Notícias - Alpha Trânsito

Cassação de cnh Sorocaba suspensão de cnh sorocaba



habilitação suspensa sorocaba multa por embriaguez sorocaba



Cassação de cnh Sorocaba suspensão de cnh sorocaba



habilitação suspensa sorocaba multa por embriaguez sorocaba



Área do Cliente
Notícias

RSS Feed - Notícias - Mantenha-se Informado


17/01 - Veja dicas para economizar combustível no Guia Prático do G1
Aprenda a calcular a média de quilômetros por litro e saiba se você pratica maus hábitos do motorista que fazem o veículo 'beber' mais. Veículo sendo abastecido em posto de combustível em Ribeirão Preto, SP Fábio Junior/EPTV O Guia Prático, série do G1 com mais de 130 vídeos sobre carros e motos, tem entre seus temas dicas sobre consumo de combustível. Veja abaixo que maus hábitos ao volante podem fazer o carro "beber" mais, como calcular o consumo do seu veículo e quais as diferenças entre gasolina aditivada, premium e comum, entre outras reportagens. VÍDEO: veja hábitos que fazem o consumo aumentar Veja hábitos que aumentam o consumo de combustível Aceleradas - evite aceleradas bruscas e desnecessárias. Elas afetam muito a média de consumo. Vidros - andar com a janela aberta interfere na aerodinâmica e no consumo, principalmente a mais de 80 km/h. Combustível - gasolina ou etanol "batizados" interferem na média porque a leitura do sistema de injeção eletrônica é afetada pela composição errada. Na banguela? - aquele costume de deixar o carro em ponto morto em descidas é coisa do passado. O veículo engrenado gasta menos porque a injeção corta o combustível. No trânsito - próximo aos semáforos, por exemplo, diminua a velocidade se estiver vermelho. Evite o "zigue-zague" e acelerar sem necessidade. Velas - se ela está ruim, a queima do combustível fica irregular, o que reflete diretamente no aumento do combustível injetado. Filtros - precisam ser trocados nas datas previstas no manual, sem desculpas. Em caso de entupimento, eles interferem diretamente na mistura de ar e combustível na câmara de combustão. Rodas - o alinhamento é fundamental para a aerodinâmica. Se o veículo está fora de geometria, as rodas serão arrastadas, em vez de somente girar. Pneus - a calibragem influencia diretamente no consumo e deve ser feita no máximo a cada 15 dias. Peso - quanto mais pesado, mas o veículo consome. Então retire o "armário" do porta-malas. Troca de marcha - uso do câmbio deve ser suave, sem necessidade de ?esticar? a marcha. Andar com uma marcha alta em baixa velocidade também aumenta o consumo.Velocidade - outra atitude eficiente é não andar em altas velocidades. Um carro consome cerca de 20% a mais quando está a 100 km/h do que quando está a 80 km/h. Rotina - Se o trajeto for curto, deixe o carro em casa. Um pouco de exercício não faz mal a ninguém. Leia mais sobre o que faz o consumo aumentar no 'Oficina do G1' Aprenda a calcular o consumo do seu carro Guia Prático #74: Aprenda a calcular o consumo de seu carro Não é complicado, mas requer seguir algumas regrinhas (veja no vídeo acima), como rodar um mínimo de 200 km, para ter uma boa média. Calcule: álcool ou gasolina, qual vale mais a pena? Se você mantiver um histórico do consumo, poderá identificar quando é a hora certa de fazer a manutenção e se o combustível que está no seu carro pode ter sido "batizado". 'Tanquinho' de gasolina: veja como cuidar dele Veja dicas para abastecer carro flex Amigo do frio - o tanquinho só é acionado se a temperatura ambiente for menor do que 18 graus. Encher ou não? - se você mora em um local onde costuma fazer frio, deixe meio litro de gasolina nele sempre. Prefira usar gasolina aditivada ou premium, que dura mais. E se não tem tanquinho - modelos mais modernos de motor flex dispensam o 'tanquinho'. Eles usam o aquecimento do etanol na entrada do bico injetor. Gasolina premium, aditivada ou comum? Veja dicas sobre combustíveis e abastecimento Em um primeiro momento, a gasolina aditivada não influencia no consumo. A função dela é manter a limpeza e preservar o motor, por meio de aditivos que ela contém. A gasolina premium também tem aditivos, e possui octanagem maior. Esta é a medida de resistência da gasolina à queima espontânea que ocorre dentro da câmara de combustão. Na prática, ela permite uma combustão mais rápida e maior do produto, mas o efeito só é perceptível para carros mais potentes, como os esportivos. Injeção direta: entenda por que ajuda a economizar Guia Prático #133: entenda como funciona a injeção direta de combustível Motor tradicional + elétrico: como é o carro híbrido Guia Prático #125: Sabe o que são carros híbridos? Entenda Oficina do G1: andar com vidro aberto economiza? Oficina do G1: andar com vidro aberto economiza combustível? Nem sempre! O especialista em mecânica Denis Marum explica que, na estrada, em alta velocidade, é preciso considerar que o vidro aberto afeta a aerodinâmica do carro. Leia mais Preços em alta: Preço do etanol atinge recorde, com aumento de consumo Alta do dólar influencia no preço dos combustíveis e pesa no bolso dos brasileiros
Veja Mais

17/01 - Veja vídeos com dicas para economizar combustível
Saiba ainda as diferenças entre os tipos de combustível e novidades de tecnologia na área. Saiba ainda as diferenças entre os tipos de combustível e novidades de tecnologia na área.
Veja Mais

17/01 - Preços dos combustíveis têm alta na semana, diz ANP
Valor médio do litro da gasolina para o consumidor subiu 0,6%, para R$ 4,586. Diesel avançou 0,2% na semana, para R$ 3,791 por litro. Preços tiveram alta na semana, diz ANP Marcelo Brandt/G1 Os preços dos combustíveis subiram nesta semana, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (17) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). De acordo com o levantamento, o valor médio do litro da gasolina para o consumidor avançou 0,6%, para R$ 4,586. Na semana passada, o preço do combustível permaneceu estável. Já o preço do diesel avançou 0,2% na semana, para R$ 3,791 por litro, em média. O preço do etanol também teve alta na semana. O avanço foi de 1,8%, para R$ 3,241 por litro. Os valores são uma média calculada pela ANP com dados coletados em postos em diversas cidades pelo país. Os preços, portanto, variam de acordo com a região. Guia Prático #74: Aprenda a calcular o consumo de seu carro Preços nas refinarias Nesta semana, a Petrobras reduziu o preço médio da gasolina e do diesel nas refinarias em 3%, após ter mantido os valores de ambos os combustíveis estáveis por semanas. A gasolina não sofria um reajuste desde 1º de dezembro, enquanto o diesel tinha a cotação estável desde 21 de dezembro, quando houve um aumento de 3%. Nos preços da gasolina, houve um aumento de 4% no dia 27 de novembro. A redução do preço dos combustíveis nas refinarias ocorreu após um acomodação dos preços internacionais do petróleo. Nesta sexta-feira, por exemplo, os contratos futuros do petróleo fecharam próximos da estabilidade, mas tiveram a segunda semana consecutiva de queda em 2020. Os contratos futuros do Brent recuaram 0,20% na semana, enquanto os futuros do West Texas Intermediate (WTI) tiveram queda 0,84%.
Veja Mais

17/01 - Honda CB 500X 2020 fica mais aventureira e preço é de R$ 28.900
Com roda maior na dianteira, de 19 polegadas e suspensões mais longas, modelo ficou mais apto para a terra. CB 500F também foi renovada e custa R$ 26.900. Honda CB 500X 2020 Divulgação Depois da apresentação no Salão Duas Rodas 2019, as renovadas Honda CB 500X e CB 500F 2020 tiveram os valores de pré-venda anunciados nesta sexta-feira (17). Com chegada nas concessionárias marcado para março deste ano, as motos têm os seguintes preços: CB 500X 2020: R$ 28.900 CB 500F 2020: R$ 26.900 Com roda maior na dianteira, de 19 polegadas e suspensões mais longas, a CB 500X ficou mais apta para encarar a terra. A única da família 500 que ficou de fora das renovações no Brasil foi a esportiva CBR 500R, que acabou saindo de linha no mercado brasileiro no ano passado. Honda CB 500F 2020 Divulgação CB 500X para a terra A principal dela está na roda dianteira: ela passa a ser de 19 polegadas, substituindo a atual de 17 polegadas. Isso significa que o modelo ficará com uma pegada mais off-road, medida ressaltada também por sua suspensão dianteira, que também ficou mais longa. Outras novidades são: bolha maior na dianteira, painel de LCD e luzes de LED. Além disso, o modelo recebeu embreagem assistida e deslizante. O motor de 2 cilindros continua o mesmo, porém, recebeu melhorias. De acordo com a montadora, o bicilíndrico melhorou em 4% o desempenho em médios e baixos giros . Quer saber como anda a CB 650R? Assista Honda CB 650R: como é andar na moto que foi lançada no Salão Duas Rodas
Veja Mais

17/01 - DPVAT 2020, pagamento e restituição: tire suas dúvidas
Mais de 2 milhões de pessoas têm direito a receber reembolso por terem pago valor mais caro no seguro obrigatório. Gestora do DPVAT, Seguradora Líder responde a reclamações de motoristas. DPVAT 2020, pagamento e restituição: tire suas dúvidas Detran/Divulgação O vai-vem nos valores do DPVAT 2020 fizeram mais de 2 milhões de motoristas pagarem mais caro pelo seguro obrigatório e, depois do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar a redução do valor, esses consumidores têm o direito a receber o estorno com a diferença de preços. Acesse site para pedir a restituição Entenda a 'novela' do DPVAT Responsável pela gestão do DPVAT, a Seguradora Líder informa que, até às 18h desta sexta-feira (16), mais de 421 mil solicitações de reembolso foram feitas. Mas muita gente ainda tem dúvidas sobre o pagamento e a restituição do seguro obrigatório 2020. Nas redes sociais, internautas reclamam de dificuldades de efetuar o cadastro, enquanto outros perguntam até quando podem pedir o ressarcimento. Saiba como pedir a restituição do DPVAT Veja respostas para as principais dúvidas: Como pagar o seguro obrigatório O pagamento pode ser feito até o vencimento da cota única de IPVA ou ou na da primeira parcela de cada estado. Para efetuar a quitação, o motorista pode gerar o boleto no site da Seguradora Líder ou fazê-la em canais bancários. Será necessário inserir o Renavam do carro. O que acontece se não pagar Caso não efetue o pagamento, o proprietário do veículo é considerado inadimplente e fica sem a cobertura do seguro obrigatório até que a dívida seja quitada, de acordo com a Resolução CNSP 332, da Superintendência de Seguros Privados (Susep), uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Economia. A administradora do DPVAT ressalta que os demais envolvidos (passageiros e pedestres) permanecem cobertos pelo seguro mesmo sem o pagamento por parte do dono do veículo. O não pagamento do seguro obrigatório também impede o licenciamento do veículo. Quais os valores em 2020 Automóvel, táxi e carro de aluguel: R$ 5,23 - redução de 68%; era R$ 16,21 em 2019; Ciclomotores: R$ 5,67 - redução de 71%; era R$ 19,65 em 2019; Caminhões: R$ 5,78 - redução de 65,4%; era de R$ 16,77 em 2019; Ônibus e micro-ônibus (sem frete): R$ 8,11 - redução de 67,3%; era de R$ 25,08 em 2019; Ônibus e micro-ônibus (com frete): R$ 10,57 - redução de 72,1%; era de R$ 37,90 em 2019 Motos: R$ 12,30 - redução foi de 86%; era de R$ 84,58 em 2019. Como pedir a restituição se pagou a mais De acordo com Seguradora Líder, a diferença do valor no DPVAT, para quem pagou antes da redução, será feita por depósito diretamente na conta corrente ou conta poupança do proprietário do veículo. O site para o reembolso é o: https://restituicao.dpvatsegurodotransito.com.br Para realizar a solicitação, será necessário informar: CPF ou CNPJ do proprietário; Renavam do veículo; E-mail de contato; Telefone de contato; Data em que foi realizado o pagamento maior; Valor pago; Banco, Agência e Conta corrente ou conta poupança do proprietário. A gestora do seguro obrigatório diz que o proprietário recebe um número de protocolo para o acompanhamento da restituição, no mesmo site. A previsão da Líder é que, após o cadastro, a restituição seja feita em até dois dias úteis. Até quando pedir o reembolso Não existe um prazo fechado para que o dinheiro do DPVAT mais caro seja pedido de volta. A Seguradora Líder disse que a restituição pode ser realizada após 2020, mas, depois dessa data, os novos pedidos devem ser feitos pelo endereço: https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes. E se paguei o DPVAT 2 ou mais vezes? Para quem pagou, por algum motivo, o DPVAT duas ou mais vezes, a solicitação de restituição dos valores deve ser feita pelo endereço: https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes. Ressarcimento para frotas de veículos Para os proprietários que possuam frotas de veículos, o pedido de ressarcimento precisa ser realizado pelo e-mail restituicao.dpvat@seguradoralider.com.br. Problemas na hora de fazer a solicitação Com base nas reclamações e dúvidas de motoristas ao tentar fazer o cadastro de reembolso, o G1 pediu alguns esclarecimentos para a Seguradora Líder. Seguem as respostas abaixo: "Meu nome não foi aceito no cadastro, o que fazer?" A restituição do pagamento do Seguro DPVAT 2020 é feita diretamente para o proprietário do veículo, em conta corrente ou conta poupança. Caso o proprietário não consiga realizar sua restituição em seu próprio nome por um eventual problema com a atualização da base de dados, deve realizar o pedido pelo canal: https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes. "Tento fazer o cadastro e aparecem mensagens como "dados inconsistentes" ou "pagamento não realizado" Initial plugin text Se mesmo com todos os dados corretos não for possível concluir o envio, o proprietário do veículo deve entrar em contato com a Seguradora Líder por um dos canais oficiais de atendimento, disponíveis no www.seguradoralider.com.br. "Sistema não aceita a data de pagamento do DPVAT" A data a ser informada deve ser a do comprovante de pagamento. Caso o pagamento tenha sido feito fora do horário de expediente bancário (um domingo, por exemplo), o processamento foi feito no dia seguinte e, portanto, esta deve ser a data informada. Não consegui fazer o cadastro, como consigo o reembolso? Initial plugin text Os proprietários de veículos que não tenham conta corrente deverão fazer a solicitação por meio do https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes. Os que porventura tenham dificuldades de acesso ao sistema de restituição podem entrar em contato com a Seguradora Líder por um dos canais oficiais de atendimento, disponíveis no www.seguradoralider.com.br. Como pedir a restituição se não tenho conta corrente? Os proprietários de veículos que não tenham conta corrente deverão fazer a solicitação por meio do https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes. Os que porventura tenham dificuldades de acesso ao sistema de restituição podem entrar em contato com a Seguradora Líder por um dos canais oficiais de atendimento, disponíveis no www.seguradoralider.com.br. Pedi a restituição, devo pagar ao DPVAT de novo? Quem pediu a restituição, não deve pagar o DPVAT novamente. O seguro já está quitado. Se não pedir o reembolso, nunca vou receber a diferença de volta? A Seguradora Líder está avaliando mais formatos, além dos já disponibilizados, para restituir 100% dos proprietários que tenham realizado o pagamento do valor a maior do Seguro DPVAT 2020. Canal de reclamações A Susep, responsável pela fiscalização de seguros no Brasil, criou um canal exclusivo em seu site para reclamações de quem não conseguiu pedir o ressarcimento do DPVAT. Detalhes sobre o DPVAT Arte/G1 Para onde vai o DPVAT O seguro DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), instituído por lei desde 1974, cobre casos de morte, invalidez permanente ou despesas com assistências médica e suplementares (DAMS) por lesões de menor gravidade causadas por acidentes de trânsito em todo o país. A Seguradora Líder diz que o valor pago pelos proprietários de veículos será aplicado da seguinte forma: 50% para a União: 45% para o Sistema Único de Saúde (SUS), para o atendimento de vítimas de trânsito e 5% para o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran); 38% para a indenizações de vítimas de trânsito; 12% para despesas administrativas. ?Sendo assim, constata-se que, de cada R$ 1 pago pelos cidadãos no processo de arrecadação do Seguro DPVAT, há uma reversão de mais 88% para toda a sociedade (ou R$ 0,88)?, disse a empresa. Vítimas de acidentes e seus herdeiros (no caso de morte) têm um prazo de 3 anos após o acidente para dar entrada no seguro. Informações de como receber o DPVAT podem ser obtidas pelo telefone 0800-022-1204. Initial plugin text
Veja Mais

17/01 - Hyundai e Kia investem US$ 110 milhões em startup britânica de vans elétricas
Fundada em 2015 e com sede em Londres, a Arrival desenvolveu uma van futurista voltada para o mercado de entregas comerciais. A empresa disse que sua van terá uma bateria com alcance de pouco menos de 500 quilômetros. Van elétrica da Arrival Divulgação A Hyundai e Kia anunciaram investimento em uma startup britânica de veículos elétricos que planeja começar a vender vans comerciais elétricas em 2021. As montadoras estão fazendo um aporte de 110 milhões de euros na startup Arrival. Fundada em 2015 e com sede em Londres, a Arrival desenvolveu uma van futurista voltada para o mercado de entregas comerciais. A empresa disse que sua van terá uma bateria com alcance de pouco menos de 500 quilômetros. A Arrival disse que trabalhará com Hyundai e Kia para desenvolver uma variedade de veículos elétricos, inicialmente para o mercado comercial. A startup informou que seus veículos serão equipados com recursos avançados de assistência ao motorista e podem ser atualizados com sistemas de direção autônoma. Arrival desenvolveu uma van futurista voltada para o mercado de entregas comerciais Divulgação Os veículos foram projetados para serem vendidos pelo mesmo preço que modelos similares movidos a motores de combustão interna e para serem construídos em pequenas "microfábricas". Essa estratégia é o oposto da rival norte-americana Tesla que utiliza as chamadas "gigafábricas". Há alguns meses, a Arrival, que até agora tem operado com muita discrição, contratou o veterano da General Motors, Michael Ableson, para dirigir suas novas operações norte-americanas. Com uma pequena fábrica em Banbury, Inglaterra, a Arrival disse que agora tem 800 funcionários em cinco países, incluindo Alemanha, Rússia e Israel. A empresa informou que seus protótipos de vans estão sendo testados por Royal Mail, DHL e UPS.
Veja Mais

16/01 - Scooter Dafra HD 300 tem lançamento antecipado para março de 2020 no Brasil
Modelo estava previsto para maio, mas chega antes ao mercado brasileiro. Veículo tem ABS de série e vai conviver nas lojas com o Citycom 300i. Dafra HD300 Marcelo Brandt/G1 O Dafra HD 300 vai ser lançado no Brasil em março para ser uma nova opção de scooter no mercado brasileiro, em um segmento que vem crescendo acima da média nos últimos anos. Depois da trail NH 190 chegar em 2019, a marca brasileiro vai expandir sua linha em 2020 com o "irmão" do Citycom 300i. O modelo estava previsto para chegar às lojas em maio, porém, a empresa acabou antecipando a data. De acordo com a Dafra, o objetivo é criar mais uma opção na faixa de 300 cc, e não substituir o Citycom. Entre as diferenças do HD 300 está o ABS de série, enquanto no Citycom o item é opcional. Com nova configuração de elementos, o HD 300 tem espaço embaixo do banco 27% maior que o Citycom, alcançando capacidade de 38 litros, além de ser 10 kg mais leve - com o total de 166,2 kg. Dafra HD300 Marcelo Brandt/G1 O motor do HD 300 segue o mesmo, com 1 cilindro e 278,3 cc. De acordo com a marca, ele recebeu novos ajustes para atingir a potência máxima, de 27 cv, mais rapidamente. Assim como Citycom, Maxsym 400i, Next 300 e NH 190, o HD 300 faz parte da linha de produtos desenvolvida em parceria com a montadora taiwanesa SYM. Veja mais scooters que vão chegar ao Brasil Salão Duas Rodas 2019: 7 scooters que são destaque
Veja Mais

16/01 - Toyota investe US$ 400 milhões em projeto de carro voador
Fundada em 2009, a Joby Aviation recebeu aporte da montadora. Start-up desenvolve um pequeno avião elétrico de cinco lugares com decolagem e aterrissagem verticais, como um helicóptero. Veículo voador da start-up Joby, que recebeu investimento da Toyota Toyota A gigante japonesa de automóveis Toyota anunciou, nesta quinta-feira (16), que investirá US$ 394 milhões na Joby Aviation, uma start-up californiana que desenvolve uma aeronave elétrica para serviços de mobilidade "on demand" em áreas urbanas. Feito no âmbito de uma captação de recursos de US$ 590 milhões pela Joby Aviation, este investimento é um sinal da intensificação dos esforços da Toyota para se transformar em gigante mundial de novas mobilidades. Hyundai apresenta carro voador e anuncia parceria com Uber "O transporte aéreo foi um objetivo de longo prazo para a Toyota. Embora continue operando no setor de automóveis, este acordo volta nosso olhar para o céu", afirmou o presidente do fabricante japonês, Akio Toyoda, citado em um comunicado do grupo. Fundada em 2009, a Joby Aviation desenvolve um pequeno avião elétrico de cinco lugares com decolagem e aterrissagem verticais, como um helicóptero. A futura máquina terá uma autonomia de 240 km e velocidade máxima de 320 km/h. Apoiado por vários investidores estrangeiros e por empresas desde seu início, a Joby Aviation anunciou no mês passado uma associação com o gigante americano de veículos com motorista, a Uber. O objetivo é lançar um serviço de táxis voadores até 2023. Outros modelos Em agosto do ano passado, um carro voador da empresa japonesa NEC realizou um voo de teste de cerca de um minuto. Confira no vídeo abaixo: Carro voador japonês faz voo de um minuto em teste Além da Nec, empresas como Boeing e Pal-V estão trabalhando em seus conceitos voadores. Em outra frente, companhias também desenvolvem motos voadoras, inclusive, até a polícia de Dubai está utilizando um protótipo do tipo. Para 2020, uma empresa japonesa também prometeu o lançamento de uma moto voadora, a Xturismo, que tem 10 hélices e motorização híbrida. Veja os detalhes: Japoneses prometem moto voadora para 2020
Veja Mais

16/01 - Advogados japoneses de Carlos Ghosn se retiram do caso
Nas entrevistas que deu a vários meios de comunicação do Líbano, Ghosn declarou que precisava de seus defensores japoneses. Carlos Ghosn, que comandava a multinacional Nissan, foi preso em novembro de 2018 no Japão AFP O escritório de advogados japoneses que defendia Carlos Ghosn anunciou nesta quinta-feira (16) a saída do caso do executivo, como resultado da fuga do ex-CEO da Renault-Nissan para o Líbano. "Hoje entregamos ao tribunal de Tóquio uma carta com a renúncia de todos os advogados do gabinete de Hironaka para todos os assuntos relativos a Carlos Ghosn", explicou o advogado Junichiro Hironaka em comunicado. Carlos Ghosn fala pela primeira vez no Líbano, após fuga do Japão Fuga de Ghosn: o que se sabe até agora A decisão não é uma surpresa, já que Hironaka, de 74 anos, disse que se retiraria após a fuga de seu cliente. Porém, era esperado que outros advogados de seu escritório assumissem o caso de Ghosn. Dois outros escritórios de advocacia japoneses, o de Hiroshi Kawatsu e o de Takashi Takano, trabalham com Hironaka há um ano para defender Carlos Ghosn, sobre o qual estão pendentes quatro acusações. Nas entrevistas que deu a vários meios de comunicação do Líbano, Ghosn declarou que precisava de seus defensores japoneses. Eles estão em uma situação delicada, agora, devido à fuga de seu cliente. A proibição de deixar o país era uma condição para sua libertação sob fiança, pela qual os advogados se tornaram garantidores. Hironaka não permitiu que os promotores entrassem em seus escritórios na semana passada para apreender o material relativo ao caso Ghosn. Os investigadores suspeitam de que ele tenha preparado sua fuga do computador que o escritório tinha colocado à sua disposição nas suas instalações. O tribunal de Tóquio validou nesta quinta-feira a separação dos processos no caso Ghosn, segundo a imprensa japonesa. Ghosn deveria ser julgado ao mesmo tempo que seu ex-braço direito Greg Kelly e a Nissan no capítulo sobre sonegação. Na ausência de Ghosn, apenas as outras duas pessoas serão julgadas, pois o direito penal japonês não prevê um processo à revelia. Embaixador francês teria avisado sobre 'conspiração' Carlos Ghosn afirmou que o embaixador da França o avisou pouco antes de sua prisão de que a montadora japonesa estaria tramando contra ele. "Francamente, fiquei chocado com a prisão e a primeira coisa que pedi era para que se certificassem de que a Nissan soubesse para que me enviassem um advogado", disse Ghosn à Reuters em entrevista na capital libanesa na terça-feira (14). "No segundo dia, 24 horas antes disso, eu recebi uma visita do embaixador da França que me disse: 'A Nissan está se voltando contra você'. E foi aí que percebi que era tudo uma conspiração." Veja a entrevista de Ghosn ao jornalista Roberto D'Ávila: Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal Detalhes sobre a fuga de Carlos Ghosn do Japão Aparecido Gonçalves/Rafael Miotto/G1 Relembre quem é Carlos Ghosn e os principais pontos da prisão Arte/G1 Initial plugin text
Veja Mais

16/01 - Alemanha tem rodovias sem limite de velocidade, mas trânsito mata 4 vezes menos do que no Brasil
Em 2017, 17 em cada 100 mil brasileiros morreram no trânsito, contra 4 a cada 100 mil alemães. Apesar de 70% das rodovias do país não possuírem limite de velocidade, leis de trânsito são rígidas. Acidente na BR-265 em Minas Gerais deixa 3 mortos Corpo de Bombeiros/Divulgação A taxa de mortalidade do trânsito brasileiro foi de 17 pessoas a cada grupo de 100 mil habitantes em 2017 - as informações são as mais recentes divulgadas pelo Ministério da Saúde. No mesmo período, na Alemanha, 4 em cada 100 mil pessoas perderam a vida da mesma forma - 4,3 vezes menos. Considerando os números absolutos de 2017, 35.374 pessoas morreram no trânsito brasileiro. No mesmo período, na Alemanha, foram 3.180 ? 11 vezes menos. Veja como é acelerar a 250 km/h nas rodovias sem limite de velocidade da Alemanha É preciso considerar que o país europeu tem menos da metade população brasileira. Em 2017, eram 82 milhões de pessoas, contra 209 milhões no Brasil. A frota deles também era menor, na ocasião: 56 milhões contra 94 milhões. Os dados brasileiros são do Ministério da Saúde, e os alemãos são da Autoridade Federal de Transporte a Motor do país. Os bons índices alemães podem ser atribuídos, além da consciência dos motoristas, pelo conjuto de rígidas regras de trânsito (veja mais abaixo). Durante 4 dias, o G1 esteve na Alemanha, e percorreu cerca de 800 km por cidades como Munique, Frankfurt e Stuttgart, inclusive nas rodovias sem limite de velocidade, chamadas de autobahnen. Frota de veículos no Brasil é maior do que na Alemanha Fábio Tito/G1 Evolução positiva no Brasil Na comparação com anos anteriores, há evolução positiva na segurança viária do Brasil, com queda na quantidade de mortos desde 2014, mas o país ainda está longe de ser referência no assunto, como a Alemanha é. O trânsito brasileiro, segundo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), é o terceiro que mais mata no mundo, em uma relação com 175 países ? fica na frente apenas de Índia e China, países com mais de 1 bilhão de habitantes. Tabela mostra diferenças no trânsito do Brasil e da Alemanha G1 Carros A taxa de mortalidade do trânsito brasileiro também é pior do que a de países como Índia (11,4 mortes para cada 100 mil pessoas), Indonésia (12) e Estados Unidos (12,4), além da nossa vizinha, Argentina (12,6). A Alemanha, país que inventou o automóvel, pode justificar baixos índices de mortalidade no trânsito com leis rígidas. Na mesma medida, é uma nação que dá a liberdade para motoristas acelerarem sem limite de velocidade em 70% de suas rodovias nacionais. Permitir que motoristas viajem a mais de 200 km/h, e, ao mesmo tempo, ter um dos menores índices de mortalidade no trânsito do mundo é possível graças a uma equação, formada pela soma de uma frota de carros mais moderna e segura, excelente infra-estrutura rodoviária e educação no trânsito. Conheça abaixo mais sobre como funciona o trânsito alemão: Regras para tirar habilitação Na Alemanha, o processo para tirar a habilitação pode começar aos 16 anos e meio. É quando jovens podem pedir a chamada BF17, uma permissão para dirigir aos 17 anos ? ela vale apenas no território alemão, e o motorista precisa estar sempre acompanhado de alguém maior de 30 anos devidamente habilitado. O processo para tirar a habilitação (independentemente da idade) inclui 12 aulas teóricas de 1h30, cada, e 12 aulas práticas, de 45 minutos, cada, divididas entre ruas, estradas e lições noturnas. Depois de passar nas provas, o candidato, enfim, se torna um motorista habilitado. 'CNH' deles não é mais vitalícia Na Alemanha, a carteira de habilitação na Alemanha era válida por toda a vida, até 2013. Mas a lei mudou, e a partir desta data, o documento deve ser renovado a cada 15 anos. Habilitação na Alemanha André Paixão/G1 Outra questão, é que os alemães que tiraram a habilitação há mais tempo terão que trocar a carteira de papel por um documento mais moderno e padronizado com as normas da União Europeia. Cerca de 43 milhões de habilitações serão trocadas de forma progressiva, com início em 2022, e previsão de término em 2033. Multas e infrações de trânsito Habilitação na Alemanha tem validade de 15 anos, e motorista pode levar, no máximo, 7 pontos Divulgação/ADAC Quando o assunto são as multas, os alemães são bem mais rigorosos. Um motorista pode levar até 7 pontos em sua habilitação. Quando acumula 4 ou 5 pontos, o motorista pode fazer um curso, que elimina as penalizações. Ao chegar no oitavo ponto, o motorista tem a habilitação retirada. Por lá, as infrações resultam de 1 a 3 pontos, enquanto a maior parte das multas custa entre 60 e 80 euros. Mas há casos mais e menos graves. Ultrapassar limite de velocidade na Alemanha tem diferentes graus de punição Divulgação/ADAC Ultrapassar o limite de velocidade é uma infração com penalidades diversas. Quando um motorista é pego dirigindo a até 20 km/h acima do permitido, não leva pontos em sua habilitação. A punição, nesses casos, é com multa, que varia de 10 a 35 euros, de acordo com o ambiente e a velocidade. Agora, se o motorista apressado ultrapassou a partir de 21 km/h o limite, pode levar 1 ou 2 pontos, também de acordo com a velocidade da via. Além disso, as multas variam entre 70 e 680 euros, e o condutor pode ficar impedido de dirigir de 1 a 3 meses. Mesmo com 70% das rodovias sem limite de velocidade, os motoristas são extremamente respeitosos quando há trechos com velocidade definida. Alemanha aplicou menos multas de trânsito do que o Brasil Divulgação/ADAC Prova disso é a diferença entre a quantidade de multas aplicadas lá e aqui. Em 2018, as autoridades alemãs deram 3.123.955 multas por excesso de velocidade. No mesmo período, o Brasil registrou 43.503.225 infrações relacionadas à acelerar demais. O número é quase 14 vezes mais alto. Novamente, é importante lembrar que a população e a frota de veículos daqui são maiores do que os equivalentes de lá. Beber e dirigir na Alemanha pode dar multas de até 1.500 euros Divulgação/ADAC Apesar de os alemães serem conhecidos com apreciadores de cerveja, o motorista que for flagrado dirigindo com índice superior a 0,25 mg de álcool por litro de sangue é punido com 2 pontos na carteira, além de levar multa que varia de 500 a 1.500 euros. O infrator também tem a habilitação suspensa de 1 a 3 meses. A lei alemã também leva mais tempo para ?esquecer? as infrações. Se, no Brasil, os pontos expiram da CNH em 12 meses, no país europeu, o prazo varia de 2 anos e meio a 10 anos, de acordo com a gravidade. Diferenças nas leis de trânsito no Brasil e na Alemanha G1 Consciência coletiva Além de leis mais severas com os motoristas, pedestres, ciclistas e motociclistas também mostram uma consciência coletiva muito grande. Faróis vermelhos costumam ser respeitados. E isso não vale apenas para veículos. Pedestres, mesmo quando a rua está vazia, também aguardam sua vez na hora de atravessar. Em rodovias, não acontecem ultrapassagens pela direita. Isso porque a faixa da esquerda está sempre disponível. Depois de realizarem a ultrapassagem, os motoristas dão seta e vão para a faixa mais à direita. Outra prática comum no país - e presenciada pelo G1 em um trecho entre Ingolstadt e Munique - é a de abrir um corredor automaticamente quando uma ambulância de aproxima. Motoristas abrem corredor para passagem de ambulância em rodovia alemã Divulgação/ADAC
Veja Mais

15/01 - Novo SUV da Caoa Chery, Tiggo 8 é flagrado camuflado em testes em São José, SP
Modelo foi clicado em um estacionamento no Jardim Colinas. Montadora confirma que Tiggo 8 passa por testes e que deverá chegar ao mercado ainda no primeiro semestre. SUV Tiggo 8 é flagrado camuflado em São José dos Campos Diego Tribst/ TV Vanguarda Previsto para chegar ainda este ano no mercado brasileiro, o Tiggo 8 foi flagrado durante testes em São José dos Campos (SP). A Caoa Chery, que mantém uma fábrica na cidade vizinha, Jacareí, confirma que o modelo registrado nas fotos é o novo SUV topo de linha da marca. O registro da unidade totalmente camuflada foi feito na sexta-feira (10) em um estacionamento no Jardim Colinas, região oeste da cidade. Viu carro não lançado? Mande foto ou vídeo para o VC no G1 ou pelo Whatsapp/Viber, no telefone (11) 94200-4444, usando a hashtag #g1carros A Caoa Chery confirmou que o Tiggo 8 será fabricado na unidade de Anápolis (GO) e que passa por testes pela equipe de engenharia tanto em Goiás, como em Jacareí, no interior paulista. A montadora informou também que o carro deve chegar ao mercado nacional no primeiro semestre de 2020. O modelo tem capacidade para levar até sete pessoas e deverá ser equipado com quadro de instrumentos digital, central multimídia com reconhecimento facial, ar-condicionado automático e faróis full-LED. É possível que ele estreie um motor 1.6 turbo de aproximadamente 200 cavalos de potência, com câmbio automatizado de dupla embreagem. Tiggo 8 é flagrado camuflado em São José dos Campos Diego Tribst/ TV Vanguarda Tiggo 8 é flagrado camuflado em São José dos Campos Diego Tribst/ TV Vanguarda Chery Tiggo 8 será lançado no primeiro semestre no Brasil André Paixão/G1 Chery Tiggo 8 será lançado no primeiro semestre no Brasil Divulgação/Chery
Veja Mais

15/01 - Macron diz que alertou primeiro-ministro do Japão sobre condições em que Ghosn foi preso
Presidente da França afirma que falou a Shinzo Abe que a forma da detenção em 2018 e os interrogatórios do ex-executivo da Renault-Nissan "não pareciam satisfatórios". Carlos Ghosn tenta explicar sua fuga do Japão, em coletiva feita em Beirute Mohamed Azakir/Reuters O presidente da França, Emmanuel Macron, disse nesta quarta-feira (15) que havia conversado anteriormente com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, sobre as condições em que o ex-chefe da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn estava sendo detido. "Eu disse várias vezes ao (primeiro-ministro Shinzo) Abe que as condições da detenção e interrogatório de Carlos Ghosn não me pareciam satisfatórias", disse Macron à agência de notícias Reuters. Ghosn, que é nascido no Brasil e tem cidadania libanesa e francesa, disse na semana passada que foi tratado "brutalmente" pelos promotores de Tóquio e que foi vítima de uma conspiração da montadora japonesa para forçar sua saída. Para o ex-executivo, a redução do desempenho da Nissan, no início de 2017, causou uma perseguição contra ele. E os japoneses desejavam mais autonomia. "Alguns de meus amigos japoneses pensaram que a única maneira de se livrar da influência da Renault na Nissan era se livrar de mim", disse o ex-executivo durante coletiva em Beirute no dia 8 de janeiro. Em nota enviada pela Embaixada Geral do Japão no Brasil ao G1 no dia 9 de janeiro, a Ministra da Justiça, Masako Mori, já havia afirmado que os comentários do brasileiro sobre uma possível conspiração como ?abstratos, obscuros ou sem fundamento?. Mori completou que "não há como os promotores participarem de qualquer tipo de conspiração de qualquer grupo de interesse especifico e investigarem um assunto que não atingiu o limiar da investigação". Ghosn fugiu do Japão para o Líbano no final do mês passado, a fim de, segundo ele, limpar seu nome. Ele disse que não teria recebido um julgamento justo no Japão. Embaixador francês teria avisado sobre 'conspiração' Carlos Ghosn afirmou que o embaixador da França o avisou pouco antes de sua prisão de que a montadora japonesa estaria tramando contra ele. "Francamente, fiquei chocado com a prisão e a primeira coisa que pedi era para que se certificassem de que a Nissan soubesse para que me enviassem um advogado", disse Ghosn à Reuters em entrevista na capital libanesa na terça-feira (14). "No segundo dia, 24 horas antes disso, eu recebi uma visita do embaixador da França que me disse: 'A Nissan está se voltando contra você'. E foi aí que percebi que era tudo uma conspiração." Veja a entrevista de Ghosn ao jornalista Roberto D'Ávila: Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal Relembre quem é Carlos Ghosn e os principais pontos da prisão Arte/G1 Initial plugin text
Veja Mais

15/01 - Volkswagen é multada na Polônia pelo escândalo do dieselgate
Caso de manipulação de motores a diesel custou ao grupo mais de 30 bilhões de euros (R$ 13 bilhões) em despesas em todo o mundo, e também envolveu o Brasil. Escândalo 'dieselgate' foi revelado em 2015 após testes mostrarem manipulação nas emissões de carros da montadora Michele Tantussi/Reuters O Escritório Polonês de Concorrência e Proteção ao Consumidor (UOKiK) anunciou nesta quarta-feira (15) uma multa de mais de 120 milhões de zlotys (28,5 milhões de euros ou R$ 13 milhões) à subsidiária polonesa do grupo Volkswagen, no âmbito do escândalo do "dieselgate". "A Volkswagen manipulou indicadores de emissão de gás e enganou os consumidores", afirmou o escritório em um comunicado divulgado em seu site. "Este procedimento foi utilizado por oito anos (de 2008 a 2016). Durante a investigação, nunca houve propostas de uma solução amigável por parte do grupo ", disse o presidente da UOKiK, Marek Niechcial, citado no comunicado. Em resposta a esta decisão, o grupo Volkswagen Polska declarou que "não via base legal para a sanção imposta pela UOKiK". Em 2015, o grupo Volkswagen, que também detém marcas como a Audi, reconheceu ter equipado mais de 11 milhões de carros com um programa de computador que fazia os veículos a diesel parecerem menos poluentes do que realmente eram, quando submetidos a testes. Desde então, o "dieselgate" custou à Volks mais de 30 bilhões de euros (R$ 13 bilhões) em despesas legais, multas e indenizações, principalmente nos Estados Unidos. O caso também atingiu veículos no Brasil. Initial plugin text
Veja Mais

15/01 - Venda de veículos usados cresce 2% em 2019; modelos com 4 a 8 anos foram os mais vendidos
O Volkswagen Gol foi o usado mais vendido do ano passado, com quase 900 mil unidades. Aumentam as vendas de veículos em Imperatriz, MA Reprodução/TV Mirante As vendas de veículos usados cresceram em 2019, de acordo com a federação das revendedoras, a Fenauto. Foram comercializados 14.592.691 veículos, contra 14.275.382 em 2018, representando um aumento de 2,2%. Venda de veículos novos cresce 8,7% em 2019, melhor resultado em 5 anos Financiamento de veículos cresce em 2019 e tem melhor ano desde 2014 Segundo a federação, o maior número fica para os chamados usados "jovens", com 4 a 8 anos de uso: 5.695.363 unidades, ou 39% do total. Os seminovos (de 0 a 3 anos) têm o menor índice, com 2.257.789, ou 15% do total. Por falar nos seminovos, eles continuam em queda desde 2017, quando foram vendidas 5,06 milhões de unidades. Em 2018, foram 2,42 milhões (redução de 52,1%), contra 2,26 milhões de 2019. Os usados "jovens" cresceram de 2017 para 2018, mas caíram em 2019. Já os usados "maduros", com 9 a 12 anos de uso (3.109.400 de unidades), e os "velhinhos", com 13 anos ou mais (3.530.139), registraram crescimento. Vendas de veículos por idade em 2019 G1 Carros "As vendas deste ano mantiveram a tendência de resultados positivos apresentada nos últimos anos, demonstrando uma recuperação sustentada do setor, em função da retomada da economia como um todo", disse o presidente da Fenauto, Ilídio dos Santos. "Esperamos que, em 2020, essa tendência de resultados positivos nas vendas dos seminovos e usados prossiga", completou. Seminovos e usados mais vendidos em 2019 Carros e comerciais leves Volkswagen Gol - 895.570 Fiat Uno - 548.879 Fiat Palio - 535.264 Ford Fiesta - 354.932 Chevrolet Celta - 328.370 Fiat Strada - 288.221 Volkswagen Fox - 282.095 Ford Ka - 262.825 Chevrolet Corsa - 234.920 Hyundai HB20 - 222.394 Volkswagen Saveiro - 218.622 Motos Honda CG 150 - 713.316 Honda CG 125 - 428.913 Honda Biz - 311.945 Honda Bros 150 - 269.971 Yamaha YBR 125 - 102.442 Honda CB 300R - 95.628 Honda XRE 300 - 83.930 Honda Pop 100 - 79.441 Honda CBX 250 Twister - 70.616 Yamaha Fazer 250 - 68.562
Veja Mais

15/01 - Donos de mais de 50 mil veículos estão aptos a receber restituição do DPVAT no Ceará
Proprietários que pagaram valores a mais deve solicitar a restituição no site da seguradora Líder. Donos de mais de 50 mil veículos estão aptos a receber restituição do DPVAT no Ceará Divulgação Proprietários de veículos que pagaram por valor mais alto do DPVAT podem pedir a restituição de valores a partir desta quarta-feira (15). No Ceará, mais de 50 mil veículos estão aptos a receber a diferença. Em todo o Brasil, proprietários mais de 1,9 milhão de veículos podem pedir a restituição, de acordo com a seguradora Líder. O prazo para pedir o valor pago a mais é até o final do exercício de 2020. A restituição foi anunciada na semana passada pela seguradora, responsável pela gestão do seguro. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, voltou atrás e aceitou o pedido do Governo para reduzir os valores do seguro obrigatório Dpvat. No pedido de reconsideração, a União argumentou que a seguradora omitiu ?a informação de que há disponível no fundo administrado pelo consórcio, atualmente, o valor total de R$ 8,9 bilhões, razão pela qual, mesmo que o excedente fosse extinto de imediato, ainda haveria recursos suficientes para cobrir as obrigações do seguro DPVAT?. O pedido para receber os valores pagos a mais deve ser feito acessando o site disponibilizado pela seguradora. A restituição da diferença dos valores será feita diretamente na conta, corrente ou poupança, informada pelo proprietário do veículo. Como solicitar a restituição do DPVAT? A Seguradora Líder disse que a restituição deve ser solicitada a partir desta quarta-feira (15) pelo site https://restituicao.dpvatsegurodotransito.com.br. De acordo com a gestora, a diferença do valor será feita por depósito diretamente na conta corrente ou conta poupança do proprietário do veículo. Para realizar a solicitação, será necessário informar: CPF ou CNPJ do proprietário; Renavam do veículo; E-mail de contato; Telefone de contato; Data em que foi realizado o pagamento maior; Valor pago; Banco, Agência e Conta corrente ou conta poupança do proprietário. A gestora do seguro obrigatório disse que o proprietário recebe um número de protocolo para o acompanhamento da restituição, no mesmo site. A previsão da Líder é que, após o cadastro, a restituição seja feita em até dois dias úteis. E se paguei o DPVAT duas ou mais vezes? Para quem pagou, por algum motivo, o DPVAT duas ou mais vezes, a solicitação de restituição dos valores deve ser feita no site da seguradora. Detalhes sobre o DPVAT Arte/G1 O que é o DPVAT? O seguro DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), instituído por lei desde 1974, cobre casos de morte, invalidez permanente ou despesas com assistências médica e suplementares (DAMS) por lesões de menor gravidade causadas por acidentes de trânsito em todo o país. O recolhimento do seguro é anual e obrigatório para todos os proprietários de veículos. A data de vencimento é junto com a do IPVA, e o pagamento é requisito para o motorista obter o licenciamento anual do veículo. Vítimas e seus herdeiros (no caso de morte) têm um prazo de 3 anos após o acidente para dar entrada no seguro. Informações de como receber o DPVAT podem ser obtidas pelo telefone 0800-022-1204. DPVAT 2020 começa a receber pedidos de restituição de quem pagou a mais; saiba como fazer
Veja Mais

15/01 - Ghosn afirma que embaixador francês o avisou de 'conspiração' da Nissan
Ex-executivo voltou a acusar empresa japonesa de ter tramado para tirá-lo do comando da montadora. Justiça japonesa afirma que comentários são "sem fundamento". Ghosn explica as acusações de que é alvo pela justiça japonesa Mohamed Azakir/Reuters O ex-presidente da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn afirmou que o embaixador da França o avisou pouco antes de sua prisão de que a montadora japonesa estaria tramando contra ele.  "Francamente, fiquei chocado com a prisão e a primeira coisa que pedi era para que se certificassem de que a Nissan soubesse para que me enviassem um advogado", disse Ghosn à Reuters em entrevista na capital libanesa na terça-feira (14).   "No segundo dia, 24 horas antes disso, eu recebi uma visita do embaixador da França que me disse: 'A Nissan está se voltando contra você'. E foi aí que percebi que era tudo uma conspiração."  Para Ghosn, a redução do desempenho da montadora japonesa, no início de 2017, causou uma perseguição contra ele. E os japoneses da Nissan desejavam mais autonomia. "Alguns de meus amigos japoneses pensaram que a única maneira de se livrar da influência da Renault na Nissan era se livrar de mim", disse o ex-executivo durante coletiva em Beirute no dia 8 de janeiro. Em nota enviada pela Embaixada Geral do Japão no Brasil ao G1 no dia 9 de janeiro, a Ministra da Justiça, Masako Mori, já havia afirmado que os comentários do brasileiro sobre uma possível conspiração como ?abstratos, obscuros ou sem fundamento?. Mori completou que "não há como os promotores participarem de qualquer tipo de conspiração de qualquer grupo de interesse especifico e investigarem um assunto que não atingiu o limiar da investigação". A prisão de Ghosn, que era amplamente respeitado por ter salvado a montadora de uma quase falência, colocou o sistema de justiça do Japão sobre escrutínio internacional.  Entre as práticas que agora estão sendo debatidas está a manutenção de suspeitos em detenção por longos períodos, excluindo os advogados de defesa das sessões de interrogação, que podem durar até oito horas por dia. Relembre quem é Carlos Ghosn e os principais pontos da prisão Arte/G1 Initial plugin text
Veja Mais

15/01 - Veja como é dirigir em uma Autobahn, a rodovia sem limite de velocidade da Alemanha
País permite que motoristas dirijam sem velocidade máxima em cerca de 70% de suas rodovias. Fórmula funciona porque há boa estrutura e cumprimento das leis de trânsito pelos motoristas. Veja como é andar a mais de 250 km/h em uma rodovia sem limite de velocidade Quem gosta de carros, e, principalmente de dirigir, provavelmente já ouviu falar em ?autobahn?. A palavra em alemão que significa rodovia instiga muitos motoristas brasileiros. Afinal, é um dos poucos lugares no mundo (fora os autódromos) onde motoristas podem acelerar um carro sem limites de velocidade. Mas, as coisas não são tão simples, e as autoestradas alemãs não são uma terra sem lei. Ao contrário do que muita gente pensa, há uma série de regras que os motoristas devem cumprir. Alemanha tem rodovias sem limite de velocidade, mas trânsito mata 4 vezes menos do que no Brasil Como funciona? Ao todo, a Alemanha tem pouco mais de 13 mil km de rodovias. Destes, cerca de 30%, ou 4 mil km, possuem um limite de velocidade fixo. O restante, ou não tem limite, ou possui uma velocidade temporária, por conta de obras, por exemplo. Mesmo onde os motoristas podem acelerar o quanto quiserem, a velocidade recomendada é de 130 km/h. O G1 esteve na Alemanha, e percorreu aproximadamente 800 km nas autobahnen (como se escreve no plural). Rodovia alemã sem limite de velocidade Divulgação/ADAC Durante o percurso, entre as cidades de Stuttgart, Munique e Frankfurt, foi possível acelerar livremente e alcançar velocidades de até 255 km/h. Tudo com muita segurança. Essa percepção existe porque, além do asfalto liso, percursos bem pensados e executados e faixas largas, os motoristas alemães parecem respeitar mais as regras de trânsito do que os brasileiros. Um exemplo disso é a facilidade de realizar uma ultrapassagem. Ao contrário do que acontece muitas vezes no Brasil, onde a manobra nem sempre é bem vista por quem está mais devagar, quando um veículo mais lento da faixa da esquerda percebe a chegada do carro mais rápido, ele imediatamente dá passagem. Isso foi visto inúmeras vezes durante a viagem. G1 rodou 800 km em rodovias alemãs G1 Quando pode acelerar? É bem simples saber quando o motorista pode ? ou não ? acelerar. Placas redondas, com borda vermelha e um número dentro, são universais, e indicam o limite naquele trecho. Porém, quando surge uma sinalização redonda, mas com borda preta, cortada por cinco faixas, também pretas, o motorista pode acelerar tranquilo, que aquele trecho não possui limite de velocidade. Placa branca com listras diagonais pretas indicam que não há limite de velocidade Reprodução Isso normalmente acontece quando as condições de trânsito e de estrutura são melhores. Para poder acelerar à vontade, e com segurança, é preciso ter uma redução drástica no número de variáveis no trânsito. Entre elas, saber que nenhum motorista vai fazer ultrapassagens pela direita, ou então ninguém vai ficar eternamente na faixa da esquerda, mesmo quando não há trânsito. Por isso, mesmo que indiretamente, respeitar as leis de trânsito é algo essencial para o bom funcionamento das autobahnen. Muitas regras Comuns no Brasil, as ultrapassagens pela direita são raríssimas na Alemanha. Vale lembrar que o ato é considerado infração de trânsito - tanto lá, como cá. Mas o cumprimento da lei na Alemanha, além da razão moral, também ocorre por uma causa bem mais simples: a faixa da esquerda está, quase sempre, livre. Ela é usada apenas para ultrapassagens. Quando um motorista acaba de realizar a manobra, ele imediatamente dá a seta e se dirige para a faixa da direita. Mesmo estando a velocidades consideráveis altas ? acima de 150 km/h, os motoristas costumam trafegar na faixa do meio. Já os veículos mais pesados, como caminhões e ônibus, dificilmente saem do canto direito da via. O que são as autobahnen? O surgimento das autibahnen na Alemanha se deu ainda nos anos 1920, com ligação entre as cidades de Colônia e Bonn. Durante a década seguinte, sob o governo de Adolf Hitler, a malha rodoviária do país foi expandida, e usada como forma de propaganda pelo governo nazista. Hoje, as rodovias são exemplo de boa estrutura viária ? e sem a cobrança de pedágio para veículos de passeio. As autobahnen possuem algumas características marcantes: ao menos duas faixas para cada sentido asfalto liso e reforçado sinalização clara não há cruzamentos saídas sempre à direita Motoristas solidários Trânsito em rodovia alemã Divulgação/ADAC Poder rodar sem limite de velocidade em muitos trechos não quer dizer que não acontecem acidentes ? ou então que o trânsito nunca fica parado. Congestionamentos acontecem - e com certa frequência, principalmente nas proximidades das grandes cidades. Vale lembrar que, nesses trechos, há limite de velocidade. Ainda assim, quando o trânsito fica pesado, painéis eletrônicos dão o aviso previamente. Desse jeito, os motoristas conseguem se preparar, e reduzir a velocidade gradativamente. Quando há um acidente, e o trânsito acaba ficando lento, os motoristas, conscientemente, abrem caminho para a passagem de ambulâncias. Motoristas abrem corredor para passagem de ambulância em rodovia alemã Divulgação/ADAC Situações de trânsito também são comuns quando uma rodovia está em manutenção. Nesse caso, toda a sinalização, incluindo as faixas no chão, recebem uma atenção especial, e a velocidade fica mais baixa naquele trecho. Quando tudo isso passa, e a placa com as faixas pretas cruzadas aparece, é hora de acelerar novamente. E aí, a velocidade máxima do veículo, além do bom senso do motorista, são o limite. Quando há obras na pista, rodovias na Alemanha recebem sinalização extra André Paixão/G1
Veja Mais

15/01 - DPVAT 2020 começa a receber pedidos de restituição de quem pagou a mais; saiba como fazer
Solicitação de ressarcimento deve ser feita no site da Seguradora Líder, administradora do seguro, e leva até 2 dias úteis para ser processada. Na quarta, 15, usuários reclamaram de instabilidade no site para pedir reembolso. Instabilidade em página na internet prejudica cadastros para restituição do DPVAT O pedido de ressarcimento para quem pagou a mais no DPVAT 2020 começou nesta quarta-feira (15), e deve ser feito pela internet, em um site da Seguradora Líder, que administra o seguro obrigatório. A empresa diz que cerca de 2 milhões de pessoas têm direito de receber o estorno. Até às 18h00 de sexta (17), mais de 421 mil solicitações de restituição foram feitas, afirmou a gestora. Acesse o site para pedir a restituição Guia do DPVAT: pagamento e ressarcimento O seguro obrigatório começou a ser cobrado no início do ano, com os mesmos valores de 2019. Isso porque, em dezembro, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, tinha barrado a proposta da gestora de diminuir os montantes em 2020. Ele voltou atrás e liberou a redução no último dia 9 de janeiro. Os pedidos devem ser feito num site específico: https://restituicao.dpvatsegurodotransito.com.br, e não no site da Susep. Após enviada a solicitação, o ressarcimento com a diferença de valores será feito na conta corrente ou conta poupança do proprietário do veículo em até 2 dias úteis, afirma a gestora do DPVAT. A Seguradora Líder ressalta que os pedidos de ressarcimento podem ser feito ao longo de 2020 e não são condição para o licenciamento dos veículos. Instabilidade e 'pagamento não localizado' Durante a manhã, a página para pedir o reembolso apresentou instabilidade e lentidão. Questionada pelo G1, a Seguradora Líder disse, às 12h55, que "está trabalhando para reduzir a lentidão e as instabilidades". Além da instabilidade no sistema de ressarcimento do DPVAT, alguns usuários estão relatando dificuldade para finalizar o cadastro. No Twitter, motoristas disseram que o sistema indica como "pagamento não localizado", o que impe de finalizar a solicitação. Em resposta, a Seguradora Líder disse que é importante que o campo "data do pagamento" no site seja preenchida pela data que está no comprovante de quitação do DPVAT. Além disso, os valores pagos precisam ser colocados com exatidão no site, afirmou a gestora do seguro obrigatório. Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Como pedir o ressarcimento? A Susep, responsável pela fiscalização de seguros no Brasil, anunciou por volta das 10h desta quarta-feira a criação de um canal exclusivo em seu site para reclamações de quem não conseguiu pedir o ressarcimento do DPVAT. Às 12h25, o site de reclamações também apresentou instabilidade para acesso. O G1 questionou a Susep sobre o caso. A autarquia informou, às 15h16, que "houve um aumento no número de acessos hoje ao site", e que o mesmo pode apresentar lentidão "em alguns momentos". Por fim, a Susep ainda afirmou que está realizando testes "com usuários externos, tanto de desktop, como de celular." Como funciona a restituição De acordo com Seguradora Líder, a diferença do valor no DPVAT, para quem pagou antes da redução, será feita por depósito diretamente na conta corrente ou conta poupança do proprietário do veículo. Para realizar a solicitação, será necessário informar: CPF ou CNPJ do proprietário; Renavam do veículo; E-mail de contato; Telefone de contato; Data em que foi realizado o pagamento maior; Valor pago; Banco, Agência e Conta corrente ou conta poupança do proprietário. A gestora do seguro obrigatório disse que o proprietário recebe um número de protocolo para o acompanhamento da restituição, no mesmo site. A previsão da Líder é que, após o cadastro, a restituição seja feita em até dois dias úteis. A Fundação de Proteção de Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP) considerou que utilização de meio eletrônico facilita o processo para ter o dinheiro de volta, mas ressalta que a gestora do seguro obrigatório não poderá reter os valores de quem não se manifestar. "Isso caracterizaria apropriação indébita ? recursos que não lhe pertencem. Assim, numa segunda etapa, a empresa deverá tomar a iniciativa de procurar os consumidores que não se manifestaram a fim de fazer a devolução dos valores pagos em excesso a eles", afirmou Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP. E se paguei o DPVAT duas ou mais vezes? Para quem pagou, por algum motivo, o DPVAT duas ou mais vezes, a solicitação de restituição dos valores deve ser feita pelo endereço https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes. Frotas de veículos Para os proprietários que possuam frotas de veículos, o pedido de ressarcimento precisa ser realizado pelo e-mail restituicao.dpvat@seguradoralider.com.br. Veja os valores do DPVAT 2020: Automóvel, táxi e carro de aluguel: R$ 5,23 - redução de 68%; era R$ 16,21 em 2019; Ciclomotores: R$ 5,67 - redução de 71%; era R$ 19,65 em 2019; Caminhões: R$ 5,78 - redução de 65,4%; era de R$ 16,77 em 2019; Ônibus e micro-ônibus (sem frete): R$ 8,11 - redução de 67,3%; era de R$ 25,08 em 2019; Ônibus e micro-ônibus (com frete): R$ 10,57 - redução de 72,1%; era de R$ 37,90 em 2019 Motos: R$ 12,30 - redução foi de 86%; era de R$ 84,58 em 2019. (Valores finais, com as taxas) Restituições de DPVAT pelo Brasil Acre - mais de 3 mil veículos Alagoas - mais de 5 mil veículos Amazonas - mais de 8 mil veículos Amapá - mais de 1 mil veículos Bahia - mais de 27 mil veículos Ceará - mais de 50 mil veículos Distrito Federal - mais de 20 mil veículos Espírito Santo - mais de 10 mil veículos Goiás - mais de 27 mil veículos Maranhão - mais de 13 mil veículos Minas Gerais - mais de 310 mil veículos Mato Grosso do Sul - mais de 12 mil veículos Mato Grosso - mais de 22 mil veículos Pará - mais de 6 mil veículos Paraíba - mais de 9 mil veículos Pernambuco - mais de 32 mil veículos Piauí - mais de 6 mil veículos Paraná - mais de 100 mil veículos Rio de Janeiro - mais de 52 mil veículos Rio Grande do Norte - mais de 14 mil veículos Rondônia - mais de 8 mil veículos Roraima - mais de 2 mil veículos Rio Grande do Sul - mais de 215 mil veículos Santa Catarina - mais de 65 mil veículos Sergipe - mais de 6 mil veículos São Paulo - mais de 900 mil veículos Tocantins - mais de 5 mil veículos IPVA 2020: veja calendário e como fazer o pagamento Entenda o 'vai e vem' DPVAT Em novembro, o presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória para extinguir o DPVAT a partir de 2020; O governo afirmou que a decisão visava evitar fraudes e extinguir os elevados custos de supervisão e regulação; A Susep afirmou que o DPVAT era ineficiente e que "havia uma corrupção enorme"; Seguradora Líder rebateu críticas e disse que ampliou combate a fraudes; A extinção do DPVAT foi relacionada a disputas políticas com Luciano Bivar, presidente do PSL, que atua no segmento de seguros; No dia 19 de dezembro, o STF suspendeu a medida provisória e retomou o DPVAT; Em 27 de dezembro, o Conselho Nacional Seguros Privados (CNSP) definiu os novos valores do DPVAT, com reduções de até 86%; No dia 31 de dezembro, o STF suspendeu a norma que reduziu seguro DPVAT, de maneira liminar; No início de 2020, a Susep fez novos questionamentos a Seguradora Líder apontando o uso de recursos do DPVAT em festa de fim de ano; Em 9 de janeiro, o ministro do STF Dias Toffoli voltou atrás e liberou a redução no valor do seguro DPVAT. Detalhes sobre o DPVAT Arte/G1 O que é o DPVAT O seguro DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), instituído por lei desde 1974, cobre casos de morte, invalidez permanente ou despesas com assistências médica e suplementares (DAMS) por lesões de menor gravidade causadas por acidentes de trânsito em todo o país. O recolhimento do seguro é anual e obrigatório para todos os proprietários de veículos. A data de vencimento é junto com a do IPVA, e o pagamento é requisito para o motorista obter o licenciamento anual do veículo. Vítimas e seus herdeiros (no caso de morte) têm um prazo de 3 anos após o acidente para dar entrada no seguro. Informações de como receber o DPVAT podem ser obtidas pelo telefone 0800-022-1204. Do total arrecadado pelo DPVAT: 45% são destinados para para o Sistema Único de Saúde (SUS); 5% vão para o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran); 50% vão para o pagamento de sinistros e despesas administrativas. Initial plugin text
Veja Mais

14/01 - Toyota anuncia inédito SUV do Yaris para a Europa
A expectativa da marca é de que o SUV reforce a imagem e as vendas do hatch no mercado europeu. Há chances de que o modelo seja revelado ainda em 2020. SUV baseado no Yaris foi anunciado ao lado do teaser, que mostra suas linhas gerais Reprodução/Toyota A Toyota anunciou nesta terça-feira (14) um novo SUV compacto baseado no Yaris. Destinado ao mercado europeu, o modelo será produzido na França e poderá ser revelado ainda em 2020. O nome e a data de lançamento permanecem em segredo, mas suas linhas gerais já apareceram no teaser acima. De acordo com a marca, a expectativa é de que o SUV contribua para a imagem do Yaris e, junto do hatch, representem cerca de 30% do volume total de vendas da Toyota na Europa até 2025. "Vocês não precisarão esperar muito para ver o desenho final, e verão que não é apenas um Yaris com uma nova carroceria e suspensão elevada", disse Matt Harrison, vice-presidente executivo da Toyota Motor Europa. Ainda segundo Harrison, o modelo é totalmente novo e tem um "design compacto e personalidade própria". Yaris europeu é outro Toyota Yaris europeu Divulgação/Toyota Vale destacar que o Yaris vendido no mercado europeu em nada se parece com o brasileiro. Por lá, o hatch é menor e tem desenho e acabamento mais refinados e modernos, remetendo ao SUV C-HR, como as lanternas que parecem "saltar" da carroceria. Também estão presentes lanternas e faróis totalmente iluminados com LEDs, piloto automático adaptativo e sistema de permanência na faixa. Por fim, o Yaris dos europeus pode ser equipado com motorização híbrida (acima), que combina um motor 1.5 a gasolina e um elétrico ou, em sua versão esportiva GR (abaixo), com um 1.6 turbo de 261 cavalos de potência e câmbio manual de 6 marchas. Toyota Yaris GR Divulgação/Toyota
Veja Mais

14/01 - Nissan diz que não pretende dissolver aliança com Renault: 'É a razão da competitividade' da marca
Jornal publicou no domingo que montadora japonesa tinha plano de se separar da francesa. Ghosn alega que Nissan armou complô contra ele por temer influência da Renault. Aliança Renault-Nissan foi criada em 1999, por Carlos Ghosn Kenzo Tribouillard/AFP A Nissan afirmou que não pretende dissolver sua aliança com a Renault e a Mitsubishi Motors, criada pelo ex-executivo Carlos Ghosn, que está foragido da Justiça japonesa. "Essa aliança é a razão da competitividade da Nissan. Com essa aliança, que busca gerar crescimento estável e de longo prazo, a Nissan continuará obtendo resultados positivos" para as três empresas, afirmou a montadora nesta terça-feira (14). No último domingo (12), uma reportagem do jornal "Financial Times" atribuiu a fontes a informação de que os japoneses tinham um plano pronto para se separarem da Renault. Ghosn, que escapou para o Líbano, vem dizendo que sua acusação por violações financeiras e quebra de confiança é um complô da Nissan e dos promotores do Japão contra ele porque a fabricante temia um aumento da influência da Renault na aliança. Na semana passada, durante uma coletiva de imprensa em Beirute, após sua fuga do Japão, Ghosn afirmou que "já não havia mais aliança Renault-Nissan". Reação "A aliança Renault-Nissan não está morta! Em breve provaremos", reagiu nesta terça seu atual presidente, Jean-Dominique Senard, em entrevista ao jornal belga "L'Echo". "A aliança não está nesse ponto. Estamos recriando seu espírito original. O conselho do grupo que presido é de qualidade excepcional. Nunca vi uma relação cordial tão boa entre os diferentes líderes de nossos três grupos [Renault, Nissan e Mitsubishi] para avançar na direção certa", acrescentou. "Nenhum diretor de nossos três grupos duvida da utilidade fundamental dessa aliança. Não temos escolha. Temos que alcançá-la", disse Senard. Segundo ele, neste momento, "estão previstos investimentos consideráveis para explorar as tecnologias do futuro", devido a uma indústria automobilística em plena mutação que só reforça a parceria. "O que foi escrito não tem ligação com a realidade atual da aliança. Eu me pergunto sobre a origem dessa informação. Não tenho certeza de sua boa intenção", disse ao jornal belga sobre a reportagem do "FT". Os rumores publicados tiveram um impacto nas ações dos dois grupos. Na segunda, a Renault perdeu 2,82% na bolsa de Paris. Nesta terça, a ação da Nissan caía 2,96% na bolsa de Tóquio. Sucessores caíram Nissan e Renault tentam acabar com a era Ghosn, cuja prisão e acusação no Japão no final de 2018 paralisaram sua aliança. Porém, com a exceção de Senard, no comando da aliança, os dois sucessores de Ghosn à frente da Renault e da Nissan, respectivamente, já deixaram seus postos. Thierry Bolloré, que assumiu a presidência-executiva da Renault 1 ano atrás, foi demitido em outubro, em circunstâncias não detalhadas. E Hiroto Saikawa, que era o presidente-executivo na Nissan desde 2017, nomeado por Ghosn, renunciou em setembro, após assumir ter recebido pagamentos indevidos. A Nissan tem desde dezembro um novo CEO, Makoto Uchida, e um novo diretor de operações, Ashwani Gupta, duas pessoas claramente a favor da aliança, segundo a agência France Presse. No final de dezembro, o número 3 da Nissan, Jun Seki, mais desconfiado dessa aliança, apresentou sua demissão, o que sugere possíveis divisões internas no grupo japonês, completou a AFP. Reveja entrevista de Carlos Ghosn à GloboNews, em Beirute: Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal Initial plugin text
Veja Mais

14/01 - Financiamento de veículos cresce em 2019 e tem melhor ano desde 2014
No ano passado, foram financiados 6,1 milhões de unidades de veículos leves, pesados e motos. Alta foi de 11,4% na comparação com 2018. Concessionária de carros em São Paulo Marcelo Brandt/G1 As vendas de veículos financiados somaram 6,1 milhões de unidades em 2019, segundo dados apresentados pela B3, nesta terça-feira (14). A empresa opera a base integrada de dados que reúne o cadastro das restrições financeiras de veículos oferecidos como garantia em operações de crédito. Em comparação com 2018, o número subiu 11,4%. O índice contabiliza veículos novos e usados, incluindo automóveis, motos e pesados. Do total, 2,2 milhões foram veículos novos, alta de 9,8% em relação ao ano anterior; 3,8 milhões são usados, crescimento de 12,4%. O prazo de financiamento também cresceu: em 2018 o consumidor tinha, em média, 41,9 meses prazo para quitar e em 2019 o prazo médio subiu para 42,9 meses. Entre veículos leves e motos, a alta do financiamento foi maior para compra de usados: crescimento de 11,9% no caso dos automóveis leves e de 22,6% para as motos. Já os veículos pesados, que incluem ônibus e caminhões, tiveram maior alta no financiamento 0 km, de 33,1% na comparação com 2018. Veja evolução histórica de financiamentos ano a ano: Em 2019, vendas financiadas de veículos atingiu maior patamar desde 2014 G1 Guia Prático #85: Financiamento ou consórcio? Entenda as diferenças
Veja Mais

14/01 - Scooter Honda Activa, feito na Índia, é registrado no Brasil
Com rodas de 10 polegadas, modelo tem motor de 110 cc e é destinado a uso urbano. Ainda não há informações sobre sua venda no Brasil; Honda deve lançar ADV 150 e Forza 300 ainda em 2020. Scooter Honda Activa teve patente registrada no Brasil Inpi O scooter Honda Activa teve seu desenho registrado no Brasil nesta terça-feira (14). A patente do modelo, que é feito na Índia, foi registrada em relatório do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). Como aconteceu com outras motos e carros, o registro da patente não significa necessariamente que o modelo será vendido no mercado brasileiro. Honda Activa é feito na Índia Inpi Com pequeno porte, o Activa tem motor de 110 cc de cilindrada que alcança os 8 cavalos de potência. Suas rodas são pequenas, de 10 polegadas, o que o tornam um veículo urbano. Inclusive, a velocidade máxima do modelo é de 83 km/h. É bem pouco provável que esse scooter seja vendido no Brasil. Entre os modelos de entrada, a marca está bem posicionada com o Elite 125 e o PCX 150. Para 2020, é esperado que a Honda lance no Brasil o ADV 150 e o Forza 300, para ampliar sua linha de scooters Honda Activa Inpi Salão Duas Rodas 2019: 7 scooters que são destaque
Veja Mais

14/01 - Após fuga de Ghosn, Yamaha alerta pessoas a não entrarem em caixas de instrumentos
Segundo reportagens, ex-presidente da Nissan teria fugido do Japão escondido no case de um contrabaixo. A Yamaha Corporation alertou as pessoas a não tentarem se encaixar dentro de cases (caixas) de instrumentos musicais, em reação a reportagens segundo as quais o ex-presidente da Nissan Motor Carlos Ghosn teria fugido do Japão escondido em um deles. "Não mencionaremos a razão, mas tem havido muitos tuítes sobre entrar em cases grandes de instrumentos musicais. Um alerta após qualquer acidente infeliz viria tarde demais, então pedimos a todos que não tentem", disse a empresa japonesa em uma publicação feita em sua conta de Twitter no dia 11 de janeiro. Carlos Ghosn, ex-executivo da Nissan-Renault, fala pela primeira vez após fuga para Líbano Ghosn, que é acusado de ocultar rendas, transferir perdas de investimentos para a Nissan e de se apropriar indevidamente de fundos da montadora, fugiu do Japão no final de dezembro rumo ao Líbano. As autoridades japonesas prometeram persegui-lo e emitiram um pedido de busca internacional para ele e a esposa, Carole. O executivo não quis revelar como escapou da segurança do aeroporto nem confirmou reportagens segundo as quais cúmplices o levaram pelo saguão de acesso a um jato particular no Aeroporto Kansai, no oeste japonês, escondido em uma caixa de som grande que era volumosa demais para passar pelo aparelho de raio-X. Circulam fotos de caixas que foram supostamente usadas por Ghosn, tirada no aeroporto: Caixas de equipamentos musicais que podem ter sido usadas na fuga de Carlos Ghosn do Japão Reuters/Turkish Police Detalhes sobre a fuga de Carlos Ghosn do Japão Aparecido Gonçalves/Rafael Miotto/G1 Reportagens anteriores, que Ghosn refutou, disseram que ele foi retirado de sua casa de Tóquio no case de um contrabaixo. A Yamaha, que fabrica instrumentos e equipamentos que vão de pianos e contrabaixos a baterias e alto-falantes de grandes dimensões, agradeceu as pessoas em um segundo tuíte por gostarem de sua primeira postagem, que foi retuitada mais de 50 mil vezes. A empresa também lembrou seus seguidores mais uma vez que os cases "são feitos para instrumentos, e não pessoas".
Veja Mais

14/01 - Volkswagen registra a picape Tarok, rival da Fiat Toro
O modelo já foi apresentado como conceito em 2018 e, agora, apareceu no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o INPI. Volkswagen Tarok aparece em registros do INPI Reprodução/INPI A Volkswagen registrou o desenho da picape Tarok no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o INPI. O modelo, que chegará nos próximos anos para concorrer diretamente com a Fiat Toro, já foi apresentado em forma de conceito no Salão do Automóvel de São Paulo de 2018. Procurada pelo G1, a Volkswagen do Brasil disse que "divulgará mais detalhes no momento adequado", mas que "o modelo está planejado para ser lançado no mercado brasileiro no futuro próximo com apenas algumas modificações". A marca apontou ainda, na mesma nota, que "o potencial dessa nova picape é tão grande que o conceito também poderia se adequar a outras regiões do mundo". Scooter Honda Activa, feito na Índia, é registrado no Brasil O desenho do modelo registrado segue fielmente o apresentado no conceito, com exceção de alguns detalhes que aparentam ter ficado mais "reais". O principal exemplo é a configuração de rodas e pneus que, no conceito, tinham vocação "lameira". É possível que até seu lançamento oficial a picape sofra mais alterações. Volkswagen Tarok é registrada no INPI Reprodução/INPI A picape, do jeito que foi exibida no salão, possui 4,90 metros de comprimento e 3 metros de entre-eixos. A capacidade de carga é de 1 tonelada. Coincidência (ou não), são medidas idênticas às da Toro. O conceito era equipado com motor 1.4 turbo de 150 cavalos. Mas a Volkswagen deve apostar na versatilidade para conquistar o público. O show-car exibiu soluções interessantes, como entrada USB e tomadas em um nicho na caçamba. O sistema mais legal é o de rebatimento dos bancos traseiros, aliado a uma espécie de ?fundo falso? na carroceria. Basta abaixar uma tampa que o compartimento de cargas ganha quase 1 metro extra de profundidade. Volkswagen Tarok registrada no INPI Reprodução/INPI Plataforma comum A Tarok será mais um modelo a usar a plataforma MQB. Da linha atual da marca, Polo, Virtus, Jetta e Tiguan já utilizam a base. No entanto, como trata-se de uma picape, um veículo que é voltado para o trabalho, a Volkswagen afirma que promoveu uma série de mudanças para aumentar a robustez do veículo. A marca ainda não confirmou em qual das unidades irá produzir o modelo. Hoje, São Bernardo do Campo (SP) e São José dos Pinhais (PR) já recebem a plataforma. Veja o conceito da Tarok: G1 mostra como é a picape Volkswagen Tarok, um dos destaques do Salão do Automóvel Volkswagen Tarok Divulgação/Volkswagen Volkswagen Tarok André Paixão/G1 Caçamba com abertura para a cabine da Volkswagen Tarok André Paixão/G1 Volkswagen Tarok Divulgação/Volkswagen
Veja Mais

14/01 - Prefeita de Paris quer cidade exclusiva para ciclistas, mas os desafios são grandes
Plano da socialista Anne Hidalgo enfrenta críticas, especialmente com relação à falta de infraestrutura e segurança na capital francesa. Em foto de setembro de 2019, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, anda de bicicleta acompanhada do presidente do comitê dos Jogos Olímpicos de 2024, Tony Estanguet Stephane De Sakutin/AFP Imagine uma cidade 100% voltada para os ciclistas. Assim poderá ser Paris, caso a atual prefeita da capital francesa conquiste um segundo mandato nas eleições de 15 de março de 2020. Porém, o plano da socialista Anne Hidalgo enfrenta críticas, especialmente com relação à falta de infraestrutura e segurança para quem se desloca de bicicleta. A menos de dois meses do primeiro turno das eleições municipais na França, o anúncio da candidatura de Anne Hidalgo, no domingo (12), veio acompanhado de um projeto audacioso para os transportes urbanos. Diante da emergência climática, a ecologia será a base da plataforma de campanha da primeira mulher a ocupar a prefeitura de Paris, onde a esquerda está no poder desde 2001. ?De bicicleta, iremos ainda mais longe?, afirmou Hidalgo em entrevista publicada no site do jornal Parisien. ?Novas ciclovias serão espalhadas por toda Paris, ocupando vagas que hoje são de estacionamento. E novos acessos ligarão a capital aos municípios da chamada Grande Paris", completou. Mas apesar das promessas, a prefeitura ainda não conseguiu concluir um ?plano bicicleta? lançado na atual legislatura e teve que enfrentar o fiasco em que se transformou a mudança do sistema de bicicletas de autoatendimento, o Vélib. Investimentos Paris estabeleceu o objetivo ambicioso de se tornar uma capital mundial do ciclismo. Desde 2015, a cidade vem fazendo investimentos sem precedentes de mais de ? 150 milhões (R$ 690 milhões) na extensão de ciclovias. O governo municipal prevê a criação de uma rede expressa de ciclovias (REVe) com corredores nos dois sentidos, contínuos e homogêneos nos eixos Norte-Sul e Leste-Oeste, nas margens do rio Sena, ligando o Bois de Vincennes, ao Bois de Boulogne. Um outro anel para ciclistas deverá ser formado pelos chamados Grands Boulevards e o Boulevard Saint-Germain, com previsão de 61 km de extensão. Além disso, a atual administração propõe a criação de mais 10 mil vagas de estacionamento para bicicletas. Outra medida importante prometida pela atual prefeita é a retirada dos carros do "coração de Paris" (região formada pelos distritos centrais 1, 2, 3 e 4). O programa também prevê transformar a rotatória do Etoile (Arco do Triundo) e da Praça da Concórdia em áreas de pedestres. Perigo à vista Situada ao pé da Avenida Champs-Élysées, a Concórdia é a segunda maior praça da França e um dos locais mais perigosos para os ciclistas parisienses, segundo Charles Maguin, presidente da Associação Paris en Selle (Paris no selim, em tradução livre). A entidade perguntou a 14 mil usuários de bicicleta da capital e do subúrbio quais eram os locais onde eles se sentiam inseguros ao circular. Com mais de seis mil respostas, o levantamento feito em 2017 concluiu que a Praça da Concórdia, assim como o Boulevard Saint Germain, são pontos temidos pelos ciclistas, já que nesses locais eles precisam disputar espaço com ônibus e, às vezes, com carros e motos. A falta de infraestrutura e problemas de segurança também são apontados como o principal desafio para o projeto de transformar Paris numa cidade modelo para ciclistas. ?Existem vias especiais, mas não em todos os bairros?, alerta Jean-Sébastien Catier. O porta-voz da Associação Paris en Selle cita pesquisa em que 60% dos habitantes da capital aprovam as bicicletas, mas não as utilizam por medo de acidentes.  Ajuda financeira Como forma de incentivar os parisienses a deixarem o carro em casa, a prefeitura oferece linhas de financiamento especiais para a compra de bicicletas. Os valores chegam a ? 400 (R$ 1.840) para quem quer investir num modelo elétrico. Mas a medida não é suficiente, diz Catier. ?Todos sabemos dos benefícios para a saúde de quem pedala e dos impactos na diminuição da poluição, mas somente mais segurança poderá convencer as pessoas a utilizarem bicicletas?, completa. Em meio à polêmica, a entidade lembra que dois terços dos parisienses apoiam medidas para retirar os carros das ruas. Viagens em números Ao diminuir o tráfego automobilístico, "Paris segue uma tendência mundial", afirma o economista de transportes e urbanismo da Universidade de Lille, Fréderic Heran. O especialista destaca que a capital francesa já é uma cidade em que mais da metade dos deslocamentos são feitos a pé, enquanto um terço é feito de metrô ou trens urbanos. A principal razão é a alta performance da rede de metrô de Paris, cuja malha de 14 linhas atravessa todas as regiões. ?Apenas 10% dos deslocamentos na capital francesa são feitos de carro, um número que diminui, em média, 4% ao ano?, calcula Heran. O especialista observa que o tráfego automobilístico em Paris caiu pela metade desde 1990 e lembra que o primeiro prefeito a tomar iniciativas nesse sentido foi Jean Tiberi, representante da direita, que governou entre 1995 e 2001. No mesmo período, a velocidade média da circulação de veículos diminuiu 33%, ou seja, de uma média de 21 km/h, em 1990, para 14 km/h atualmente. Por outro lado, os deslocamentos de bicicleta, que hoje somam 4% do total, aumentam numa média de 10% ao ano. ?Acreditamos que o uso do carro pode cair ainda três vezes mais em Paris, chegando ao ponto em que teremos apenas veículos de segurança, ambulâncias ou carros para deficientes. Contudo, o principal concorrente das bicicletas continuará sendo o metrô?, conclui. O especialista em urbanismo explica que raramente os automobilistas usam bicicletas e a tendência é que usuários de carro sejam obrigados a se mudar para longe do centro, já que medidas para conter a circulação de veículos devem se tornar mais frequentes no futuro. Frédéric Heran afirma que normalmente são os pedestres e usuários do transporte público que migram para alternativas menos poluentes, como a bicicleta. Nesse caso, as variáveis que podem fazer a diferença nessa equação são o conforto, especialmente durante o período de inverno, e o fato de que não é possível ler na bicicleta, esse sim um hábito do qual os franceses dificilmente deverão abrir mão em seus deslocamentos.  Veja dicas para encarar as ciclovias com segurança: Bicicletas: veja 10 dicas para andar com segurança
Veja Mais

13/01 - Ghosn pede pensão à Renault, alegando que carta de renúncia não tem validade, diz jornal
Ao francês 'Le Figaro', o ex-executivo disse que sua demissão, quando já estava preso, foi uma farsa. Carlos Ghosn em entrevista coletiva no Líbano, no último dia 8 de janeiro Mohamed Azakir/Reuters O ex-presidente da aliança Renault-Nissan Carlos Ghosn está processando a montadora francesa. O brasileiro, que estava em prisão domiciliar no Japão e fugiu para o Líbano, alega que a carta de renúncia da presidência da Renault, que assinou 1 ano atrás, ainda na prisão, não tem validade. "Minha demissão da Renault? É uma farsa!", disse o ex-executivo em entrevista ao jornal francês "Le Figaro", em Beirute. Segundo a reportagem, publicada no último domingo (12), ele quer uma pensão, além dos pagamentos de aposentadoria. ?Reivindico meus direitos à aposentadoria e todos os direitos que me foram adquiridos. Eu primeiro queria que isso fosse resolvido amigavelmente", afirmou Ghosn ao jornal. Na época, o governo da França, que é acionista da Renault, pressionava a montadora a trocar o comando, que ainda estava oficialmente nas mãos de Ghosn, preso 2 meses antes, em novembro de 2018. Fianças milionárias e fuga Ghosn é acusado de irregularidades financeiras e quebra de confiança pela Nissan, no Japão. O ex-superstar da indústria automotiva pagou fiança milionária para deixar a prisão em março de 2019 e acabou detido novamente, dias depois, tendo de arcar com uma segunda fiança, para aguardar julgamento em prisão domiciliar. Fuga de Ghosn: o que falta esclarecer Ele é alvo de um alerta vermelho da Interpol emitido dias depois de sua fuga, no fim do ano passado. O país asiático também pediu que a mulher dele, Carole, que está com ele no Líbano, seja presa. O ex-executivo, que tem cidadania libanesa e francesa, nega as acusações. Em entrevistas em Beirute, Ghosn voltou a dizer que foi vítima de um complô dos diretores da Nissan com promotores japoneses porque a montadora temia que a Renault aumentasse sua influência sobre a aliança, que foi criada pelo brasileiro. O Ministério da Justiça do Japão repudiou as declarações. Jornal fala em separação da Nissan A aliança Renault-Nissan, que, mais recentemente incluiu a Mitsubishi, começou em março de 1999. Na época, à beira da falência, a japonesa Nissan, sob o comando de Ghosn, vendeu 36,8% de suas ações para a francesa Renault, que também era liderada pelo brasileiro. Também no último domingo, o jornal "Financial Times" publicou, de acordo com fontes, que a Nissan tem um plano para se separar da Renault. A medida incluiria uma divisão total nas áreas de engenharia e manufatura, e mudanças no conselho da Nissan. As ações da montadora francesa caíram cerca de 3% nesta segunda. As montadoras não comentaram a reportagem. Reveja entrevista de Ghosn à GloboNews, em Beirute: Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal Relembre quem é Carlos Ghosn e os principais pontos da prisão Arte/G1 Initial plugin text
Veja Mais

13/01 - China terá terceiro ano de queda nas vendas de veículos em 2020, segundo montadoras
Em 2019, os emplacamentos caíram 8,2% no maior mercado do mundo para automóveis. Fabricantes avaliam que desenvolvimento em 'alta velocidade' terminou. Pátio de veículos da Hyundai na China em 2017 ; vendas de carros devem cair pelo terceiro ano seguido em 202,0, segundo montadoras Thomas Peter/Reuters As vendas de veículos na China caíram 8,2% em 2019, na comparação com o ano anterior. Foi o segundo ano de recuo nos emplacamentos, e as montadoras esperam que a tendência continue em 2020. A queda neste ano deve ser menor, de 2%, segundo as estimativas da Associação Chinesa de Fabricantes de Automóveis (Caam). Com vendas foram pressionadas por novos padrões de emissão de CO2, em uma economia em desaceleração e que também enfrentava tarifas de importação dos Estados Unidos, a China precisa se acostumar com o novo normal de crescimento mais lento. As vendas anuais começaram a cair em 2018, recuando 2,8%, interrompendo uma marcha de crescimento iniciada nos anos 90 naquele que se tornou o maior mercado global de automóveis. "Nós passamos pela fase de desenvolvimento em alta velocidade. Temos de aceitar a realidade do desenvolvimento de baixa velocidade", disse Shi Jianhua, um oficial da associação de fabricantes. "Tivemos um crescimento em alta velocidade por 28 anos seguidos, o que realmente não foi ruim, então espero que todos possam olhar com calma para o mercado", completou. Observadores da indústria, no entanto, esperam que a recuperação das vendas nas cidades menores e a diminuição das tensões comerciais entre a China e os EUA possam ajudar a aliviar o declínio. Meta para elétricos é 'impossível' As vendas de veículos movidos a novas fontes de energia (NEVs), como os elétricos, na China aumentaram 62% em 2018, mas um corte de subsídio prejudicou o desempenho no ano passado. Os emplacamentos caíram 27,4% em dezembro, resultando em um declínio geral de 4%, para 1,24 milhão de unidades em 2019. Perguntado se a indústria poderá vender 2 milhões de NEVs este ano, uma meta originalmente estabelecida pelo ministério da indústria da China em 2017, o secretário-geral assistente da Caam, Xu Haidong, disse que isso "não é possível". Segundo ele, as vendas em 2020 provavelmente "permanecerão no mesmo nível ou aumentarão ligeiramente" em relação ao ano passado.
Veja Mais

13/01 - Caoa desistiu de comprar a fábrica da Ford, diz governador de São Paulo
Segundo João Doria, outros dois grupos interessados avaliam a compra da unidade, que encerrou a produção em outubro. Doria diz que a Caoa desistiu de comprar a fábrica da Ford O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (13) que a Caoa desistiu de comprar a fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, fechada desde o final de outubro. Segundo o governador, o grupo decidiu investir na implantação de uma nova fábrica de automóveis no Estado, que será anunciada ainda em 2020. Sobre o negócio da Ford, Doria disse que no momento outros dois possíveis compradores avaliam a unidade de São Bernardo. Fábrica da Ford em São Bernardo do Campo encerrou suas atividades André Paixão/G1 "Nós não desistimos do tema da Ford ainda. Há um entendimento novo com dois fabricantes chineses, entendimentos que estão em curso. Não temos propagado até para que eles possam seguir com tranquilidade, sem a pressão do tempo", afirmou Doria depois de participar de um evento na capital paulista. "Caoa não foi possível viabilizar neste caso específico, mas a Caoa deve anunciar agora em 2020 um novo e forte investimento com um fabricante chinês na indústria automobilística aqui em São Paulo." Procuradas pelo G1, a Caoa disse, em nota, "que as negociações devam seguir o encaminhamento informado pelo governador Doria", mas que não tinha nenhum executivo disponível para comentar o assunto. Já a Ford confirmou, também em nota, "que as negociações com a Caoa não progrediram". A empresa ressalta, ainda, que "há potenciais compradores interessados e engajados em conversações com a Ford". Atualmente, a Caoa possui duas fábricas em operação no Brasil, nas cidades de Jacareí (SP) e Anápolis (GO). As duas produzem veículos frutos da parceria com a fabricante chinesa Chery. A unidade goiana também é responsável pela fabricação de automóveis e comerciais da coreana Hyundai, com quem a Caoa também mantém negócios. Doria afirmou que é mais fácil para o governo incentivar a implantação de uma fábrica do que vender uma já instalada, como é o caso da Ford. "Caoa acabou não consolidando a compra da fábrica da Ford exatamente porque o grande investidor chinês queria um espaço maior para produção automobilística", disse. Fábrica já fechou Fábrica de caminhões da Ford em São Bernardo Divulgação Em fevereiro do ano passado, a Ford anunciou que iria encerrar as operações na fábrica de São Bernardo do Campo, bem como se retirar do mercado de caminhões na América do Sul. No começo de 2019, a unidade empregava 2.350 funcionários. Desses, apenas mil, que são da área administrativa, foram mantidos. Eles deixarão a sede de São Bernardo em março, quando o restante do complexo será desativado. Apesar de as negociações terem começado logo após o anúncio de fechamento, nenhuma outra empresa fechou negócio. O G1 também procurou a Ford, mas a empresa não retornou até a última atualização desta reportagem.
Veja Mais

13/01 - BMW convoca recall do X6 por quebra em sistema Isofix
As 1.564 unidades foram fabricadas entre 2014 e 2019. Proprietários podem agendar o reparo imediatamente, mas os serviços só começarão no dia 15 de fevereiro. BMW X6 M Divulgação/BMW A BMW anunciou um recall envolvendo 1.564 unidades do X6 por uma possível quebra do aro de fixação do sistema de ancoragem de cadeirinhas infantis, o Isofix. Participam exemplares produzidos entre maio de 2014 e março de 2019, de 4 versões diferentes. De acordo com a marca, o aro de fixação do Isofix pode "sofrer fraturas por vibração" e se partir. Com isso, não será possível fixar uma cadeirinha infantil. Caso o elemento se quebre com uma cadeirinha instalada, ela se desprenderá do banco do veículo. Há risco de acidentes fatais. Os proprietários das unidades afetadas devem agendar o reparo, que tem duração aproximada de 2 horas. Os serviços só serão realizados a partir do dia 15 de fevereiro. Veja os chassis das unidades do BMW X6 convocadas para recall G1 Carros VÍDEO: saiba como levar crianças usando cadeirinhas com fixação Isofix Guia Prático #80: Saiba como transportar as crianças no carro e o que é Isofix Initial plugin text
Veja Mais

13/01 - IPVA 2020 em MG: Imposto começa a vencer nesta segunda
Estado deve arrecadar R$ 5,93 bilhões para um total de mais de 10 milhões de veículos. IPVA 2020 em MG: Imposto começa a vencer nesta segunda O Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2020 começa a vencer nesta segunda-feira (13) para os carros com placas com finais 1 e 2. O Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2020 começa a vencer nesta segunda-feira (13) para os carros com placas com finais 1 e 2.Minas Gerais deve arrecadar R$ 5,93 bilhões para um total de mais de 10 milhões de veículos. (Veja as alíquotas no fim desta reportagem) Escala de vencimento do IPVA 2020 Neste ano, o governo dará desconto de 3% para quem quitar o IPVA em parcela única e mais automaticamente 3% sobre o valor do imposto dos veículos que tiveram todos os seus débitos (imposto, taxas e eventuais multas) pagos em dia nos anos de 2018 e 2019. Os contribuintes podem pagar o imposto em cota única ou em três parcelas, nos meses de janeiro, fevereiro e março. O valor mínimo para parcelamento é de R$ 150. Além do IPVA, o contribuinte deve ficar atento ao vencimento da Taxa de Renovação do Licenciamento Anual de Veículo (TRLAV), com valor de R$ 105,78. O prazo máximo para o pagamento é 31 de março. Somente com a taxa, o governo espera arrecadar R$ 1,05 bilhão. IPVA 2020 em Minas Gerais: Governo divulga escala de pagamento; veja datas e alíquotas Pagamento IPVA em Minas Gerais começa a vencer nesta segunda-feira (13) Reprodução/TV Globo O pagamento já pode ser feito em terminais de autoatendimento autorizados com o Renavam do veículo. A emissão da guia de arrecadação pode ser feita pela internet. Segundo o subsecretário da Receita Estadual, Osvaldo Scavazza, houve queda no valor médio do IPVA. ?O IPVA está 2,96% mais barato em relação ao ano de 2019, obedecendo a desvalorização natural dos veículos no mercado?, disse. O valor médio do IPVA 2020 em Minas é de R$ 587,60. Já considerando apenas os veículos 0 km emplacados em 2019, esse valor médio sobe para R$ 944,21. IPVA mais caro e mais barato De acordo com dados da Fazenda, o IPVA mais caro em Minas Gerais ultrapassa R$ 110 mil. Essa quantia deverá ser desembolsada pelo dono de uma Ferrari 488 Spider, de 2018. Já o IPVA mais barato não chega nem a R$ 5 e será cobrado do proprietário de um ciclomotor, de 1981. Alíquotas do IPVA 2020 em Minas
Veja Mais

11/01 - Mustang dirigido por McQueen no filme 'Bullitt' é vendido por US$ 3,4 milhões e bate recorde
Carro de 1968 é um dos mais famosos do cinema norte-americano. O modelo não restaurado, com sua pintura verde e estofado preto, estrelou uma sequência de 10 minutos no longa. Mustang utilizado no filme 'Bullit' bateu recorde em leilão Patrick Connolly/Orlando Sentinel via AP O Ford Mustang GT de 1968 que Steve McQueen dirigiu na perseguição clássica do filme ?Bullitt?, um dos carros mais famosos do cinema norte-americano, foi vendido por 3,4 milhões de dólares em leilão na Flórida nesta sexta-feira (10), informou a Mecum Auctions. Foi o preço mais alto já pago por um Ford Mustang em leilão, segundo David Morton, gerente de marketing da casa de leilões em Kissimmee, perto de Orlando. O comprador não foi identificado publicamente. Ford Mustang Black Shadow chega ao Brasil em 2020 "O martelo foi batido em 3,4 milhões de dólares, mas com as taxas de compradores, o custo total é de 3,74 milhões de dólares", disse ele, acrescentando que houve quebra do recorde anterior da casa de leilões estabelecido no ano passado, de 2,2 milhões de dólares. Ford Mustang GT de 1968 que Steve McQueen dirigiu na perseguição clássica do filme ?Bullitt? Patrick Connolly/Orlando Sentinel via AP O carro não restaurado, com sua pintura verde e estofado preto, estrelou uma sequência de 10 minutos no filme de 1968, ficando no ar algumas vezes enquanto passava pelas ruas montanhosas de San Francisco. O carro foi leiloado sem reserva ou preço mínimo de venda, uma decisão arriscada que poderia ter forçado os proprietários a vender por preço baixo. McQueen filmou com a janela abaixada para que os espectadores pudessem ver que ele estava atrás do volante. Embora creditado como motorista, McQueen compartilhou o volante com o motorista de Hollywood Bud Ekins, de acordo com o banco de dados de filmes IMDB. Após as filmagens, o Mustang foi vendido a um funcionário da Warner Brothers e, posteriormente, a um detetive da polícia de Nova Jersey. Ele, por sua vez, o vendeu por 6.000 dólares em 1974 a Robert Kiernan, de Madison, Nova Jersey, que manteve o carro até morrer, em 2014. Kiernan rejeitou várias ofertas pelo carro, incluindo uma do próprio McQueen, segundo o New York Times. Ele deixou o Mustang GT para o filho, Sean. Ford Mustang dirigido pelo ator Steve McQueen no filme ?Bullitt? é exposto em Detroit em 2018 Rebecca Cook/Reuters Saiba como é andar no Mustang atual: Veja como anda o novo Ford Mustang na pista
Veja Mais

10/01 - Preço da gasolina fica estável nas bombas; diesel tem leve alta
De acordo com o levantamento semanal da ANP, o valor médio da gasolina por litro permaneceu em R$ 4,558. Preço do diesel subiu 0,11% na semana. Bomba de gasolina em posto da zona sul de São Paulo Marcelo Brandt/G1 O preço da gasolina ficou estável nesta semana e interrompeu uma sequência de dez aumentos consecutivos, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (10) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). De acordo com o levantamento, o valor médio da gasolina por litro permaneceu em R$ 4,558. Já o preço do diesel teve leve alta de 0,11% na semana, para R$ 3,783 por litro, em média. O preço do etanol também subiu no período do levantamento. O avanço foi de 0,35%, para R$ 3,185 por litro. Os valores são uma média calculada pela ANP com dados coletados em postos em diversas cidades pelo país. Os preços, portanto, variam de acordo com a região. Tensão EUA e Irã A semana foi marcada por volatilidade na cotação do petróleo - o que pode contaminar os preços dos combustíveis no Brasil -, depois que um ataque dos Estados Unidos matou o chefe de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã, Qassem Soleimani, e aumentou a tensão entre os dois países. O preço do barril de petróleo chegou a subir para o patamar de US$ 70 na segunda-feira (6). Mas, ao longo da semana, foi cedendo conforme a tensão entre os dois países diminuiu. Nesta sexta-feira, o petróleo Brent recuou para abaixo dos US$ 65 por barril e registrou a primeira queda semanal desde o final de novembro. O governo brasileiro tem monitorado o comportamento do preço do petróleo e um consequente impacto nos preços dos combustíveis. Uma das medidas em estudo pela equipe econômica é a criação de um fundo para compensar as variações no preço do petróleo. Ministro de Minas e Energia: ?Governo quer mecanismo contra aumento do petróleo?
Veja Mais

10/01 - Líbano pode liberar viagens para Ghosn caso não receba processo do Japão, diz ministro
Justiça libanesa espera que autos do processo sejam enviados em até 40 dias. Ghosn é acusado de fraude financeira pelas autoridades japonesas e fugiu para Beirute. Carlos Ghosn durante coletiva no Líbano Mohamed Azakir/Reuters O Líbano pode suspender a proibição de viagens ao ex-presidente da Nissan-Renault Carlos Ghosn caso os autos relativos ao seu caso não sejam enviados pelo Japão em 40 dias, informou em comunicado, nesta sexta-feira (10), o ministro interino da Justiça, Albert Serhan. Fuga de Ghosn: o que se sabe até agora Ghosn fugiu do Japão para o Líbano, seu lar de infância, no mês passado, enquanto aguardava julgamento por acusações de sonegar ganhos, quebra de confiança e apropriação indébita de fundos da empresa, todas as quais ele nega. Sua fuga cinematográfica elevou as tensões entre Japão e Líbano, onde Ghosn criticou o sistema judiciário japonês em uma entrevista coletiva de duas horas na quarta-feira, levando a ministra da Justiça do Japão a emitir uma rara e forte resposta pública. O Líbano não possui um acordo de extradição com o Japão. Detalhes sobre a fuga de Carlos Ghosn do Japão Aparecido Gonçalves/Rafael Miotto/G1 Mulher de Ghosn será interrogada Em comunicado, Serhan disse que havia se encontrado com o embaixador Japonês no Líbano e reafirmado a importância do relacionamento entre os dois países. Ele também disse que a mulher de Ghosn, Carole, será interrogada pelos promotores libaneses quando as autoridades receberem uma notificação da Interpol por ela. "Carole estará sujeita aos mesmos procedimentos que foram feitos (com Ghosn) quando o alerta vermelho for recebido da Interpol", disse o ministro no comunicado. Carole Ghosn, mulher de Carlos Ghosn, esteve em coletiva de imprensa feita por seu marido nesta quarta-feira (8), em Beirute Mohamed Azakir/Reuters Na terça-feira, promotores de Tóquio emitiram um mandado de prisão por Carole em razão de um suposto falso testemunho relacionado à acusação de apropriação indébita contra o seu marido. Uma porta-voz de Carole disse que ela tinha, voluntariamente, voltado ao Japão há nove meses para responder aos questionamentos de promotores e estava livre para ir sem quaisquer acusações, acrescentando que o mandado era "patético". Ghosn fala em entrevista exclusiva ?Eles souberam que eu saí tranquilamente da casa porque eles podiam saber exatamente onde eu fui?, disse o ex-presidente da Nissan-Renault, Carlos Ghosn, sobre a fuga do Japão que até agora não foi completamente esclarecida. Ele deu entrevista ao jornalista Roberto D'Avila, da GloboNews. Assista à íntegra abaixo: Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal Initial plugin text
Veja Mais

10/01 - Um mês após lançamento, novo Mercedes-Benz GLA aparece em testes no Brasil
Chegada está confirmada para o segundo semestre deste ano, já com produção na fábrica de Iracemápolis, SP. Mercedes-Benz GLA em testes em São Bernardo do Campo, SP André Paixão/G1 Em dezembro último, a Mercedes-Benz apresentou na Europa a segunda geração do GLA. Menos de um mês depois, o modelo já roda em testes no Brasil, com pouquíssima camuflagem. Uma unidade foi vista pelo G1 rodando nas proximidades da sede da empresa, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Para tentar disfarçar a identidade do veículo, a Mercedes apenas colocou adesivos no logotipo da empresa e no nome do carro. Viu carro não lançado? Mande foto ou vídeo para o VC no G1 ou pelo Whatsapp/Viber, no telefone (11) 94200-4444, usando a hashtag #g1carros Mercedes-Benz GLA Divulgação A nova geração está confirmada para chegar ao Brasil no segundo semestre deste ano. Uma outra boa notícia é que ele será lançado já com produção na fábrica de Iracemápolis (SP), onde a empresa já fabrica o modelo atual. O GLA foi o segundo carro mais vendido da Mercedes no Brasil em 2019, perdendo apenas para o Classe C. Mercedes-Benz GLA Divulgação A segunda geração trouxe mudanças significativas ao GLA. O perfil de hatch "anabolizado" foi abandonado, e o modelo ganhou mais espaço interno. Principais mudanças nas dimensões do GLA Marca mudou dimensões do carro para ter mais espaço interno; Ficou menor no comprimento: passou de 4.424 mm para 4410 mm; Mais largo: foi de 1.804 mm para 1.834 mm; Mais alto: passou de 1.507 mm para 1.611 mm; Entre-eixos mais longo: foi de 2.699 mm para 2.729 mm Porta-malas cresceu para 435 litros. Antes, tinha 421 litros. Mercedes-Benz GLA Divulgação Motores 1.3 e 2.0 Por enquanto, o GLA teve duas motorizações confirmadas. A de entrada, GLA 200, tem motor 1.3 de 4 cilindros, com 163 cavalos e 25,5 kgfm . Nessa configuração, o carro faz de 0 a 100 km/h em 8,7 segundos e atinge velocidade máxima de 210 km/h, utilizando câmbio de dupla embreagem e 7 marchas. A opção mais potente é a GLA 35 AMG, que conta também com motor de 4 cilindros turbo, mas 2.0. O câmbio é de dupla embreagem, mas com 8 marchas. São 306 cv e 40,8 kgfm de torque. Ele acelera de 0 a 100 km/h em 5,1 segundos, com velocidade máxima de mais de 250 km/h. Mercedes-Benz GLA roda em testes em São Bernardo do Campo, SP André Paixão/G1
Veja Mais

10/01 - Restituição do DPVAT 2020 para quem pagou valor mais caro será pela internet; saiba como fazer
A partir da próxima quarta-feira (15), recurso para a solicitação estará disponível em site. Dinheiro será depositado na conta corrente ou poupança do proprietário do veículo. Quem pagou DPVAT com valor mais alto vai poder pedir restituição O pedido de restituição para quem pagou o DPVAT 2020 com valores mais altos será feito pela internet, informou a Seguradora Líder, empresa gestora do seguro obrigatório, nesta sexta-feira (10). O recurso estará disponível a partir da próxima quarta-feira (15). De acordo com a Líder, mais de 2 milhões de pessoas já haviam pago o DPVAT com o valor mais alto e têm direito de receber o estorno. IPVA 2020: veja calendário e como consultar valores por estado e no DF Após enviar a solicitação pelo sistema, o ressarcimento com a diferença de valores será feito na conta corrente ou conta poupança do proprietário do veículo em até 2 dias úteis, afirmou a gestora do DPVAT. Depois de ter barrado a redução dos valores do DPVAT, o Supremo Tribunal Federal (STF) voltou atrás na decisão, liberando os valores mais baixos. No entanto, o pagamento com os valores mais altos já havia sido feito por alguns motoristas. Entenda o 'vai e vem' DPVAT Em novembro, o presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória para extinguir o DPVAT a partir de 2020; O governo afirmou que a decisão visava evitar fraudes e extinguir os elevados custos de supervisão e regulação; Susep afirmou que DPVAT era ineficiente e que "havia uma corrupção enorme"; Seguradora Líder rebateu críticas e disse que ampliou combate a fraudes; A extinção do DPVAT foi relacionada a disputas políticas com Luciano Bivar, que atua no segmento de seguros; No dia 19 de dezembro, o STF suspendeu a medida provisória e retomou o DPVAT; Em 27 de dezembro, o Conselho Nacional Seguros Privados (CNSP) definiu os novos valores do DPVAT, com reduções de até 86%; No dia 31 de dezembro, o STF suspendeu a norma que reduziu seguro DPVAT, de maneira liminar; No início de 2020, a Susep fez novos questionamentos a Seguradora Líder apontando o uso de recursos do DPVAT em festa de fim de ano; Em 9 de janeiro, o ministro do STF Dias Toffoli voltou atrás e manteve a redução no valor do seguro DPVAT. Restituição do DPVAT 2020 para quem pagou valor mais caro será pela internet Divulgação/Polícia Militar Rodoviária Como pedir o ressarcimento? A Seguradora Líder disse que a restituição poderá ser solicitada a partir do próximo dia 15 de janeiro pelo site https://restituicao.dpvatsegurodotransito.com.br. Às 14h do dia 10 de janeiro, o site estava fora do ar. De acordo com a gestora, a diferença do valor será feita por depósito diretamente na conta corrente ou conta poupança do proprietário do veículo. Para realizar a solicitação, será necessário informar: CPF ou CNPJ do proprietário; Renavam do veículo; E-mail de contato; Telefone de contato; Data em que foi realizado o pagamento maior; Valor pago; Banco, Agência e Conta corrente ou conta poupança do proprietário. A gestora do seguro obrigatório disse que o proprietário receberá um número de protocolo para o acompanhamento da restituição, no mesmo site. A previsão da Líder é que, após o cadastro, a restituição seja feita em até dois dias úteis. A Fundação de Proteção de Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP) considerou que utilização de meio eletrônico facilita o processo para ter o dinheiro de volta, mas ressalta que a gestora do seguro obrigatório não poderá reter os valores de quem não se manifestar. "Isso caracterizaria apropriação indébita ? recursos que não lhe pertencem. Assim, numa segunda etapa, a empresa deverá tomar a iniciativa de procurar os consumidores que não se manifestaram a fim de fazer a devolução dos valores pagos em excesso a eles", afirmou Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP. E se paguei o DPVAT 2 ou mais vezes? Para quem pagou, por algum motivo, o DPVAT duas ou mais vezes, a solicitação de restituição dos valores deve ser feita pelo endereço https://www.seguradoralider.com.br/Contato/Duvidas-Reclamacoes-e-Sugestoes. Frotas de veículos Para os proprietários que possuam frotas de veículos, o pedido de ressarcimento precisa ser realizado pelo e-mail restituicao.dpvat@seguradoralider.com.br. Veja os valores do DPVAT 2020: Automóvel, táxi e carro de aluguel: R$ 5,23 - redução de 68%; era R$ 16,21 em 2019; Ciclomotores: R$ 5,67 - redução de 71%; era R$ 19,65 em 2019; Caminhões: R$ 5,78 - redução de 65,4%; era de R$ 16,77 em 2019; Ônibus e micro-ônibus (sem frete): R$ 8,11 - redução de 67,3%; era de R$ 25,08 em 2019; Ônibus e micro-ônibus (com frete): R$ 10,57 - redução de 72,1%; era de R$ 37,90 em 2019 Motos: R$ 12,30 - redução foi de 86%; era de R$ 84,58 em 2019. (Valores finais com as taxas) Detalhes sobre o DPVAT Arte/G1 O que é o DPVAT O seguro DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), instituído por lei desde 1974, cobre casos de morte, invalidez permanente ou despesas com assistências médica e suplementares (DAMS) por lesões de menor gravidade causadas por acidentes de trânsito em todo o país. O recolhimento do seguro é anual e obrigatório para todos os proprietários de veículos. A data de vencimento é junto com a do IPVA, e o pagamento é requisito para o motorista obter o licenciamento anual do veículo. Vítimas e seus herdeiros (no caso de morte) têm um prazo de 3 anos após o acidente para dar entrada no seguro. Informações de como receber o DPVAT podem ser obtidas pelo telefone 0800-022-1204. Do total arrecadado pelo DPVAT: 45% são destinados para para o Sistema Único de Saúde (SUS); 5% vão para o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran); 50% vão para o pagamento de sinistros e despesas administrativas.
Veja Mais

10/01 - Preços do etanol e diesel fecham acima da inflação em 2019
A alta média do etanol foi de 9,85% e a do diesel de 5,85%, segundo o IBGE. Preço de automóveis usados e novos tiveram deflação. Veículo sendo abastecido com etanol em posto de combustível em Ribeirão Preto Fábio Junior/EPTV Os preços do etanol e do óleo diesel subiram acima da inflação nos últimos 12 meses, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta média do etanol foi de 9,85% e a do diesel, de 5,85% no período entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019. No mesmo período, a inflação calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a 'inflação oficial' do país, ficou em 4,31%. Veja as variações do IPCA para o setor automotivo: Etanol: 9,85% Óleo diesel: 5,85% Gasolina: 4,03% Motocicleta: 3,54 Despachante: 3,53% Óleo lubrificante: 3,53% Conserto de automóvel: 1,83% Automóvel usado: - 0,25% Automóvel novo: - 0,29% Outro termômetro para o preço das bombas é o levantamento feito pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Divulgado no dia 30 de dezembro de 2019, revelou que a gasolina ficou em média 4,85% mais cara nas bombas em 2019. De acordo com o levantamento, o preço médio do litro do combustível subiu de R$ 4,34 no fim de 2018 para R$ 4,55 no fim deste ano. O etanol foi o combustível que sofreu o maior reajuste no ano, de 11,51%. O preço médio do litro vendido ao consumidor saltou de R$ 2,83 para R$ 3,15. Na semana, o preço subiu 0,19%. Já o litro do óleo diesel teve alta de 8,69% no ano, passando de uma média de R$ 3,451 para R$ 3,751. O aumento na última semana foi de 0,24%. Os preços constituem uma média caculada pela ANP a partir de dados coletados em postos em diversas cidades pelo país. Os preços, portanto, variam de acordo com a região. Inflação oficial sobe em dezembro e fecha 2019 em 4,31% Initial plugin text
Veja Mais

10/01 - IPVA 2020 no RJ: guias de pagamento estão disponíveis a partir desta sexta
O calendário para quitar o imposto vai do dia 21 de janeiro a 8 de abril. Saiba como calcular. Guia do IPVA 2020 já está disponível As guias de pagamento do IPVA 2020 no Rio de Janeiro já estão disponíveis para serem retiradas pelos donos de veículos a partir desta sexta-feira (10). Guia de pagamento do IPVA 2020 já está disponível nesta sexta-feira (10) Divulgação/Detran-RJ Os motoristas deverão digitar o número do Renavam para gerar o boleto na página específica do Bradesco ou da Secretaria de Estado de Fazenda. O tributo pode ser pago em cota única, com desconto de 3%, ou a quantia integral poderá ser dividida em três vezes. Incidem ainda a taxa de licenciamento e o DPVAT, reativado pelo Supremo. O pagamento da Guia de Regularização de Débitos (GRD) deverá ser efetuado em dinheiro e poderá ser realizado em qualquer agência bancária. Por meio do site do Bradesco, também é possível consultar o débito do veículo. Confira abaixo o calendário para o pagamento do imposto, que vai do dia 21 de janeiro a 8 de abril, de acordo com o fim da placa do veículo: Calendário do IPVA 2020 do RJ Reprodução/Sefaz-RJ Com base nos preços de mercado calculados pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), o imposto será, na média geral, 3,26% menor do que em 2019. No caso dos automóveis, a redução média será de 3,60%. Já para as motos, o tributo cairá 2,06% em média. A Secretaria Estadual de Fazenda do RJ divulgou no dia 20 de dezembro os valores venais dos principais modelos de veículos. A tabela, publicada no Diário Oficial, é a base para o cálculo do IPVA de 2020. Como calcular o IPVA As tabelas nos links abaixo trazem o valor de cada modelo segundo a Fipe. Para saber quanto você vai pagar, é necessário aplicar as alíquotas (4% para carros a gasolina, a álcool ou flex, 2% para motos e 1,5% para carros movidos a GNV) aos valores expressos na planilha, segundo o modelo e o ano. Veja os valores venais de motos para 2020 Veja os valores venais de automóveis para 2020 Veja os valores venais de picapes e utilitários para 2020 Veja os valores venais de caminhões, ônibus e tratores para 2020 O IPVA é uma das três taxas que donos de veículos têm de pagar ? há o licenciamento anual e o DPVAT. A volta do DPVAT Nesta sexta, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a medida provisória (MP) do presidente Jair Bolsonaro que previa a extinção do DPVAT ? o seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de vias terrestres. Ao G1, a Seguradora Líder afirmou que ?a arrecadação segue mantida, acompanhando o calendário do IPVA de cada estado?. O valor do seguro para 2020 será definido pelo Conselho Nacional de Seguros Privados. Em 2019, donos de automóveis pagaram R$ 16,21; os de motos, R$ 84,58. Licenciamento sem vistoria Outra taxa é a do licenciamento anual obrigatório, o que dá o CRLV, o certificado do veículo. Em 2019, o governador Wilson Witzel aboliu a vistoria para a maioria dos casos. O CRLV pôde ser emitido em postos sem a necessidade de levar o veículo. O valor da guia em 2020 será de R$ 210,48 para todos os contribuintes. CRLV Detran/Divulgação
Veja Mais

10/01 - Multas pela Lei Seca aumentam 48% na cidade de SP em 2019
Em média, houve um flagrante registrado a cada 17 minutos ao longo do ano passado, segundo a Polícia Militar; 505 pessoas foram presas por embriaguez ao volante no período. Multas em Lei Seca cresceram 48% em São Paulo no ano de 2019 A quantidade de motoristas multados pela Polícia Militar (PM) por desrespeito à Lei Seca aumentou 48% em 2019 na cidade de São Paulo na comparação com o ano anterior, apontam dados do Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) obtidos com exclusividade pela GloboNews. Em 2019, 30.692 condutores foram autuados nas blitze, chamadas Operação Direção Segura, instaladas pela PM nas ruas e avenidas da capital, contra 20.77 em 2018. A maior parte deles foi multada por se recusar a soprar o bafômetro (28.106), enquanto o restante (2.586) teve a embriaguez constatada pelo etilômetro (outro nome que é dado ao aparelho que faz o teste de dosagem alcoólica no organismo do motorista). Os flagrantes por desrespeito à Lei Seca representam a soma das autuações por infração ao art. 165 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e ao art. 165-A do CTB. A infração ao art. 165 ocorre quando o condutor testa positivo, ao soprar ao bafômetros, com índices entre 0,05 miligrama de álcool por litro de ar expelido e 0,33 miligrama por litro de ar expelido. Já a infração ao art. 165-A ocorre quando o condutor se nega a soprar o bafômetro. Ser enquadrado em um desses dois artigos representa uma infração administrativa. O condutor é multado em quase R$ 3.000 (R$ 2.934,70) e tem a CNH suspensa por 12 meses. Parte dos motoristas multados com base no artigo 165 ou no artigo 165-A pode ainda ferir o artigo 306, que, diferentemente de uma infração administrativa, é um crime de trânsito, conhecido como "embriaguez ao volante". Para que o motorista, além da multa pelos artigos 165 ou 165-A, ele deve ser flagrado em uma das duas situações a seguir: No caso do art. 165, o teste do bafômetro apontar valores igual ou maior do que 0,34 miligrama de álcool por litro de ar expelido e No caso do art. 165-A, além de recusar o teste do bafômetro, o motorista apresentar pelos menos dois sinais que possam ser interpretados pelo policial como provas de embriaguez ao volante, com base em Resolução do Contran, tais como: vermelhidão nos olhos, sonolência, odor de álcool no hálito, entre outros sinais descritos pela resolução. Quando há o crime de embriaguez ao volante, o motorista é conduzido à delegacia. Recusa puxou alta O crescimento das autuações nas blitze da Lei Seca foi puxado pela alta do número de motoristas que se recusaram a realizar o teste do bafômetro. Entre 2018 e 2019, houve uma alta de 17.797 para 28.106 motoristas autuados por esse motivo, o que equivale a uma alta de 58%. De acordo com o major Marcos Cunha, subcomandante do 2º Batalhão de Polícia de Trânsito, esse aumento reflete uma mudança de comportamento do motorista que bebe e é parado pelos policiais. ?É cada vez maior a quantidade de condutores que se recusam a realizar o teste do etilômetro.?
Veja Mais

09/01 - Seis meses após ser lançada, operadora de patinetes Lime encerra atividades no Brasil
No país, empresa tinha operações em São Paulo e no Rio de Janeiro. Seis meses depois de ser lançada no país, a Lime deixa o Brasil. Thiago Lavado/G1 A operadora norte-americana de patinetes elétricos Lime anunciou nesta quinta-feira (9) que encerrará suas operações no Brasil. A decisão foi anunciada pouco mais de seis meses após a entrada do serviço no mercado nacional. A companhia afirmou que a decisão é parte de estratégia global da empresa para alcançar sustentabilidade financeira. A Lime encerrará suas operações em 12 cidades, incluindo em sete da América Latina. No Brasil a empresa tem operações em São Paulo e Rio de Janeiro. Quem é quem no mercado de patinetes e bicicletas Veja 10 dicas de como andar de patinete "Esperamos poder retornar a operação Lime (no Brasil) em uma hora mais oportuna", afirmou a empresa. Na cidade de São Paulo, além da Lime operam serviço de aluguel fracionado de patinetes as empresas Grin e Scoo. A Lime deixará de atuar em São Paulo nas próximas semanas e no Rio de Janeiro nos próximos meses. Buenos Aires, Bogotá, Montevideo, Lima e Puerto Vallarta são as outras cidades da América Latina que terão suas operações encerradas. "Enquanto a grande maioria dos nossos mais de 120 mercados adotaram soluções de transporte de micromobilidade rapidamente e são lucrativos, existem comunidades selecionadas em todo o mundo onde a micromobilidade tem evoluído mais lentamente", disse o presidente-executivo da Lime, Brad Bao, no blog da empresa, se referindo às cidades que deixarão de contar com os serviços. Em maio passado, a prefeitura de São Paulo anunciou regulamentação para o uso na cidade de patinetes elétricos de empresas como a Lime. As regras restrigiram o uso em parte das calçadas e vias da cidade e determinou obrigação de uso de capacete sob ameaça de multas de até 20 mil reais. Vai andar de patinete? Veja 10 dicas Patinete elétrico: saiba como andar
Veja Mais

09/01 - Ministra da Justiça do Japão volta a rebater acusações de Ghosn e nega conspiração de promotores contra brasileiro
Em nota enviada pela Embaixada do Japão, Masako Mori classifica comentários do executivo como ?abstratos, obscuros ou sem fundamento?. Ex-diretor da Nissan fugiu de Tóquio em 29 de dezembro. Caso Ghosn levanta críticas contra sistema judiciário do Japão A Ministra da Justiça do Japão, Masako Mori, fez novas declarações, rebatendo as críticas de Carlos Ghosn contra o sistema judiciário japonês. Em nota enviada nesta quinta-feira (9) pela Embaixada Geral do Japão no Brasil, Mori classificou os comentários do brasileiros como ?abstratos, obscuros ou sem fundamento?. Carlos Ghosn durante coletiva em Beirute, no Líbano Mohamed Azakir/Reuters Na última quarta-feira (8), Ghosn deu uma entrevista coletiva em Beirute, no Líbano, para onde fugiu em 29 de dezembro, deixando a prisão domiciliar em Tóquio. Após a coletiva, Mori já havia emitido um comunicado, classificando as declarações de Ghosn após fuga como "absolutamente intoleráveis". 'Eles souberam que eu saí tranquilamente da casa', diz Ghosn sobre a fuga do Japão O que se sabe até agora sobre a fuga de Ghosn do Japão para o Líbano Na ocasião, o executivo nascido no Brasil, mas com nacionalidades libanesa e francesa, fez acusações contra o sistema judiciário japonês. No comunicado enviado nesta quinta-feira, a Ministra da Justiça rebateu alguns pontos. Carlos Ghosn é proibido de deixar o Líbano, segundo agências de notícias. Uma das acusações de Ghosn é de que membros da Nissan e do governo japonês conspiraram contra ele. O executivo afirma que a redução do desempenho da montadora, no início de 2017, causou uma perseguição contra ele. E que os japoneses da Nissan conspiraram contra ele porque desejavam mais autonomia em relação à Renault. "Alguns de meus amigos japoneses pensaram que a única maneira de se livrar da influência da Renault na Nissan era se livrar de mim", disse, na ocasião. Ministra da Justiça do Japão, Masako Mori Kyodo/Reuters Ministra nega conspiração Sobre essas acusações, a Ministra da Justiça afirmou que "não há como os promotores participarem de qualquer tipo de conspiração de qualquer grupo de interesse especifico e investigarem um assunto que não atingiu o limiar da investigação". A respeito da fala de Ghosn, de que o sistema japonês seria uma ?justiça dos reféns?, Mori disse que o judiciário do país ?estabelece procedimentos apropriados e é administrado adequadamente para esclarecer a verdade?, e que as críticas são ?improcedentes?. Na coletiva, Ghosn disse que a fuga do Japão foi a decisão mais difícil de sua vida, e que tomou a decisão porque "estava enfrentando um sistema em que a taxa de condenação é de 99,4%". Sobre esse índice, a ministra da justiça afirmou que o Japão tem como praxe "apenas indiciar um suspeito com alta probabilidade de condenação do tribunal com base em evidências suficientes, de modo a evitar que uma pessoa inocente sofra com o ônus de arcar com as despesas judiciais." Carlos Ghosn fala sobre fuga e acusação de fraude fiscal Japão espera que Ghosn enfrente justiça A ministra ainda afirma que nenhuma das acusações irá justificar a fuga de Ghosn do Japão. Ela termina o comunicado dizendo que o executivo pode apresentar provas concretas das acusações em um tribunal japonês. ?É minha grande esperança que o acusado Ghosn adote todos os esforços possíveis para apresentar suas opiniões nos procedimentos justos de justiça criminal do Japão e que busque a justiça prestada por um tribunal japonês.? Carlos Ghosn fala pela primeira vez após fuga para o Líbano Detalhes sobre a fuga de Carlos Ghosn do Japão Aparecido Gonçalves/Rafael Miotto/G1 Initial plugin text
Veja Mais