
Veja Mais

24/06 - Moto da Aston Martin aparece pela 1ª vez em movimento
Feita somente para circuitos fechados, AMB-001 é a primeira moto da história da marca. Com motor turbo de 180 cv, modelo terá apenas 100 unidades produzidas ao valor de 108 mil euros. Aston Martin mostra 1ª moto na pista A Aston Martin divulgou nesta quarta-feira (24) as primeiras imagens de sua moto em movimento. Primeira moto da história da marca, a AMB-001 tinha sido vista apenas estática até então. Feita em parceria com a montadora Brough Superior, a AMB-001 custa 108 mil euros — equivalente a mais de R$ 640 mil. O modelo foi revelado no Salão de Milão 2019, e a previsão de entrega das primeiras unidades é para o final de 2020. Moto voadora ou drone gigante? Conheça projetos em andamento Aston Martin AMB-001 tem pilotagem esportiva Reprodução/Youtube Sua primeira aparição em movimento foi em vídeo divulgado pela montadora. Pelo jeito que a moto se comporta, dá para ver que realmente ela terá uma pilotagem esportiva. Aston Martin AMB-001 na pista Reprodução/Youtube Produção na França Ao G1, no evento do ano passado, a Brough Superior disse que as entregas começam no primeiro semestre de 2020 na Europa, mas ainda não há uma previsão de vendas no mercado brasileiro. Apenas 100 unidade da motocicleta serão produzidas em Toulouse, na França. Aston Martin lança sua primeira moto por 108 mil euros Equipada com motor V2 turbo, o modelo chega a 180 cavalos de potência, para 180 kg de peso. Aston Martin AMB-001 Rafael Miotto/G1 Seu visual parece bastante o de um protótipo e tem inspiração nos carros da marca inglesa. Como não é feita para rodar nas ruas, a AMB-001 não possui espelhos retrovisores e o posicionamento de pilotagem é extremamente radical. Aston Martin AMB-001 Rafael Miotto/G1 Aston Martin AMB-001 no Salão de Milão 2019 Rafael Miotto/G1 Aston Martin revelou a sua primeira moto, a AMB-001, no Salão de Milão Rafael Miotto/G1 Initial plugin text
Veja Mais

24/06 - Nova gasolina será mais cara, mas eficiência compensará, diz diretora da Petrobras
A partir de agosto, gasolina produzida no Brasil terá especificações novas, com qualidade semelhante ao combustível produzido nos EUA e Europa. Gasolina produzida no Brasil terá, a partir de agosto, nova composição com qualidade equivalente ao combustível produzido nos EUA e Europa Marcelo Brandt/G1 A diretora de refino e gás natural da Petrobras, Anelise Lara, disse que o litro da gasolina tende a ficar mais caro a partir de agosto, com a entrada em vigor das novas especificações do derivado. Segundo ela, contudo, o aumento do preço do litro deve ser compensado por uma maior eficiência no consumo dos combustíveis pelos carros. “Como praticamos o preço de paridade de importação, ela [gasolina com maior qualidade] será mais cara, se comparada à atual. O preço de paridade vai ser um pouco mais elevado, mas isso vai ser compensado, porque ela será mais eficiente. Em termos finais de custo, acreditamos que será mais positivo [para o consumidor], porque poderá rodar mais com menos”, afirmou ela, ao participar de evento on-line. Anelise destacou que as refinarias da Petrobras já estão preparadas para atender a nova regulamentação da qualidade da gasolina, aprovada em janeiro pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Diesel verde A diretora afirmou também que a viabilidade econômica do diesel renovável — tecnologia patenteada pela empresa que permite produzir o derivado a partir do coprocessamento de petróleo com óleos vegetais nas refinarias — dependerá da regulamentação do novo produto. A estatal brasileira defende, junto à ANP, que a comercialização do diesel verde, que começará a ser testado na refinaria Repar, em Araucária (PR), a partir de julho, possa gerar créditos de descarbonização (Cbios) — instrumento do programa federal RenovaBio para a compensação de emissões de gases de efeito estufa. Cada CBio equivale à redução de emissão de 1 tonelada de carbono resultante da substituição do consumo de combustíveis fósseis por renováveis. “Para que eles [diesel verde e bioquerosene de aviação] sejam economicamente viáveis, precisam ser regulamentados. Esse é o ponto mais relevante para a gente seguir com a produção de diesel verde”, afirmou a executiva, durante evento on-line. O RenovaBio estabelece metas de emissões para cada distribuidora de combustível, que deve adquirir os CBios dos produtores de combustíveis renováveis.
Veja Mais

24/06 - Caoa Chery lança o sedã Arrizo 6 no Brasil, o 'Corolla' da marca, por R$ 98.400
Modelo tem preço especial de lançamento e aposta em boa oferta de equipamentos de série. Chinesa promete mais um lançamento para 2020. Caoa Chery Arrizo 6 chega para brigar com o Toyota Corolla Divulgação A Caoa Chery lançou nesta quarta-feira (24) o sedã médio Arrizo 6, voltado ao segmento que é liderado atualmente pelo Toyota Corolla. Para o lançamento, o modelo custará R$ 98.400. Após esse período, que não foi especificado pela marca, o preço inicial subirá para R$ 108.750. As vendas começam no mês que vem. Entre os rivais, o Corolla parte de R$ 105.990 e o Honda Civic parte de R$ 102.200. Outra opção, o Volkswagen Jetta, começa em R$ 99.990. Desenvolvido na China e na Europa, o modelo foi apresentado no país asiático em 2018. Para o Brasil, o Arrizo 6 será fabricado em Jacareí (SP), de onde o evento de lançamento aconteceu via streaming, e vendido na versão única GSX, nas cores branco sólido, branco perolizado, cinza, prata e preto. Traseira do Caoa Chery Arrizo 6 Divulgação O sedã tem motor 1.5 turbo de 150 cv, o mesmo do Arrizo 5, que desenvolve até 21,4 kgfm de torque, com etanol, e câmbio CVT de 9 marchas simuladas. De acordo com a marca, o conjunto é capaz de levar o modelo de 0 a 100 km/h em 10 segundos. Com etanol, a média de consumo na estrada é de 9,4 km/l e, na cidade, de 7,6 km/l. Com gasolina as médias sobem para 13,3 e 11 km/l, respectivamente. Interior do Caoa Chery Arrizo 6 Divulgação O sedã aposta em boa oferta de equipamentos de série. Entre eles, chave presencial com partida por botão, central multimídia com tela de 9 polegadas, 4 câmeras (uma em cada espelho e outras na frente e atrás, que dão uma visão de 360º para o motorista) e 6 airbags (2 frontais, 2 laterais e 2 de cortina). A lista segue com faróis com luzes diurna de LED, luz de neblina na traseira, sensores de estacionamento e assistente de partida em rampa, entre outros itens. Central multimídia do Caoa Chery Arrizo 6 tem central multimídia de 9 polegadas Divulgação Central e painel digitais O Arrizo 6 traz como uma das grandes novidades dentro da marca Caoa Chery o conjunto digital formado pelo quadro de instrumentos personalizável, com tela de 7 polegadas, e a central multimídia — esta com 9 polegadas. De acordo com a montadora, a central multimídia tem conectividade apenas com o CarPlay da Apple; no caso de aparelhos Android, o pareamento pode ser feito apenas por espelhamento convencional, sem a plataforma Android Auto. Painel digital do Chery Arrizo 6 Divulgação Dimensões Maior do que o "irmão" Arrizo 5, o Arrizo 6 tem dimensões próximas das do Corolla, seu principal concorrente. Ele mede 4,68 m de comprimento, 1,81 m de largura, 1,49 m de altura e com distância entre eixos de 2,65 m, e tem rodas de 17 polegadas. Seu porta-malas leva 570 litros, enquanto o tanque de combustível tem capacidade de 48 litros. Como comparação, o Toyota é menor em quase tudo, com 4,63 m de comprimento, 1,78 m de largura, 1,46 m de altura e 470 litros de porta-malas. Ele só é maior do que o chinês no entre-eixos, com 2,70 metros, e no tanque, com 50 litros. Caoa Chery Arrizo 6 Divulgação Mais um lançamento Durante a apresentação do novo Arrizo 6, a Caoa Chery prometeu mais um "grande lançamento" ainda para 2020 no Brasil, sem revelar de qual se trata. Porém, é possível apontar para a possibilidade de que seja o Tiggo 8 (foto abaixo), novo SUV topo de linha da marca, que será produzido em Anápolis (GO). Ele já foi apresentado em 2018 no Salão do Automóvel de São Paulo. O modelo deverá ser equipado com motor 1.6 turbo de 186 cv de potência e câmbio automatizado de dupla embreagem com 7 marchas e banhado a óleo. Chery Tiggo 8 Divulgação/Chery
Veja Mais

24/06 - Contran autoriza aula teórica de formação de condutores remota durante pandemia
Resolução vale a partir de 1º de julho. Conteúdo, carga horária e duração de aulas devem seguir critérios das presenciais; candidatos e instrutores deverão passar por validação biométrica facial. Donos de autoescolas pedem reabertura do comércio. Elton Lopes O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) autorizou aulas remotas, à distância, técnico-teóricas de formação de condutores para quem vai tirar a carteira nacional de habilitação (CNH) durante a pandemia de Covid-19. A medida não trata das aulas práticas de direção. A resolução foi aprovada pelo conselho em 28 de abril e publicada no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (24). O texto começa a valer em 1º de julho. Câmara aprova projeto que altera Código de Trânsito; veja ponto a ponto De acordo com a resolução, os centros de formação de condutores (CFC) ficam autorizados a realizar as aulas remotas desde que o candidato tenha interesse. O conteúdo programático, a carga horária e a duração das aulas devem seguir os mesmos critérios das aulas presenciais. O texto do Contran também estabelece que as aulas devem cumprir uma série de requisitos, como: Permitir, no início e no fim da aula, a validação biométrica facial do instrutor de trânsito e dos candidatos; Permitir que o monitoramento da permanência dos alunos e do instrutor na sala virtual; Disponibilizar interface que permita que o instrutor compartilhe em tempo real vídeo, áudio e tela do seu dispositivo, e que usuário possa visualizar as aulas agendadas; Permitir que instrutor e candidato interajam em tempo real por meio de vídeo ou chat. Initial plugin text
Veja Mais

23/06 - Câmara aprova texto-base de projeto que altera Código de Trânsito; saiba ponto a ponto
Entre as mudanças, estão aumento do número de pontos da CNH para alguns motoristas, assim como a prorrogação da validade. Câmara aprova proposta do governo que reformula Código de Trânsito Brasileiro A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (23) o texto-base do projeto do governo que muda trechos do Código de Trânsito Brasileiro. >> Saiba como votou cada deputado Para concluir a votação, os parlamentares ainda precisam analisar os destaques, isto é, sugestões de alteração do texto. Esta etapa começou nesta terça, mas só será concluída nesta quarta (24). Em seguida, o projeto seguirá para o Senado. Entre as mudanças aprovadas pelos deputados, estão: aumento do número de pontos para suspensão, em razão de multas, da Carteira Nacional de Habilitação (CNH); prorrogação do prazo da validade desse documento. Pontos da proposta original enviada pelo governo, como a retirada da multa para quem transportar criança sem a cadeirinha, ficaram de fora do relatório apresentado pelo deputado Juscelino Filho (DEM-MA). Considerado um assunto prioritário pelo Palácio do Planalto, o projeto foi apresentado em junho do ano passado pelo presidente Jair Bolsonaro, que foi pessoalmente à Câmara fazer a entrega do texto. No mês passado, Bolsonaro, em reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a fazer um apelo para o projeto ser votado. Partidos de oposição tentaram obstruir o texto, atrasando a votação, por serem contrários ao conteúdo do projeto e, também, por defenderem que a Câmara deve dar prioridade a pautas relacionadas à pandemia do novo coronavírus. Câmara pode votar agora à tarde projeto que reformula o Código de Trânsito Brasileiro Ponto a ponto Saiba ponto a ponto o que diz o projeto: Validade da CNH O projeto amplia o prazo para a renovação dos exames de aptidão física e mental para a renovação da CNH, de acordo com as seguintes situações: 10 anos para condutores com menos de 50 anos; 5 anos para condutores com idade igual ou superior a 50 e inferior a 70 anos; 3 anos para condutores com 70 anos ou mais. Para os motoristas com menos de 50 anos que exercem atividade remunerada em veículo, a periodicidade de renovação será menor, de cinco anos. O texto prevê, ainda, que em caso de indícios de deficiência física ou mental ou de progressividade de doença que diminua a capacidade de condução, o perito examinador pode diminuir os prazos para a renovação da carteira. Atualmente, o Código de Trânsito prevê a renovação a cada cinco anos para a maioria dos motoristas e a cada três anos para condutores com mais de 65 anos. Já o texto enviado pelo governo previa a renovação dos exames a cada 10 anos e, para pessoas acima de 65 anos, a cada cinco anos. Exame de aptidão O texto determina, ainda, que os exames de aptidão física e mental sejam realizados por médicos e psicólogos peritos examinadores, com a titulação de especialista em medicina do tráfego ou em psicologia de trânsito, respectivamente. A legislação atual não deixa explícita essa exigência, e os requisitos constam apenas em resoluções do Contran. Pela proposta, os exames devem ser avaliados "objetivamente" pelos examinados, o que subsidiará a fiscalização sobre o profissional credenciado feita pelos órgãos de trânsito em colaboração com os conselhos profissionais. Pontuação da CNH O projeto também prevê limites diferentes de pontuação na carteira de motorista, antes da suspensão, no prazo de 12 meses: 40 pontos para quem não tiver infração gravíssima; 30 pontos para quem possuir uma gravíssima; 20 pontos para quem tiver duas ou mais infrações do tipo. Os motoristas profissionais terão 40 pontos de teto, independentemente das infrações cometidas. Esses condutores podem participar de curso preventivo de reciclagem quando atingirem 30 pontos. A legislação atual prevê a suspensão da carteira sempre que o infrator atingir 20 pontos. O projeto original do governo previa uma ampliação geral, de 40 pontos para todos os motoristas, independentemente da vinculação por infração criada pelo relator. Avaliação psicológica O relator incluiu, também, a exigência de avaliação psicológica quando o condutor: se envolver em acidente grave para o qual tenha contribuído; ser condenado judicialmente por delito de trânsito; estiver colocando em risco a segurança do trânsito, por decisão da autoridade de trânsito. Plenário pode votar nesta terça (23) projeto que reformula código de trânsito Cadeirinha O projeto aprovado determina também a obrigatoriedade do uso da cadeirinha para crianças de até 10 anos que ainda não atingiram 1,45 m de altura. Pelo texto, o descumprimento desta regra ocasionará uma multa correspondente a uma infração gravíssima. A proposta original do governo previa que a punição para o descumprimento fosse apenas uma advertência por escrito, sem a multa. Pela proposta do Executivo, endurecida pelo relator, a cadeirinha seria necessária para crianças de até 7 anos e meio. Exames toxicológicos Sobre a renovação da carteira de habilitação, o texto também mantém a obrigatoriedade de exames toxicológicos para motoristas das categorias C, D e E. O fim da obrigatoriedade do exame era um dos pontos polêmicos do texto e foi alvo de críticas de parlamentares e entidades ligadas ao setor. Segundo a proposta, quem tem idade inferior a 70 anos também terá que se submeter ao exame a cada dois anos e meio, independentemente da validade da CNH. Objetivo é impedir que eventual mudança do prazo da carteira implique em alteração na periodicidade do exame. Motos O projeto estabelece regras para a circulação de motocicletas, motonetas e ciclomotores quando o trânsito estiver parado ou lento. Pelo texto, os motociclistas devem transitar com velocidade compatível com a segurança dos pedestres e demais veículos nessas situações. A proposta cria ainda uma “área de espera” para motociclistas junto aos semáforo. O projeto diz que haverá uma área delimitada por duas linhas de retenção, destinada exclusivamente à espera destes veículos próximos aos semáforos, imediatamente à frente da linha de retenção dos demais veículos. Recall O projeto torna o recall das concessionárias - convocação de proprietários para reparar defeitos constatados nos veículos - uma condição para o licenciamento anual do veículo a partir do segundo ano após o chamamento. Segundo o relator, são frequentes os casos de descumprimento do procedimento, colocando em risco a segurança dos condutores desses veículos e de outras pessoas. Cadastro positivo A proposta cria o Registro Nacional Positivo de Condutores (RNPC), em que serão cadastrados os condutores que não tenham cometido infração de trânsito sujeita a pontuação nos últimos 12 meses. O cadastro positivo vai possibilitar que estados e municípios concedam benefícios fiscais e tarifários aos condutores cadastrados. Inicialmente, o relatório previa que, na Semana Nacional de Trânsito, comemorada em setembro, haveria um sorteio no valor de 1% do montante arrecadado com as multas para premiar os motoristas do cadastro. Contudo, Juscelino Filho retirou essa parte ao acolher uma emenda de plenário. Escolinhas de trânsito O projeto prevê a criação de escolinhas de trânsito para crianças e adolescentes com aulas teóricas e práticas sobre legislação, sinalização e comportamento no trânsito. Consulta pública As propostas de normas regulamentares a serem editadas pelo Contran deverão sejam submetidas a consulta pública antes da entrada em vigor. Objetivo é dar mais transparência às decisões do conselho. Multas administrativas O parecer propõe a isenção de pontos na carteira de motorista em algumas situações de infrações de natureza administrativa, por exemplo: Conduzir veículo com a cor ou característica alterada; Conduzir veículo sem os documentos de porte obrigatório; Portar no veículo placas em desacordo com as especificações e modelos estabelecidos pelo Contran; Deixar de atualizar o cadastro de registro do veículo ou de habilitação do condutor. As multas para essas situações, contudo, estão mantidas. Outros pontos Saiba outros pontos: Reprovação de exame: o projeto revoga dispositivo do Código de Trânsito que determinava que o exame escrito sobre legislação de trânsito ou de direção veicular só poderia ser refeito 15 dias depois da divulgação do resultado, em caso de reprovação; Faróis: o texto determina a obrigatoriedade de manter os faróis acesos durante o dia, em túneis e sob chuva, neblina ou cerração, e à noite. A proposta, contudo, flexibiliza a obrigatoriedade dos faróis nas rodovias, previstas atualmente em lei - pela proposta, a obrigatoriedade é apenas para veículos que não tenham luzes de rodagem diurna em rodovias de pista simples; Capacete sem viseira: a proposta altera trecho do Código de Trânsito que trata da obrigatoriedade do uso do capacete, retirando a menção sobre a viseira - o que, atualmente, é considerado infração gravíssima. O não uso viseira no capacete ou do óculos de proteção ganhou um artigo separado na lei, tornando-se infração média; Aulas à noite: o projeto também retira a obrigatoriedade de que parte das aulas de direção sejam feitas à noite; Policiais legislativos: o texto prevê que os policiais legislativos da Câmara dos Deputados e do Senado, mediante convênio com o órgão ou entidade de trânsito local, poderão autuar os motoristas em caso de infração cometida nas adjacências do Congresso Nacional quando estiverem comprometendo os serviços ou colocando em risco a segurança das pessoas ou o patrimônio do Legislativo. Os autos de infração serão encaminhadas ao órgão competente.
Veja Mais