Notícias - Alpha Trânsito

Cassação de cnh Sorocaba suspensão de cnh sorocaba



habilitação suspensa sorocaba multa por embriaguez sorocaba



Cassação de cnh Sorocaba suspensão de cnh sorocaba



habilitação suspensa sorocaba multa por embriaguez sorocaba



Notícias

RSS Feed - Notícias - Mantenha-se Informado


21/02 - Fiat Cronos parte de R$ 53.990; veja todos os preços
'Sedã do Argo' tem versões 1.3 e 1.8 e ocupa o lugar de Siena e Linea. Ele esquenta segmento que acabou de ganhar o Volkswagen Virtus e terá ainda Toyota Yaris. Fiat Cronos chega às lojas em março Divulgação A Fiat revelou nesta quarta-feira (21) os preços do Cronos, que é a variante sedã do Argo. Com versões de motores 1.3 e 1.8 - que já foi avaliado pelo G1 - o modelo chega às lojas no mês que vem. Ele é fabricado em Córdoba, na Argentina. Leia as primeiras impressões do Cronos 1.8 Veja todos os preços e versões: 1.3 Manual - R$ 53.990 Sem "sobrenome", esta versão de entrada conta com ar-condicionado, direção elétrica, vidros elétricos dianteiros, trava, rádio com bluetooth, comandos de rádio e telefone ao volante, regulagem de altura do banco do motorista e sistema Isofix (para fixação da cadeirinha), rodas aro 15. Drive 1.3 (câmbio manual) - R$ 55.990 Todos os itens da Manual mais central multimídia de 7 polegadas (no lugar do rádio), 2ª porta USB traseira e monitoramento de pressão dos pneus. Opcionais: Alarme. Kit Convenience: vidros elétricos traseiros e retrovisor com ajuste elétrico. Kit Style com rodas de liga leve aro 15, faróis de neblina e banco traseiro bipartido. Kit Parking com câmera de ré e sensor de estacionamento traseiro. Drive 1.3 GSR (câmbio automatizado) - R$ 60.990 Além dos itens da versão anterior, inclui vidros elétricos traseiros, retrovisores externos elétricos com luz de seta, controle eletrônico de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, sistema "start-stop" (que desliga o motor em paradas breves), aletas para troca de marcha no volante, piloto automático, apoio de braço para o motorista. Opcionais: Alarme. Kit Style com rodas de liga leve aro 15, faróis de neblina e banco traseiro bipartido. Kit Parking com câmera de ré e sensor de estacionamento traseiro. Precision 1.8 (câmbio manual) - R$ 62.990 Além dos itens da Drive 1.3 com câmbio manual, inclui rodas de liga leve de 16 polegadas, faróis em LED, sensor de estacionamento traseiro, volante com ajuste de profundidade, faróis de neblina, vidros elétricos traseiros, controle eletrônico de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, retrovisores externos elétricos e banco traseiro bipartido. Opcionais: Airbags laterais dianteiros. Câmera de ré. Kit Style com rodas de liga leve aro 17, bancos em couro, maçanetas e frisos cromados. Kit Tech com ar-condicionado digital, painel de instrumentos de 7 polegadas, partida por botão, sensor de chuva e crepuscular para faróis, retrovisor interno com escurecimento automático. Precision 1.8 AT6 (automático de 6 marchas) - R$ 69.990 Além dos itens da versão anterior, inclui borboletas para troca de marcha no volante, maçanetas e frisos cromados, piloto automático, apoio de braço para o motorista e volante em couro. Opcionais: Airbags laterais dianteiros. Câmera de ré. Kit Style com rodas de liga leve aro 17, bancos em couro. Kit Tech com ar-condicionado digital, painel de instrumentos de 7 polegadas, partida por botão, sensor de chuva e crepuscular para faróis, retrovisor interno com escurecimento automático. Veja primeiras impressões do Cronos 1.8: Fiat Cronos 1.8: G1 avalia o sedã do Argo Mecânica do Argo Também baseado no Punto, o novo sedã compartilha 30% da estrutura do Argo e a mecânica é a mesma. Mas o Cronos dispensou as versões com motor 1.0 e a esportiva HGT do hatch. O motor 1.3 Firefly, da nova família da Fiat, desenvolve 109 cavalos e é combinado com transmissão manual ou o automatizado GSR, ambos de 5 marchas. O propulsor 1.8 desenvolve 139 cv e pode ser combinado com câmbio manual ou um automático de 6 marchas. Nas medidas, o sedã tem 36 cm a mais na traseira em relação ao Argo, além de, é claro, um porta-malas maior, de 525 litros. Interior do Fiat Cronos na versão Drive 1.3, que é intermediária; a de entrada não tem a central multimídia; visual é praticamente idêntico ao do Argo Divulgação No interior, as semelhanças também vão muito além dos 30%. Eles são praticamente idênticos, o que é interessante, porque o interior do hatch é uma das coisas que mais chama atenção frente os rivais. A tela multimídia era para ser de série em todas as versões do Cronos, conforme anunciado no começo do mês, mas a Fiat criou "de surpresa" a configuração de entrada, 1.3 manual, que só tem rádio com bluetooth. Com quem disputa? O Cronos chega de uma vez para substituir Linea e Siena, deixando espaço apenas para o Grand Siena dentro da linha da montadora. O modelo é considerado pela Fiat um concorrente de Chevrolet Prisma, Hyundai HB20S e Toyota Etios, ou seja, na categoria de sedãs pequenos. No entanto, o Cronos com motor 1.8 também deve disputar o "almoço" com outro modelo recém-lançado, o Volkswagen Virtus, além dos 2 líderes da categoria acima (sedãs compactos), Chevrolet Cobalt e Honda City. A Toyota também se prepara para entrar nessa briga, com o Yaris. Em relação a preços, a "guerra" Cronos versus Virtus pendeu para o Fiat. O Volkswagen usa motor 1.6 (de 117 cv) na configuração de entrada, que parte de R$ 59.990. As demais versões, com motor 1.0 turbo (128 cv) e câmbio automático, custam R$ 73.490 (Comfortline) e R$ 79.990 (Highline). Leia tudo sobre o Volkswagen Virtus Fiat Cronos Divulgação Fiat Cronos Divulgação Interior do Fiat Cronos 1.8 Precision AT6 Peter Fussy/G1 Fiat Cronos Divulgação Fiat Cronos tem banco bipartido de série somente nas versões mais caras; nas intermediárias, é opcional Divulgação Fiat Cronos tem controles no volante em todas as versões Divulgação Fiat Cronos 1.8 Precision AT6 Peter Fussy/G1
Veja Mais

21/02 - Presidente da Ford para América do Norte é demitido após 'comportamento inapropriado'
Sem dar detalhes, empresa diz que promove respeito e que Raj Nair teve atitude 'inconsistente com código de conduta'. Raj Nair, presidente da Ford para América do Norte, em imagem de 2012; ele deixou a empresa nesta quarta (21), após ser investigado por comportamento inapropriado Divulgação/Ford A Ford informou nesta quarta-feira (21) que o presidente da montadora para a América do Norte, Raj Nair, deixará a empresa. A demissão acontece após uma investigação de comportamento inapropriado do executivo. Sem dar detalhes, a Ford disse que concluiu que a atitude de Nair era "inconsistente com o código de conduta da empresa". Um comunicado do presidente mundial, Jim Hackett, citou que a empresa promove uma cultura de respeito e espera que seus chefes cumpram com ela. “Tomamos esta decisão depois uma revisão meticulosa e uma consideração cuidadosa", disse Hackett. “A Ford está profundamente comprometida em prover e manter uma cultura respeitosa e segura e esperamos que nossos líderes sustentem esses valores." O comunicado também incluiu frases de Nair. "Eu me arrependo sinceramento que tenha havido situações em que eu não mostrei comportamentos que correspondem aos princípios da companhia", afirmou. No site da Ford, ele já aparece como "ex-presidente" da região. Nair é engenheiro, trabalhava na montadora desde 1987 e assumiu o cargo em junho passado. Em 2014, foi apontado como homem de negócios do ano da revista "Forbes" no setor automotivo. O substituto dele ainda não foi anunciado.
Veja Mais

21/02 - Príncipe William dá voltinha em moto em inauguração no Reino Unido
Ele rodou com uma Triumph Tiger 1200 durante abertura de novo centro de visitantes da montadora britânica. Príncipe William deu rolê com a Triumph Tiger 1200 Ian Vogler/Reuters/Pool Conhecido fã de motocicletas, o príncipe britânico William deu uma voltinha de moto nas dependências da fábrcia da Triumph, em Hinckley, na Inglaterra. William participou da cerimônia de inauguração na terça-feira (20) do novo centro de visitantes da marca, que permite aos interessados conhecer um pouco mais da história da marca e ver modelos antigos e novos de perto. Initial plugin text A escolhida para o rolê foi a renovada Tiger 1200, que chega ao Brasil em 2018. Visto algumas vezes em eventos de moto, o príncipe William ganhou uma moto de brinquedo em 2013 para dar ao seu filho, o príncipe George. Príncipe William andou de moto na terça (20) REUTERS/Ian Vogler/Pool Príncipe William e o CEO da Triumph, Nick Bloor, em inauguração de centro de visitantes da montadora Ian Vogler/Pool/ REUTERS
Veja Mais

21/02 - Ferrari revela o esportivo 488 Pista de 720 cavalos 
Modelo fará estreia mundial no Salão de Genebra, em março. Ferrari 488 Pista Ferrari/Divulgação A Ferrari revelou nesta quarta-feira (21) os detalhes e fotos do inédito carro esportivo 488 pista, que será apresentado no próximo Salão de Genebra, em março. O modelo é o sucessor da dinastia de Ferraris com motor V8, que já esteve nas mãos de 360 Challenge Stradale, 430 Scuderia e 458 Speciale. Com tecnologias derivadas dos modelos de pista 488 GTE e 488 Challenge, o esportivo possui motor V8 3.9 que chega a 720 cavalos de potência. Comparado ao modelo 488 GTB, do qual traz sua base, a 488 Pista ficou 90 kg mais leve. Ferrari 488 Pista Ferrari/Divulgação Mudanças aerodinâmicas renderam um aumento de 20% em sua "downforce" ao solo. Apesar de toda essa agressividade, a empresa disse que o modelo é indicado para todo tipo de motorista, sendo piloto profissional ou não. Ferrari 488 Pista Ferrari/Divulgação
Veja Mais

21/02 - Audi TT RS chega ao Brasil por R$ 424.990
Esportivo tem motor 2.5 de 5 cilindros, que faz de 0 a 100 km/h em 3,7 segundos. Audi TT RS Fábio Tito/G1 A Audi lançou no Brasil o novo TT RS, versão mais esportiva do coupé da marca. Em pacote único, o modelo custa R$424.990 e tem motor de 400 cavalos. Outras novidades que chegam a linha da marca são o RS3 sedã (R$ 329.990) e o SQ5 (R$ 397.990), que fazem parte do total de 10 novidades previstas para o Brasil em 2018. Audi TT RS Audi/Divulgação "As vendas dos veículos RS cresceram 20% mundialmente no último ano. Esperamos que o Brasil possa acompanhar isso", disse Johannes Roscheck, presidente da Audi do Brasil. O executivo também confirmou que vai lançar o RS4 no Brasil ainda este ano. Audi TT RS Fábio Tito/G1 Motor 2.5 de 5 cilindros Para o TT, a empresa desenvolveu um novo motor 2.5 litros TSFi de 5 cilindros. De acordo com a empresa, o esportivo faz de 0 a 100 km/h em 3,7 segundos. Sua velocidade máxima é de 250 km/h limitada eletronicamente. O motor tem desempenho 17% maior que seu antecessor, apesar de não ter mudado cilindrada de 2.480 cc. Bloco e cárter do motor são agora feitos de liga de alumínio, deixando o 18 kg mais leve. Audi TT RS Audi/Divulgação O modelo tem suspensões desenvolvidos para a pista e os seus freios são do tipo perfurados e ventilados. De série, TT RS tem o painel virtual cockpit, bancos esportivos de couro napa, acabamento interno de fibra de carbono, escapamento esportivo, faróis full LED, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, câmera de ré, chave presencial e sistema de som Bang & Olufsen. Audi TT RS Fábio Tito/G1
Veja Mais

21/02 - Honda revela versão mais radical da Africa Twin, a Adventure Sports
Com tanque de 24,2 litros, autonomia da moto pode chegar a 500 km. Honda Africa Twin Sports Adventure Honda/Divulgação A Honda apresentou na Europa uma versão mais radical da Africa Twin. Chamada de Adventure Sports, o modelo tem tanque maior, de 24,2 litros, que pode proporcionar uma autonomia de até 500 km, mostrando sua aptidão para longas viagens. O posicionamento de pilotagem ficou mais alto, o modelo ganhou protetor de carenagens e as suspensões estão mais longas. Com freios ABS de sério, a moto especial também conta com aquecedor de manopla. Honda Africa Twin Sports Adventure Honda/Divulgação São 3 modos de pilotagem e os sistemas de admissão e exaustão foram revisados. Para comemorar os 30 anos do nome "Africa Twin", as cores remetem ao passado da motocicleta. Com opções de câmbio manual e automatizado, o modelo possui motor de 2 cilindros e 998 cc capaz de render 95 cavalos de potência. Honda Africa Twin Sports Adventure Honda/Divulgação
Veja Mais

20/02 - Preço da gasolina fica estável após registrar primeira queda em 14 semanas
Valor médio por litro ficou em R$ 4,21, segundo levantamento da ANP; na mesma semana, Petrobras reduziu preço nas refinarias. Após registrar a primeira queda em 14 semanas, o preço médio da gasolina por litro se manteve estável na semana terminada no dia 17 de fevereiro. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (20) pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Entenda a composição do preço da gasolina e o que diz a Petrobras Segundo o levantamento, o valor médio para o consumidor nas bombas ficou em R$ 4,212. Na mesma semana, a Petrobras reajustou os preços da gasolina para baixo nas refinarias, em 2,61%. O repasse ou não para o consumidor final depende dos postos. A medida faz parte da política de preços da Petrobras, adotada em julho do ano passado, que reajusta o valor dos combustíveis quase diariamente com o objetivo de acompanhar as cotações internacionais. No mesmo mês, o governo subiu os impostos sobre os combustíveis. Desde então, o preço médio para o consumidor final nas bombas acumula alta de 20%. Em 2018, há alta acumulada de 2,75%. Nesta semana, a Petrobras passou a divulgar os preços médios que cobra nas refinarias para a venda de gasolina às distribuidoras, e informou que fica com cerca de 28% do total que os consumidores pagam por litro nas bombas. A empresa já havia feito reduções mais acentuadas de preços, em meio a declarações de autoridades de que distribuidoras e revendedores não estão repassando aos consumidores cortes recentes feitos pela estatal nas refinarias. O governo chegou a solicitar que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) investigue a existência de cartel nos postos de combustível. Cadeia de comercialização da gasolina VALE G1 Diesel e etanol subiram Enquanto o valor médio da gasolina se manteve estável, o preço médio do diesel subiu 0,29% na semana, para R$ 3,39 por litro. Na mesma semana, a Petrobras reduziu o valor do combustível nas refinarias em 3,09%. Desde a alta de impostos e adoção da política de reajustes mais frequentes da Petrobras, há alta acumulada de 14% no preço do diesel para o consumidor final. Em 2018, o valor nas bombas já subiu 1,9%. Já o etanol teve alta de 0,16%, para R$ 3,026 na semana. Para levantar os dados, são coletados pela ANP os preços em 459 localidades. Preço gasolina combustíveis Uberaba Reprodução/TV Integração
Veja Mais

20/02 - Juiz dos EUA aprova plano de recuperação da Takata após 'airbags mortais'
Unidade norte-americana faliu após escândalo com equipamentos defeituosos ligados a 22 mortes e que provocaram maior recall da história. A unidade da Takata nos Estados Unidos recebeu aprovação judicial para o seu plano de recuperação judicial, abrindo o caminho para uma venda de US$ 1,6 bilhão em bens para compensação de vítimas dos airbags defeituosos da empresa. O caso dos "airbags mortais" é ligado a ao menos 22 mortes e provocou o maior recall da história, envolvendo dezenas de milhões de veículos em todo o mundo, quase 2 milhões no Brasil (veja os recalls). Entenda o caso dos 'airbags mortais' da Takata; Brasil tem recalls A falha faz com que o airbag defeituoso abra com muita força e, com a explosão, a peça que abriga o gás que enche a bolsa (chamada insuflador) se parte e pedaços de metal são atirados contra os ocupantes dos carros, podendo causar graves ferimentos. A japonesa Takata e sua unidade norte-americana, TK Holdings, foram à falência no ano passado. "Estamos satisfeitos que o juiz (Brendan) Shannon tenha aprovado o que acreditamos ser opções justas para as vítimas atuais e futuras dos airbags Takata que fornecem uma resolução rápida e permitem que as vítimas tentem seguir em frente com suas vidas", disse o escritório de advocacia Motley Rice, que representou mais de duas dúzias de motoristas feridos no caso. O plano de reorganização da unidade norte-americana incluirá os fundos fornecidos pelas montadoras para ajudar a compensar os feridos pelos airbags. As empresas do grupo não ligadas a airbags estão sendo vendidas para a Key Safety Systems, unidade da chinesa Ningo Joyson Electric.
Veja Mais

20/02 - Rota 2030, novo regime automotivo, sai nos próximos dias, diz ministro
Mas principal ponto de impasse ainda não foi definido. Com fim do Inovar Auto, Brasil começou o ano sem política para a indústria automotiva. Fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP) Divulgação O Rota 2030, novo regime automotivo, deverá ser anunciado "nos próximos dias", disse o ministro interino da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Jorge de Lima, nesta terça-feira (20). Ele participou de um evento sobre a ampliação da fábrica da General Motors em São Caetano do Sul (SP). O Brasil está sem política para o setor automotivo desde o fim do ano passado, quando terminou o Inovar Auto. Trata-se do conjunto de regras que montadoras e importadoras deverão seguir, englobando metas de eficiência de consumo de combustível, incentivo à pesquisa, segurança, entre outros itens. O impasse O atraso no Rota 2030 se deve, principalmente, à falta de consenso entre o MDIC e o Ministério da Fazenda sobre o aumento ou redução de impostos e a forma de fazer a renúncia fiscal, que deve ficar em torno de R$ 1,5 bilhão ao ano, mesmo montante do regime anterior. Lima disse que ainda não houve consenso. As discussões em torno do assunto já duram 9 meses. No Inovar Auto, as marcas podiam, por exemplo, conseguir benefícios ao superar a meta de eficiência energética dos carros ou pelo fato de passarem a produzir no Brasil. Por outro lado, quem não tinha fábrica no país ficou penalizado. O ministro interino confirmou que o novo regime dará "condições de igualdade" às marcas que tenham ou não produção local, corrigindo a falha no Inovar Auto que levou o Brasil a ser condenado na Organização Mundial do Comércio (OMC), no ano passado.
Veja Mais

20/02 - GM vai aumentar fábrica de São Caetano, que terá carros inéditos a partir de 2020
Marca não confirma quantos e quais serão os carros. Dentro de 1 ano, local passará a produzir 330 mil unidades anuais, em vez das 250 mil atuais. GM São Caetano do Sul Divulgação/Newspress A General Motors, dona da Chevrolet, anunciou nesta terça-feira (20) que vai aumentar a produção na fábrica de São Caetano do Sul, no ABC paulista. O volume passará de de 250 mil unidades anuais para 330 mil. Para isso, vai ampliar a fábrica, em um processo que deve ser concluído em 1 ano. No local, são fabricados atualmente Onix Joy (versão mais barata do modelo, com visual antigo), Spin, Cobalt e Montana. A montadora não informou quais modelos terão a produção aumentada. "Novos produtos virão lá para 2020“, afirmou Marcos Munhoz, vice-presidente da montadora no Brasil. O executivo não informou, no entanto, quantos e quais serão. Obras de início da ampliação da fábrica da GM em São Caetano do Sul, SP, devem terminar dentro de 1 ano Rafael Miotto/G1 A ampliação em São Caetano é resultado de um investimento de R$ 1,2 bilhão anunciado em agosto passado. A nova área da fábrica terá, entre os processos de produção, linhas de cortes de chapas, estampagem, produção de para-choques e pintura. A GM também direcionou outros R$ 1,9 bilhão para quadruplicar a fábrica de motores de Joinville (SC) e R$ 1,4 bilhão para a produção de veículos inéditos na unidade de Gravataí (RS), de onde saem Onix e Prisma e para a qual foram contratados 700 funcionários. Esses valores fazem parte do plano de investimento de R$ 13 bilhões no Brasil de 2014 a 2020. Ociosidade A montadora não confirma que haverá novas vagas para a fábrica de São Caetano, onde trabalham 9,3 mil pessoas. "A quantidade de empregados é equivalente à quantidade de carros vendidos, então vai depender de como o mercado reagir", disse Munhoz. Ele explica que a fábrica ainda enfrenta ociosidade. "Nossa capacidade de produção atual é de 250 mil, mas, no ano passado, produzimos 160 mil". A unidade está em férias coletivas no momento. Apenas 1,7 mil empregados estão atuando, nas obras de expansão da fábrica.
Veja Mais

20/02 - Volkswagen vai apresentar conceito de carro elétrico sem volante no Salão de Genebra
I.D. Vizzion1 é o primeiro autônomo da nova família de veículos da marca. Volkswagen apresenta novo modelo da família I.D., de elétricos Divulgação A Volkswagen divulgou nesta terça-feira (20) um desenho do I.D. Vizzion1, o conceito de carro elétrico que será apresentado no Salão de Genebra, no mês que vem, "sem volante e sem controles aparentes". É o primeiro modelo autônomo da marca e o novo fruto da família de veículos que já nascem elétricos - até então, o sistema era adaptado a modelos existentes na linha. Além de ser o primeiro que dispensa o motorista, este I.D. deverá ser o mais luxuoso dos apresentados até agora, com 5,1 metros de comprimento. A marca diz que ele terá um assistente virtual, que atende a comandos de voz e de gestos e aprende as preferências dos ocupantes -o que aponta para o uso da inteligência artificial, outra tendência nas montadoras. O Vizzion1 terá motor de 225 kW e velocidade máxima de 180 km/h. A autonomia, também segundo a Volkswagen, é de 665 km. O modelo ainda não tem data definida para chegar ao mercado. A produção da família I.D., de elétricos, começa em 2020 com o I.D.2, um carro compacto. Depois será a vez do I.D. Crozz3, um SUV, e do I.D. Buzz4, a "Kombi" do futuro.
Veja Mais

20/02 - Jovem caminhoneira de SC mostra rotina nas redes sociais e acumula milhares de seguidores
De Tubarão, Aline Ouriques posta detalhes da vida nas estradas enquanto transporta grãos pelo Sul e Sudeste. Jovem recebe elogios dos usuários das redes sociais Aline Ouriques/Arquivo Pessoal Aos 28 anos, a caminhoneira Aline Ouriques, de Tubarão, no Sul catarinense, faz sucesso nas redes sociais com a publicação da rotina nas estradas. Em um ramo que costuma ser dominado pelos homens, a jovem soma mais de 56,2 mil seguidores que acompanham imagens do seu cotidiano ao volante de uma carreta pelos estados das regiões Sul e Sudeste fazendo o transporte de grãos. Formada em administração de empresas, ela aprendeu a dirigir no caminhão do pai, aos 16 anos, e na hora de escolher a profissão, optou pelo que considera uma grande paixão. “Gosto de caminhão desde criança e como minha família trabalhava com isso, resolvi continuar, porque percebi que era melhor tanto em termos de rentabilidade quanto de liberdade. Sou empresária, trabalho para minha empresa”, contou. Rotina de caminhoneira faz sucesso nas redes sociais Aline Ouriques/Arquivo Pessoal Em função dos riscos da profissão, ela toma alguns cuidados na estrada. “Eu viajo só de dia, porque a noite é perigoso. Tem muito bandido, ladrão de caminhão, ladrão de carga, ladrão de cabine. Eu nunca fui assaltada, a região que eu faço é tranquila”, relatou. A jovem, que prefere não revelar o estado civil, se considera protegida quando está no trabalho. “Acho engraçado que caminhoneiro tem fama de safado, mas quando se trata de colega de profissão, são os mais cavalheiros, são como pais”, contou. Publicações de Aline viralizaram na internet Aline Ouriques/Arquivo Pessoal Apesar de ter uma cabine de caminhão que considera padrão, sem adereços que poderiam sinalizar que é o espaço de uma mulher, Aline não se descuida da aparência, não abre mão do perfume importado, dos cuidados com as unhas e da hidratação dos cabelos. “Vou à academia quando chego de viagem. Acho que isso é o básico, o resto é ilusão do mercado. Nunca fiz nenhuma intervenção estética, minha aparência é natural”, enfatizou. Em diversas selfies, ela recebe elogios dos usuários das redes sociais. “Nunca participei de concursos de beleza. Atualizo minhas redes sociais porque as pessoas se interessam pelo fato de eu ser caminhoneira e assim podem acompanhar minha vida como é de verdade”, relatou. Jovem conquistou milhares de seguidores nas redes sociais Aline Ouriques/Arquivo Pessoal A visibilidade conquistada na internet já lhe rendeu convites para posar para fotógrafos e até para servir de modelo para programas de emagrecimento. No entanto, ela não tem dúvidas sobre a profissão que escolheu. “Nunca quis ser modelo, porque para isso teria que ser magra e gosto de ser quem sou. No réveillon, falei sobre o desejo de emagrecer nas redes sociais e recebi 300 mensagens para continuar como estou. Então, a voz do povo é a voz de Deus”, brincou. Aline divulga sua rotina nas estradas nas redes sociais Aline Ouriques/Arquivo Pessoal Aline mostra o cotidiano como caminhoneira Aline Ouriques/Arquivo Pessoal
Veja Mais

19/02 - Saiba como financiar seu carro com segurança
Pagar prestações pelo veículo novo pode facilitar a sua vida; veja dicas para se dar bem. Mais da metade dos veículos comprados no Brasil são financiados Shutterstock Para quem compra carro no Brasil, seja novo ou usado, o financiamento sempre foi a primeira alternativa. A diferença enorme entre o poder aquisitivo médio do brasileiro e o preço dos automóveis faz com que mais da metade dos veículos comprados por aqui sejam financiados. E o cenário de inflação baixa e queda de juros trouxe em 2017 a primeira alta em número de financiamentos de carros em sete anos (9,7%, na comparação com 2016). Para que a sua vida financeira continue tranquila, veja algumas dicas para comprar o carro a prestações. Dê um bom valor de entrada Para quem financia um carro, a entrada pode ser a chave do sucesso. Quanto maior ela for, menores serão as parcelas e melhores serão as chances de negociar bons descontos. Para os especialistas, a entrada deve ser de pelo menos 20% do valor do carro. Pesquise as opções do mercado Ter mais de uma opção em vista é sempre vantajoso para evitar comprar gato por lebre. Use a internet e pesquise bem os veículos dentro do seu padrão e nos seus valores à vista. Faça uma lista e vá atrás deles para ver a melhor alternativa. Nessas horas, a tabela Fipe pode ser uma boa arma. Faça o mesmo para ter uma ideia sobre o valor do carro que você quer colocar na negociação. Evite a tentação da prestação baixa Na hora de comprar o carro, você pode ficar tentado a fechar negócio por um veículo acima do valor que pretendia pagar, pensando que talvez fosse uma boa ideia pegar prestações menores. Isso requer cuidado: você quer mesmo levar mais tempo para quitar o financiamento de um automóvel que talvez você não precisasse comprar? É bom ter os dois pés firmes no chão na hora de escolher seu carro novo. Planeje bem suas prestações Tenha em mente a sua renda mensal e seus possíveis rendimentos futuros para saber o quanto poderá gastar com as parcelas do financiamento. Faça o possível para não comprometer mais de 30% do que você ganha com as prestações do carro. Olhe nos custos extras Lembre-se que, além das prestações do financiamento, seu carro também dará despesas constantes, como combustível, seguro, IPVA, manutenção e revisões periódicas obrigatórias para validade da garantia. Você também pode fazer simulações de gastos cotidianos, como combustível e estacionamento, e veja o quanto eles vão morder do seu orçamento mensal. Pense além dos juros Além das taxas de juros, é bom considerar todos os impostos, seguros, encargos e despesas envolvidos na tomada de um financiamento. Isso vai influenciar diretamente no valor da parcela. Agora que você já sabe mais sobre financiamento, aproveite para acessar o Autoline.com.br e ver oportunidades incríveis de ofertas de carros.
Veja Mais

19/02 - Ônibus utilizado por Schumacher no tetracampeonato pela Ferrari é vendido por 103,5 mil euros
Valor é equivalente a mais de R$ 410 mil. Veículo foi transformado por "hotel de luxo" após deixar a escuderia italiana. Ônibus utilizado por Schumacher no tetracampeonato pela Ferrari é vendido por 103,5 mil euros Bonhams/Divulgação O ônibus Iveco utilizado pela escuderia Ferrari durante as temporadas de 2001 a 2005 foi vendido por 103,5 mil euros, valor equivalente a mais de R$ 410 mil, informou a casa de leilões Bonhams. Desenvolvido exlcusivamente para a equipe italiana, o veículo foi utilizado durante o tetracampeonato de Michael Schumacher pela Ferrari, de 2001 a 2004, os últimos 4 de um total de 7 conquistados pelo alemão. Com 12 metros de comprimento, o "busão" suspensão a ar, motor de 380 cavalos e transmissão automática de 8 velocidades. O veículo foi feito para reuniões e entrevistas estratégicas com Schumacher e também com o brasileiro Rubens Barrichello. Ônibus utilizado por Schumacher e Rubens Barrichello Bonhams/Divulgação Em sua configuração original, o ônibus tinha salas separadas com acessos independentes, cada qual com TV de LCD, mesa para computador, telefone por satélite e conexão com internet. No entanto, o ônibus foi modificado pelo dono que sucedeu a Ferrari e ele o transformou em um verdadeiro hotel de luxo, com cama e banheiro. Dono que sucedeu a Ferrari transformou ônibus Bonhams/Divulgação Ônibus utilizado por Schumacher no tetracampeonato pela Ferrari é vendido por 103,5 mil euros Bonhams/Divulgação Agora, veículo tem até banheiro Bonhams/Divulgação Depois de transformação, ônibus que foi da Ferrari ganhou até cama Bonhams/Divulgação
Veja Mais

19/02 - Depois do Onix, Prisma também ganha versão automática mais 'acessível'
Com câmbio automático de 6 velocidades, Chevrolet Prisma Advantage custa R$ 58.690 e não tem central multimídia MyLink. Chevrolet Prisma Advantage Chevolet/Divulgação Depois de o Chevrolet Onix ganhar versão automática mais "acessível", o Prisma também passa a ter uma opção Advantage com este tipo de câmbio. Custando a partir de R$ 58.690, o Prisma 1.4 Advantage se torna o automático com o menor preço da montadora. Veja lista de preços do Prisma 2018 1.4 LT: R$ 57.191 1.4 Advantage: R$ 58.690 1.4 LTZ: R$ 63.190 O grande atrativo é o valor de cerca de R$ 1,5 mil a mais que a versão de entrada LT. Para ter transmissão automática, a LT sobe seu valor para R$ 62.690, R$ 5 mil a mais que a Advantage. No entanto, assim como aconteceu com o Onix, o Prisma Advantage é menos "conectado" que as outras versões, não possuindo MyLink e Onstar nem como opcionais. Chevrolet Onix também recebeu versão 1.4 Advantage automático Chevrolet/Divulgação O motor não recebeu alterações e segue rendendo 106 cavalos de potência máxima e 13,9 kgfm de torque.
Veja Mais

19/02 - Volvo lança seu primeiro motor 3 cilindros no SUV XC40
Motor de 3 cilindros e 1.5 litro terá opção manual, de 6 velocidades, e automática, com 8 velocidades. Marca terá XC40 híbrido e elétrico, no futuro. Volvo XC40 é o primeiro carro da marca a ter motor de 3 cilindros Volvo/Divulgação A Volvo revelou nesta segunda-feira (19) o primeiro motor de 3 cilindros de sua história de 91 anos. O propulsor de 1.5 litro faz sua estreia no SUV XC40 e trabalha em conjunto com transmissão manual de 6 velocidades. Para 2019, está programada a chegada da transmissão automática de 8 velocidades como opcional. De acordo com a empresa, o motor de 3 cilindros também servirá para modelos híbridos no futuro. Além da nova opção com motor 3 cilindors, a Volvo disse que lançará versões híbridas e uma puramente elétrica do XC40 no futuro. Motor de 3 cilindros e 1.5 litro da Volvo Volvo/Divulgação SUV XC40 vem ao Brasil em 2018 A novidade chega ao mercado nacional entre março e abril com novas tecnologias para brigar com BMW X1, Audi Q3 e Mercedes-Benz GLA, entre outros SUVs premium. Sua pré-venda já comecou com preços partindo de R$ 169.950, mas não com o motor de 3 cilindros. A opção de entrada terá motor T4, 2.0 de 190 cavalos e tração dianteira. Seu pacote de equipamentos ainda não foi definido, e sua chegada será depois das outras. As demais configurações serão equipadas com o motor 2.0 de 256 cv. É o mesmo propulsor do irmão maior, XC60. A tração é integral. A versão mais cara terá o sistema de condução semiautônoma já presente no XC60 e no XC90. Fora isso, desde a opção intermediária há quadro de instrumentos digital, 5 modos de direção, frenagem automática de emergência, alerta de mudança de faixa e controle de cruzeiro adaptativo. Volvo XC40 Divulgação Feito sobre uma nova plataforma desenvolvida junto a chinesa Geely, atual dona da marca sueca, o XC40 já foi pensado para incluir sistemas de propulsão híbridos ou 100% elétricos. O primeiro carro da família 40 traz o DNA do conceito 40.1 e detalhes visuais que já se tornaram marca registrada da nova geração de modelos da Volvo. Assim como nos irmãos maiores XC60 e XC90, o interior sofisticado tem poucos botões e uma tela central que pode controlar quase tudo. Volvo XC40 Divulgação
Veja Mais

19/02 - Lucro recorde da Renault fortalece brasileiro na presidência do grupo
Administração do grupo autorizou novo mandato para Carlos Ghosn de mais 4 anos, mas com redução de 30% do salário. Acionistas ainda votarão sobre a decisão. Carlos Ghosn, CEO da Renault, durante a apresentação dos resultados anuais da empresa, em Boulogne-Billancourt, na última sexta-feira (16) Gonzalo Fuentes/Reuters A construtora francesa Renault anunciou na última sexta-feira (16) ter registrado um lucro recorde em 2017, com uma alta de 50% em relação ao ano anterior, num total de € 5,1 bilhões. O anúncio acontece um dia depois de o conselho de administração do grupo autorizar um novo mandato de quatro anos para o seu presidente, o franco-brasileiro Carlos Ghosn, em troca de uma redução de 30% do seu salário. “Nós batemos um novo recorde de vendas, de lucros, de margem operacional e de resultados líquidos”, disse Ghosn, durante uma conferência com analistas. A empresa, que controla as marcas Renault, Dacia, Renault, Samsung Motors, Alpine e Lada, vendeu 3,6 milhões de veículos no ano passado. Para este ano, a ambição é aumentar os lucros “a perímetros constantes” e manter uma margem operacional “superior a 6%”. “2018 será um ano de crescimento moderado”, destacou Ghosn. “Estou, evidentemente, muito orgulhoso de onde estamos hoje. Foi graças a uma boa estratégia, que teve a coragem de enfrentar muitas críticas e, no fim, provou, pelos fatos, que era a melhor”, disse o CEO. Ele explicou que, agora, o grupo colhe os frutos de “todas as sementes que posicionamos: carro elétrico, Rússia, Brasil, a aliança [Renault-Nissan], que vão dar resultados durante os próximos seis anos”.   Queda de salário: não necessariamente um bom negócio para o Estado francês Para permanecer no cargo, que ocupa desde 2005, o presidente do grupo aceitou uma redução de 30% do seu salário anual (de €7,25 milhões em 2017), conforme solicitação do Estado francês, acionista majoritário da gigante de automóveis. A diminuição se justifica, segundo Ghosn, pelo fato de que parte das suas funções operacionais serão delegadas, para que ele possa se concentrar nos trabalhos da aliança com a japonesa Nissan. O ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, afirmou que conversou com Ghosn e explicou-lhe que o governo “não poderia votar a favor de um dirigente que tivesse remunerações tão elevadas”, portanto o corte de salário seria necessário. “Ele aceitou”, comentou Le Maire.   A redução de quase um terço do valor do contra-cheque, porém, não significa que o CEO vá de fato ganhar menos. A remuneração do presidente de uma companhia como a Renault não é igual à de um funcionário “comum” – existe uma parte fixa e uma variável, conforme a performance do grupo, e que significa extras em bônus e ações. Essa parte costuma ser superior ao salário fixo: em 2016, Ghosn ganhou € 6 milhões a mais de salário graças ao rendimento de suas 130 mil stock-options do grupo.   A confirmação da decisão de mantê-lo na presidência até 2022 ainda será submetida ao voto da assembleia-geral de acionistas, no dia 15 de junho. Ghosn nomeou um vice, Thierry Bolloré, para preparar a própria sucessão no posto. Em 2017, a Renault se tornou o maior construtor mundial de automóveis, com 10,6 milhões de veículos vendidos.
Veja Mais

19/02 - Sindicalistas fazem atos contra reforma da Previdência na Volks, Ford, GM e Chery
Empresas Hitachi e Prolind, em São José dos Campos, também tiveram atos.  Paralisação aconteceu na manhã desta segunda-feira (19) em frente a unidade da General Motors (GM), em São José dos Campos (SP). Divulgação/Sindicato dos Metalúrgicos Sindicalistas realizaram atos em protesto contra a reforma da Previdência na manhã desta segunda-feira (19) nas montadoras instaladas no Vale do Paraíba. As centrais sindicais fizeram manifestações na Volkswagen e Ford, em Taubaté; na General Motors, em São José dos Campos; e na Chery, em Jacareí. Na General Motors, a manifestação atrasou a entrada de cerca de dois mil funcionários por cerca de uma hora, segundo o sindicato. O ato em frente a fábrica reuniu os trabalhadores do primeiro turno e durou das 5h30 às 6h30. A GM informou que não vai comentar o caso. Em São José dos Campos, também houve atos em outras empresas como a Prolind, Hitachi Eaton e Fameccânica. Já em Jacareí, cerca de 100 metalúrgicos da Chery também atrasaram a entrada ao trabalho por uma hora. A montadora tem cerca de 400 funcionários na unidade. Em nota ao G1, a Chery afirmou que o protesto durou cerca de 30 minutos e que a produção da planta em Jacareí está normalizada. Em Jacareí (SP), funcionários da Chery atrasaram a entrada ao trabalho nesta segunda-feira (19). Divulgação/Sindicato dos Metalúrgicos Em Taubaté, os funcionários do primeiro turno da Volkswagen não entraram para o trabalho em protesto contra a reforma da Previdência. Os trabalhadores decidiram pela mobilização em assembleia por volta das 6h10 na porta da fábrica. O número de trabalhadores parados não foi informado pelo sindicato. A paralisação nos outros turnos será discutida com os funcionários. Já na Ford, a manifestação atrasou a entrada de funcionários do primeiro turno ao trabalho, por duas horas. Os trabalhadores que entrariam às 6h45, se reuniram em frente a unidade em protesto e só entraram para o trabalho às 8h45. A Ford afirmou por meio da assessoria de imprensa que operava normalmente após a paralisação temporária. A Volkswagen informou à tarde que não teve expediente na unidade Taubaté por causa do ato. Volkswagem, em Taubaté, também aderiu a paralisação nesta segunda-feira (19). Divulgação/Sindicato dos Metalúrgicos Afonso Pena A manhã desta segunda-feira (19) também foi marcada por atos de centrais sindicais na região central de São José dos Campos. Os manifestantes se reuniram na praça Afonso Pena, por volta das 10h, para protestar contra a reforma da Previdência. As categorias atendem o pedido de adesão ao dia de protesto que acontece em todo Brasil, contra a PEC 287/2016. Diversas categorias realizaram uma passeata contra a reforma da Previdência na manhã desta segunda-feira (19), na região central de São José dos Campos. Agda Queiroz/TV Vanguarda Protesto teve início às 10h, na praça Afonso Pena. Agda Queiroz/TV Vanguarda Votação do projeto A votação da reforma da Previdência (PEC 287/2016) deve ocorrer ainda neste mês de fevereiro na Câmara dos Deputados. Os movimentos sindicais e sociais não aceitam as mudanças propostas pela reforma por considerá-las impeditivos ao acesso à aposentadoria, em especial após a aprovação e implementação da reforma trabalhista, que legalizou formas precárias de contratação de trabalho e de remuneração. Paralisação aconteceu em frente a unidade da Ford, em Taubaté (SP), nesta segunda-feira (19). Sindicato dos Metalúrgicos/Divulgação
Veja Mais

17/02 - Ford EcoSport passa a ter menos airbags em 5 versões na linha 2019
Em junho, quando o SUV foi reestilizado, marca alardeou oferta de 7 airbags de série. Agora, apenas versões acima de R$ 92 mil terão mais do que as 2 bolsas que a lei exige. Ford EcoSport perdeu airbags em diversas versões na linha 2019 Marcelo Brandt / G1 A Ford lançou a linha 2019 do EcoSport com um grande retrocesso em segurança. A fabricante retirou os airbags laterais, de cortina e de joelho para o motorista de várias versões. As bolsas adicionais (apenas as frontais são obrigatórias por lei) foram alardeadas pela fabricante como item de série em todas as configurações na linha 2018, quando o modelo ganhou melhorias no visual e no acabamento e novos motores. Ford EcoSport 2.0 Titanium - airbags são quase exclusividade da versão topo de linha Marcelo Brandt/G1 Agora, o cliente que quiser ter um nível mais alto de segurança deverá investir mais de R$ 92 mil. A Ford reduziu em até R$ 1,3 mil o preço de algumas versões. Veja abaixo os preços de cada uma SE Direct 1.5 automática - 2 airbags - R$ 68.690 SE 1.5 manual - 2 airbags - R$ 76.690 SE 1.5 automática - 2 airbags - R$ 82.890 FreeStyle 1.5 manual - 2 airbags - R$ 83.690 FreeStyle 1.5 automática - 2 airbags - R$ 89.890 FreeStyle Plus 1.5 automática - 7 airbags - R$ 92.790 Titanium 2.0 automática - 7 airbags - R$ 96.990 Storm 2.0 4x4 automática - 7 airbags - R$ 99.990 Não houve mudanças mecânicas. O SUV compacto segue sendo oferecido com motores 1.5 de 3 cilindros e 137 cavalos ou 2.0 de 4 cilindros e 176 cv. As transmissões podem ser manual de 5 marchas ou automática de 6 marchas.
Veja Mais

17/02 - Mortes nas estradas no carnaval, caminhão de controle remoto e outros destaques de carros e motos na semana
Saiu o preço da Yamaha Crosser 150 Z e uma 'CG bombada' na Índia. Confira sobre carros, motos e caminhões que marcaram a semana: Mortes nas estradas no carnaval Acidentes no carnaval diminuíram Divulgação/PRF O carnaval deste ano foi o menos violento dos últimos 4 anos nas estradas federais, disse a Polícia Rodoviária Federa. Mesmo assim, 103 pessoas morreram. Suíço constrói 'miniatura' de caminhão Suíço Hugo Markes fez uma versão em escala do Scania R 500 Divulgação Um suíço chamado levou a paixão por miniaturas a um novo patamar. Ele construiu uma versão "pequena" do caminhão Scania R 500 Topline, com 800 kg e 7 metros de comprimento. O modelo pode ser controlado por controle remoto. Honda 'CG bombada' Honda X-Blade Honda/Divulgação Na Índia, a Honda apresentou um modelo interessante: a X-Blade. Ela é uma espécie de "CG bombada" e tem motor 160 com configuração similar a da moto brasileira. Moto híbrida com câmera TVS Zeppelin Auto Expo/Divulgação Os indianos criaram um moto "high-tech" que tem propulsão híbrida e câmera integrada. Ainda um protótipo, o modelo é da TVS e se chama Zeppelin. Yamaha Crosser Z Yamaha Crosser 150 Z Yamaha/Divulgação A Yamaha lançou uma nova versão da Crosser 150, chamada de Z. O modelo ganhou um "bico" na dianteira e está mais adequada ao off-road. Dá para por ar-condicionado em carro antigo? É possível instalar ar-condicionado em carros antigos? Creative Commons No Oficina do G1, o colunista Denis Marum explica sobre o tema que pode ser uma dúvida para muitas pessoas. 'Dojão' de Bruce Willis Dodge Charger, de 1969, foi presente de Demi Moore a Bruce Willis Divulgação/Silverstone Auctions Modelo dado pela atriz Demi Moore ao então marido Bruce Willis será leiloado com preço estimado entre R$ 226 mil e R$ 270 mil, segundo a casa de leilões Silverstone. Onix automático mais 'acessível' Chevrolet Onix 1.4 Advantage automático Chevrolet/Divulgação A Chevrolet lançou nova versão do Onix, chamada de Advantage, para ser a mais acessível da marca com câmbio automático.
Veja Mais

16/02 - Chevrolet Onix ganha nova versão Advantage por R$ 53.990 para ser a automática mais 'acessível'
Com câmbio automático de 6 velocidades, Onix Advantage não tem central multimídia MyLink. Chevrolet Onix 1.4 Advantage automático Chevrolet/Divulgação A Chevrolet apresentou nesta sexta-feira (16) a nova versão 1.4 Advantage do Onix, que foi criada para ser o automático mais acessível da empresa. O modelo custa a partir de R$ 53.990 e possui a transmissão automática de 6 marchas. “Nossa expectativa é que as vendas do Onix automático cresçam acima do ritmo do mercado em 2018 com a adição da versão Advantage, que estreia como o AT mais acessível do portfólio Chevrolet”, disse Hermann Mahnke, diretor de marketing da Chevrolet, em comunicado. Em 2018, o Onix segue liderando o ranking de vendas no Brasil" Sem MyLink Antes da chegada do 1.4 Advantage, o posto de carro automático mais "acessível" da montadora era do Onix LT 1.4 - no caso dele, o câmbio automático é um opcional e, com ele, o preço vai a R$ 57.990. Esse pacote para o LT 1.4 também traz a central Multimídia MyLink e o assistente OnStar, itens que não estão presentes no Onix 1.4 Advantage. Veja itens de série do Onix 1.4 Advantage: Transmissão automática Direção elétrica Ar-condicionado Bluetooth, Travas elétricas Retrovisores externos Vidros dianteiros com acionamento elétrico Painel com velocímetro digital e regulagens de altura do banco, volante e do cinto. Sistema Isofix e Top Tether para fixação de cadeirinha infantil, Alerta de baixa pressão dos pneus Alerta de esquecimento dos faróis acesos Alerta de não utilização do cinto de segurança A versão não conta com opcionais. Chevrolet Onix 1.4 Advantage é o automático mais barato da marca Chevrolet/Divulgação O motor 1.4 rende até 106 cv. De acordo com os dados do Inmetro, o Onix faz, com etanol, o média de 7,9 km/l na cidade e de 9,6 km/l na estrada. Com gasolina, os números são 11,7 km/l e 13,9 km/l, respectivamente. Veja a lista completa de preços do Onix: (sem contar os opcionais) Onix 1.0 LT: R$ 47.590 Onix 1.4 LT: R$ 52.790 Onix 1.4 Advantage: R$ 53.990 Onix 1.4 LTZ: R$ 58.390 Onix 1.4 Activ: R$ 61.490 Onix 1.4 Effect: R$ 56.490
Veja Mais

16/02 - Honda lança 'CG bombada' na Índia, a X-Blade
Modelo utiliza motor de 160 cc com configuração similar a da moto brasileira. Honda X-Blade é lançada na Índia Honda/Divulgação A Honda acaba de apresentar na Índia, no Auto Expo 2018, a inédita X-Blade, uma moto urbana, mas com visual arrojado. O modelo pode ser considerado uma "CG bombada", já que utiliza um motor de 162,7 cc, mesma configuração da moto brasileira, mas com uma estética mais robusta. A base do modelo é a CB 160 Hornet, outra moto da montadora no mercado indiano. De acordo com empresa, a X-Blade é uma moto para lazer e seu visual é mais agressivo que de uma urbana tradicional com uma "parruda" carenagem ao redor do farol e até uma pequena bolha de proteção aerodinâmica. Ainda sem preço definido, a motocicleta chega às lojas da Índia em março. Serão 5 cores de opção, painel digital e freios combinados do tipo CBS. Honda X-Blade Honda/Divulgação O Auto Expo na Índia também teve outro modelo interessante: TVS Zeppelin, uma moto de baixa cilindrada híbrida com câmera integrada criada na Índia. Honda X-Blade Honda/Divulgação
Veja Mais

16/02 - Indústria de bicicletas no AM fecha janeiro com aumento de 49,8% na produção 
No primeiro mês de 2018, foram produzidas 52.211 unidades A produção de bicicletas nas empresas instaladas no Polo Industrial de Manaus (PIM) fechou o mês de janeiro com alta de 49,8% em comparação com o mesmo período de 2017 (34.849). No primeiro mês de 2018, foram produzidas 52.211 unidades. Os dados são da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (ABRACICLO). Na comparação com dezembro, o aumento foi de 138,6% sobre as 21.879 bikes fabricadas no último mês do ano passado, porém é justificado pelo fato de as fábricas estarem em férias coletivas em parte daquele período. A expectativa é que no acumulado dos doze meses suas associadas produzam 727 mil unidades, representando crescimento de cerca de 9% na comparação com o ano anterior, quando saíram das linhas de produção 667.363 bicicletas. Dados da entidade mostram que entre as categorias foram produzidas 29.776 bicicletas do tipo Urbana, com alta de 99,2% sobre dezembro (14.951 unidades). A categoria Mountain Bike (MTB) contou com 21.918 unidades, com resultado mensal 224,4% superior ao mês anterior (6.757 unidades). Por último, aparece a categoria Estrada, com 517 unidades, representando um aumento de 202,3% sobre dezembro (171 unidades). No que diz respeito à participação, a categoria Urbana aparece no topo do ranking, com 57%, seguida da MTB, com 42%, e Estrada (1%). É preciso levar em conta, ainda, que muitos consumidores de bicicletas do tipo MTB também estão adquirindo estes produtos para uso urbano. Segundo os dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) analisados pela Abraciclo, a importação de bicicletas em todo o território nacional totalizou 17.515 unidades em janeiro, alta de 56,4% sobre o mesmo mês de 2017 (11.201). Na comparação com dezembro houve aumento de 51,2% (11.586). A maior parte das bicicletas trazidas de outros países veio principalmente da China, Canadá, Portugal, Taiwan (Formosa) e Camboja. As exportações de bicicletas produzidas no Brasil ocorrem em menor volume, atingindo 718 unidades, o que corresponde a um aumento de 8,8% sobre as 660 unidades de janeiro de 2017, sendo o Paraguai o principal destino (705 unidades), na frente da Bolívia (13 unidades). No entanto, na confrontação com dezembro de 2017 (1.129 unidades) houve queda de 36,4% nos embarques.
Veja Mais

16/02 - 'Dojão' que foi presente de Demi Moore a Bruce Willis busca novo dono
Dodge Charger, de 1969, foi comprado pelo vocalista do Jamiroquai, Jay Kay, que restaurou e espera vender por cerca de R$ 270 mil. Dodge Charger, de 1969, foi presente de Demi Moore a Bruce Willis Divulgação/Silverstone Auctions Um Dodge Charger, de 1969, com motor V8 de 8.2 litros já seria motivo suficiente para atrair atenção. Mas um que passou por garagens estreladas fica ainda mais interessante. É o caso de um modelo dado pela atriz Demi Moore ao então marido Bruce Willis e que agora será leiloado com preço estimado entre R$ 226 mil e R$ 270 mil, segundo a casa de leilões Silverstone. Esse "Dojão" viveu dias felizes na garagem do casal por longos anos, e o ator da saga "Duro de Matar" ainda cuidou dele mesmo depois do divórcio, que ocorreu em 2000. Interior do Dodge Charger "Bullitt" que vai para leilão Divulgação/Silverstone Auctions Em 2008, ele passou para as mãos de outra estrela, dessa vez o vocalista do grupo Jamiroquai, Jay Kay, que é conhecido por sua paixão por carros. Kay comprou o carro de Bruce Willis, fez a importação para a Inglaterra e ainda gastou mais de R$ 100 mil para restaurar o motor e outros itens. Com visual invocado, o ícone americano foi fabricado em 1969, depois do sucesso do filme "Bullitt", estrelado por Steve McQueen, que tem uma cena de perseguição entre um Charger idêntico e um Ford Mustang. Jay Kay, vocalista do Jamiroquai, restaurou o "Dojão" e colocou em leilão Divulgação/Silverstone Auctions
Veja Mais

16/02 - Jeep, Chrysler e Dodge chamam quase 4 mil veículos para 2ª fase de recall
Grand Cherokee, Durango, Charger e 300C podem ter defeito no alternador, com risco de incêndio. Jeep Grand Cherokee 2012 Divulgação A Fiat Chrysler (FCA) anunciou nesta sexta-feira (16) a segunda fase de um recall para os modelos Chrysler 300C, Dodge Charger, Dodge Durango e Jeep Grand Cherokee, por causa de um defeito no alternador que pode levar a incêndio no motor. CHASSIS ENVOLVIDOS (6 últimos dígitos) Chrysler 300C (2012) - 114454 a 316569 Dodge Charger (2013) - 661181 Dodge Durango (2012 e 2013) - 169445 a 687881 Jeeg Grand Cherokee (2012) - 109637 a 359978 Chrysler 300 2012 Divulgação O problema foi detectado ainda no ano passado, mas a fabricante não tinha uma solução, que só chega agora, quase seis meses depois do primeiro comunicado. No total, 3.908 veículos são afetados. A falha no alternador pode causar o desligamento do motor de forma inesperada, além de princípio de incêndio no compartimento. Os proprietários devem agendar a inspeção e a possível subsituição da peça defeituosa a partir de 19 de fevereiro. O reparo gratuito deve levar cerca de 1 hora e 30 minutos. Dodge Durango 2013 Raul Zito/G1 Importância do recall Não existe recall por defeito que não seja sério. Segundo o Código de Defesa do Consumidor, o chamado deve ser feito quando houver um defeito de fabricação que coloque em risco a vida do usuário. Uma vez anunciado o recall, não existe limite de data para fazê-lo. O que pode ocorrer é a montadora determinar uma data de início do atendimento, e não uma para o fim. Qualquer problema como demora no agendamento, lentidão no reparo e mau atendimento deve ser denunciado no Procon local. Os consertos devem ser totalmente gratuitos. Initial plugin text
Veja Mais

16/02 - Frota mundial de carros eletrificados cresce 55% em um ano
Estudo aponta que número de veículos que podem ser abastecidos com energia elétrica chegou a mais de 3 milhões. Somente em 2017, 579 mil unidades foram acrescentadas à frota de carros elétricos da China Thomas Peter/Reuters Apesar da ainda insuficiente disponibilidade de pontos de recarga, o número de carros elétricos pelo mundo está crescendo rapidamente, aponta um estudo divulgado na quinta-feira (15). No início de 2018, a frota mundial chegou a 3,2 milhões de veículos – o que representa um aumento de 55% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o Centro de Pesquisa em Energia Solar e Hidrogênio de Baden-Württemberg (ZSW), na Alemanha. O mercado foi impulsionado principalmente pela demanda China, com destaque para os fabricantes Build Your Dreams (BYD) e BAIC. De acordo com o estudo, 1,2 milhão de carros elétricos já circulam pelas ruas chinesas. Somente em 2017, 579 mil unidades foram acrescentadas à frota do país. Nos Estados Unidos, o número de carros elétricos saltou de 195 mil para 750 mil no último ano. Na Alemanha, o crescimento foi mais modesto: de 54.490 para 92.740. Initial plugin text Atrás dos bem-sucedidos chineses, aparecem a americana Tesla, que fabricou 86.770 carros elétricos no último ano, e as alemãs BMW (67.940) e Volkswagen (52.250). Foram contabilizados todos os veículos que podem ser abastecidos com energia elétrica, incluindo híbridos. O estudo aponta que, se o ritmo de crescimento registrado em 2017 for mantido, a quantidade de licenciamentos anuais de carros elétricos alcançará 5 milhões até 2025. Tal previsão faz jus à promessa de muitas montadoras de dedicar um quarto de sua produção aos veículos elétricos, afirmou Werner Tillmetz, diretor do ZSW. Em janeiro deste ano a americana Ford, por exemplo, anunciou que iria dobrar seus investimentos em carros elétricos, para US$ 11 bilhões até 2022, e que planeja lançar 40 modelos híbridos ou completamente elétricos nos próximos anos. Em meados do anos passado, a sueca Volvo anunciou que, a partir de 2019, todos os novos modelos que saírem de suas fábricas serão elétricos, o que a tornou a primeira tradicional montadora do mundo a fixar uma data para abandonar os motores movidos apenas a combustível.
Veja Mais

16/02 - Conheça a TVS Zeppelin, uma moto de baixa cilindrada híbrida com câmera integrada criada na Índia
Ainda um protótipo, modelo possui um motor de 220 cc e outro auxiliar elétrico. TVS Zepellin Auto Expo/Divulgação A TVS é conhecida no Brasil pela parceria com a Dafra, que vende por aqui a moto Apache, e com a BMW. Responsável pela produção dos modelos G 310 R e G 310 GS da marca alemã, a montadora indiana acaba de apresentar um conceito moderno de moto: a Zepellin. Apesar de visual e nome que remetem ao retrô, o modelo de tem motorização híbrida. Além do motor de 1 cilindro e 220 cc movido à combustão, capaz de gerar 20 cavalos de potência, possui motor elétrico regenerativo nas frenagens e desacelerações que auxilia a movimentação da moto. O modelo ainda possui ABS de dois canais, transmissão secundária por corrente, luzes de LED e uma câmera em HD. A expectativa é que o protótipo, revelado no Salão da Índia, tenha sua versão final de venda revelada até 2019. TVS Zeppelin TVS/Divulgação
Veja Mais

15/02 - Número de mortos em estradas federais cai 31% durante o carnaval de 2018, diz PRF
Com 103 mortes, carnaval foi o menos violento dos últimos 4 anos nas rodovias. Em 2017, 150 pessoas morreram nas estradas federais. Acidentes e mortes em estradas diminuem no carnaval de 2018 O Polícia Rodoviária Federal informou nesta quinta-feira (15) que o carnaval de 2018 foi o menos violento dos últimos 4 anos. De acordo com o órgão, 103 pessoas morreram por causa de acidentes em estradas federais entre as últimas sexta (9) e quarta (14), número 31% menor em relação ao carnaval de 2017, quando aconteceram 150 mortes. Motociclista morreu ao colidir com caminhonete na BR-116 no domingo de carnaval Wellington Silveira/InterTV dos Vales Segundo a PRF, também caiu o número de acidentes e feridos. Veja mais dados: Acidentes graves, aqueles com vítimas graves ou mortes, caíram 16% Número total de acidentes ficou 14% menor Foram 1.524 feridos, 15% a menos que o ano passado Ultrapassagens irregulares caíram 15% Como o levantamento só inclui o período do carnaval, não contabilizou o acidente do motorista que invadiu a contramão e foi atingido por carreta, deixando 8 mortos em Goiás, nesta quinta (15). Foram 25% menos autuações por falta do uso de cinto de segurança, 20% menos condutores flagrados sob efeito de álcool, menos 14% de autuações por falta de capacete, além de queda de 24% nas multas pelo não uso de cadeirinhas por crianças quando obrigatório. Foram utilizados durante a operação de carnaval 260 aparelhos de radar portátil, 1.941 etilômetros (bafômetros), mais de 560 motociclistas e mais de 1.700 viaturas. Veja mais dados sobre a fiscalização: 185.612 pessoas fiscalizadas 176.486 veículos fiscalizados 55.470 testes de bafômetro 1.610 autuações por embriaguez ao volante com 172 detidos Número de detidos 24% menor 4.517 veículos autuados por falta do uso de cinto de segurança por condutor ou passageiro 690 multas por falta de uso de capacete 718 flagrantes de não uso da cadeirinha infantil De acordo com a PRF, foram reforçadas as equipes especialmente nos estados da Bahia, Minas Gerais e Santa Catarina, que registraram maior incidência de acidentes graves nos carnavais dos últimos cinco anos, representando 30% das mortes no Carnaval de 2017.
Veja Mais

15/02 - Instalar ar-condicionado em carros antigos é possível?
  Ninguém merece ficar parado no trânsito sem ar-condicionado no verão. O calor parece que vem de todos os lados, do assoalho, do motor, do teto. Para quem quiser um pouco de conforto, é possível sim instalar o equipamento em carros antigos.   Mas já vou falando a real, quando ele é um item "de fábrica", o projeto do carro é diferente: radiador, molas da suspensão, instalação elétrica, tudo é dimensionado para os impactos de um ar-condicionado no funcionamento do veículo como um todo.    Portanto, a probabilidade de você ter dor de cabeça é muito menor quando ele vem de fábrica do que se você fizer a instalação posteriormente. Então, a melhor opção, se seu bolso permitir, é trocar de carro. A grana está curta? Então vamos ver quais os cuidados para fazer uma boa instalação.    - Não recomendo a instalação de peças usadas É o famoso "barato que sai caro". Se você está pagando por peças novas, acompanhe a instalação e certifique-se de que elas são realmente novas. Existem oficinas que usam compressor e evaporador usados. Estes são os componentes mais caros da instalação e terão durabilidade reduzida no caso de peças usadas.     - Toda a conexão deve ser muito bem feita Basicamente, o sistema é composto por um gás (134 A), que fica circulando por vários componentes com momentos de alta e baixa pressão.Lembre-se que o carro vibra, cai em buracos, faz curvas, e não pode haver qualquer vazamento, mesmo que seja do tamanho de um fio de cabelo.     - Quando o vazamento é muito pequeno, o ar-condicionado pode até funcionar por cerca de um mês, e depois para É o tempo necessário para o gás escapar. E tem gente que, nestes casos, pede apenas para recolocar o gás. Não poderia estar mais errado! Primeiro, é preciso identificar o vazamento, depois recolocar o gás. Já falei sobre isso em uma coluna anterior.     - Cobre do instalador a atenção necessária aos fios, fusíveis e relês Outro ponto frágil de algumas instalações é a parte elétrica. Alguns carros já possuem de fábrica o chicote elétrico apropriado, mas outros não. Quando mal dimensionados, eles podem derreter devido a sobrecarga. Inclusive a bateria original deve ser substituída por outra de amperagem maior.     - Ar-condicionado pesa e consome parte da potência do motor Se o carro é 1.0, prepare-se para desligar o acessório em subidas e serras. Você passará algum desconforto em relação ao desempenho do motor, e provavelmente verá aumento do consumo de combustível.   - Não espere por valorização do carro na hora da revenda Financeiramente vale a pena? Você deve focar em benefícios que o ar-condicionado pode oferecer, como conforto e segurança. Até porque ar-condicionado colocado fora da fábrica não é bem visto pelo mercado, por causa da quantidade de problemas que costumam aparecer quando a instalação é malfeita.    - Veículo com ar é mais fácil de vender? Sim, os dois acessórios mais importantes dos carros atualmente são direção hidráulica (ou elétrica) e ar-condicionado. Mas consulte os sites de reclamações antes de decidir onde fazer a instalação. É melhor perder alguns dias pesquisando do que passar aborrecimento com uma instalação ruim.
Veja Mais

15/02 - Daniel Craig leiloará carro de James Bond para ajudar ONG
Aston Martin Vanquish do ator é o número 007 de uma edição especial de 100 unidades. Aston Martin Vanquish Centenary Edition do ator Daniel Craig Christie's/Handout via Reuters James Bond está se despedindo de seu Aston Martin particular. O ator Daniel Craig, que interpretou o espião britânico 007 em quatro filmes, está leiloando para caridade o veículo de edição limitada feito para ele pela Aston Martin há quatro anos, informou a casa de leilões Christie's nesta quinta-feira (15). Carros da Aston Martin aparecem em filmes do James Bond há quase 50 anos, começando com "007 Contra Goldfinger", de 1964, no qual Sean Connery dirigia um DB5 prateado. A marca apareceu em todos os filmes da saga estrelados por Craig. O carro pessoal de Craig é um Vanquish 2014 que a Aston Martin produziu apenas 100 unidades para celebrar seu 100º aniversário. O carro de Craig é, naturalmente, o número 007. Daniel Craig AP Photo/Michael Sohn "Foi uma homenagem, na verdade, à carreira dele", disse Becky MacGuire, diretora da Christie's, em entrevista. "O que ele levou ao personagem Bond tem sido tão apreciado pela empresa e, claro, por zilhões de fãs". O carro tem exterior azul-marinho e interior de couro em azul escuro escolhido devido à preferência de Craig por cores escuras, informou a Christie's. O lucro da venda beneficiará a organização de caridade The Opportunity Network, que ajuda estudantes de comunidades carentes a alcançarem seus objetivos universitários e profissionais. Craig e a mulher, a atriz Rachel Weisz, fazem parte da diretoria da organização.
Veja Mais

14/02 - Yamaha Crosser 150 Z é lançada por R$ 11.490
Modelo é versão mais aventureira da Crosser e ganhou para-lama maior e mais alto. Yamaha XTZ Crosser no Salão Duas Rodas 2017 Marcelo Brandt/G1 A Yamaha lançou a nova Crosser 150 Z no Brasil, modelo que havia sido apresentada como protótipo no último Salão Duas Rodas 2017. A novidade já está anunciada no site da empresa por R$ 11.490 e as primeiras unidades estão chegando à rede de concessionária da marca. O modelo é uma versão mais aventureira da Crosser tradicional, que continua em linha passa a se chamar Crosser 150 S e custa R$ 11.290, R$ 200 a menos que a versão Z. Entre as principais novidades, está um novo para-lama alto na dianteira, que deixa o modelo mais adequado para rodar na terra, já que o item garante mais proteção para o motociclista em terrenos sujos. Yamaha Crosser 150 Z Yamaha/Divulgação No Crosser 150 S, o para-lama é menor e muito próximo ao pneu, o que não é muito indicado para rodar na terra. A Crosser 150 Z também tem grafismo diferente e o motor é pintado de negro. O modelo também recebeu nova carenagem na dainteira, atualização estendida a Crosse 150 S também. O motor continua o mesmo flex de 1 cilindro e 149,3 cc, que rende 12,4 cavalos de potência e 1,28 kgfm de torque. Yamaha Crosser 150 Z Yamaha/Divulgação Yamaha Crosser 150 S Yamaha/Divulgação
Veja Mais

14/02 - Suíço constrói 'miniatura' de caminhão com controle remoto
Versão em escala do Scania R 500 Topline tem 800 kg e pode ser comprado por cerca de R$ 260 mil. Suíço Hugo Markes fez uma versão em escala do Scania R 500 Divulgação Um suíço chamado Hugo Markes levou a paixão por miniaturas a um novo patamar. Ele construiu uma versão "pequena" do caminhão Scania R 500 Topline, com 800 kg e 7 metros de comprimento. Se fosse só isso, tudo bem. Mas ele é controlado por controle remoto e pode puxar um carro pequeno, segundo o fabricante. Markes levou cerca de 4 mil horas e gastou algo em torno de € 50 mil em materiais. Agora ele colocou o modelo a venda e espera conseguir pelo menos € 65 mil, ou cerca de R$ 260 mil. Caminhão em miniatura pode puxar um carro pequeno Divulgação Como foi feito? Hugo Markes tem uma loja de modelismo perto de Zurique, mas é especializado em helicópteros guiados por controle remoto. Depois de perder um modelo caro em um acidente, ele decidiu fazer algo diferente. "Lembro de ficar impressionado com estes veículos gigantes quando era pequeno", disse Markes. Foi aí que ele decidiu fazer algo inédito. Como não havia nenhum modelo de caminhão em miniatura deste tipo para ele se basear, praticamente tudo foi desenhado com ajuda de softwares e feito em uma oficina de modelismo profissional. Modelo é guiado por controle remoto Divulgação A escala de 1:2.3, que significa que ele é menos da metade do caminhão real, foi determinada pelos pneus, que vieram da China. "É absolutamente único. Por isso é tão valioso. Também é o meu primeiro e último caminhão", afirmou Markes, que voltará a fazer helicópteros. Uma pessoa pequena até poderia entrar na cabine do caminhão, mas Markes diz que ele não foi feito para isso. Detalhes da miniatura do Scania R 500 Divulgação
Veja Mais

14/02 - BMW X4 ficará maior na 2ª geração, mas com visual quase idêntico
SUV com estilo de cupê será modificado apenas 4 anos depois do lançamento. BMW X4 M40 Divulgação Depois de 4 anos do lançamento, o BMW X4 já terá uma segunda geração, que será apresentada ao mundo no começo de março, durante o Salão de Genebra. Se você olhar as imagens divulgadas, talvez não veja muita diferença, mas o SUV com estilo cupê ficará maior, com acréscimo de 8,1 cm no comprimento, 5,4 cm na distância entre-eixos e 3,7 cm na largura. A altura foi reduzida em apenas 3 mm, e a fabricante afirma que a distribuição de peso 50% na frente e 50% atrás será mantida, como na primeira geração. Na esquerda, a 1ª geração do X4, e na direita, a próxima geração Divulgação No desenho exterior, as principais diferenças são os faróis adaptativos de LED, a grade frontal levemente maior (com fechamento automático) e o farol de neblina horizontal, no lugar do redondo. Na traseira, destacam-se as novas lanternas de LED com desenho 3D e as novas ponteiras duplas de escape, que são de série em todas as versões. Acima a 1ª geração do X4, abaixo a próxima geração Divulgação O X4 nasceu em 2014, com estrutura baseada no X3, mas estilo emprestado do X6. Agora ele acompanha a mudança de estrutura do X3, feita no ano passado, que chega importado ao Brasil agora. O modelo começou a ser feito no Brasil em 2016, com motor 2.0 a gasolina, e custa a partir de R$ 324 mil. BMW X4 M40 Divulgação BMW X4 M40 Divulgação BMW X4 M40 Divulgação
Veja Mais

14/02 - Quem é Elon Musk, o multimilionário fundador da Tesla que enviou seu carro ao espaço
Descrito tanto como visionário como louco, sul-africano quer conquistar subsolo e explorar Marte. Musk é descrito como louco por alguns e como visionário por outros REUTERS/Joe Skipper Desde a semana passada, um Tesla vermelho roda no espaço. Mas não se trata de qualquer carro. Seu dono é Elon Musk, o famoso bilionário nascido na África do Sul. Além de fundar a Tesla, empresa especializada em carros elétricos, armazenamento de energia e fabricação de painéis solares, Musk também criou o Paypal (empresa de pagamentos online) e outras bem-sucedidas companhias. Algumas delas são a Boring Company, pela qual planeja conquistar o subsolo, e a SpaceX, voltada para exploração aeroespacial e responsável pelo recente lançamento do Tesla ao espaço. "É bobo e engraçado", admitiu depois de lançar seu carro no espaço na semana passada. "Mas as coisas bobas e engraçadas são importantes", acrescentou. Desde que vendeu a PayPal ao eBay por US$ 1,5 bilhão, há 12 anos, Musk tornou-se para muitos um gênio, para outros um louco e para muitos outros um visionário, um iluminado, um playboy ou um super-herói. Imagem do Tesla Roadster no espaço SpaceX via AP O magnata de 47 anos já namorou atrizes americanas famosas como Talulah Riley (Orgulho & Preconceito, A Origem) e Amber Heard (Liga da Justiça). Diz-se que o ator Robert Downey Jr se inspirou nele para interpretar Tony Stark em Homem de Ferro. Mas a verdade é que, nos últimos tempos, o renomado empresário mudou as formas como entendemos as indústrias do voo espacial privado e do carro elétrico, energia solar e inteligência artificial. Musk prometeu que, em breve, viajaremos em trens magnéticos de altas velocidades dentro de um tubo subterrâneo e também que faremos viagens turísticas ao espaço eventualmente colonizando Marte. O lançamento do Falcon Heavy, na semana passada, foi o primeiro passo dessa empreitada. Mas quem é realmente Elon Musk? Como se tornou milionário? E como se embrenhou na carreira futurista? Início Tudo começou em Pretória, na África do Sul. Quando criança, Musk era obcecado por romances de ficção científica. Sua mãe, Maye, uma modelo, e seu pai, Errol, um engenheiro, se divorciaram quando ele tinha oito anos de idade. Seu irmão mais novo e sua irmã decidiram que ficariam com sua mãe, enquanto Musk foi morar com seu pai. Mas ele não tem boas recordações da infância. Diz ter sofrido bullying de seus colegas de classe. "Era tudo horrível", comentou sobre esse período. Aos 17 anos, mudou-se para o Canadá para estudar física e economia na Queen's University of Ontario. De lá, emigrou para os Estados Unidos em 1992, passou a estudar na Universidade da Pensilvânia e depois começou com um Ph.D. em física na renomada Universidade de Stanford, na Califórnia. Acabou largando o curso para se tornar empreendedor. Foi então que fundou, junto com seu irmão menor, a Zip2, uma plataforma online de jornais. Em 1999, a dupla vendeu a empresa para a Compaq por US$ 300 milhões. Com esse dinheiro, Musk arriscou a criar um banco on-line, X.com, que mais tarde se tornaria o PayPal. Foi três anos depois, em 2002, que vendeu o famoso site de pagamentos online para eBay. Aos 31 anos, Musk já acumulava um patrimônio de US$ 165 milhões e cultivava a fama de trabalhador implacável. Quando fundou o Zip2, trabalhava todos os dias, dormia no escritório e tomava banho na Associação Cristã dos Moços que ficava no caminho do trabalho. Quando questionado, em 2010, sobre qual conselho daria a empresários, sugeriu que eles deveriam "trabalhar de 80 a 100 horas por semana". "Se outras pessoas trabalham 40 horas por semana, e você trabalha 100 horas, você conseguirá em quatro meses o que outras demoram um ano para fazer", disse ele. "O macho alfa" Naquela época, Musk estava casado havia dois anos com Justine Wilson, uma aspirante a escritora que ele conheceu em Ontário. Em uma entrevista à revista Marie Claire, Wilson lembrou que, numa ocasião, Musk perguntou se ela queria sorvete. Inicialmente, ela disse que sim, mas então mudou de ideia. Mesmo assim, Musk apareceu com dois sorvetes. "Ele não é um homem que aceita não como uma resposta", disse ela. Wilson também destacou outra passagem do relacionamento dos dois. No dia de sua festa de casamento, enquanto dançavam, ele lhe disse: "Sou o macho alfa da relação". Segundo ela, Musk era um "marido controlador", que a obrigava a pintar seus cabelos cada vez mais loiros. "Sou sua esposa, não sua empregada", teria dito ela. Ao que ele teria respondido: "Se você fosse minha empregada, eu a demitiria". O primeiro filho de ambos, Nevada, morreu com 10 semanas por causa da chamada Síndrome da Morte Súbita Infantil. Musk sempre se recusou a falar sobre o ocorrido. Em seguida, o casal teve mais cinco filhos, gêmeos e trigêmeos, por meio de fertilização in vitro. Oito anos depois do casamento, eles se divorciaram, em uma separação litigiosa de vários milhões de dólares. Seis semanas depois, Musk enviou uma mensagem de texto a sua ex-mulher para comunicar que estava noivo de Talulah Riley, uma atriz britânica 14 anos mais nova do que ele. "Nunca serei feliz sem ter alguém", disse ele à revista americana Rolling Stone. "Acordar sozinho me mata". As novas empresas Após a venda da PayPal em 2002, a Musk usou sua fortuna para fundar três novas empresas: Tesla, SpaceX e uma empresa de energia solar chamada Solar City. A Tesla parecia fadada ao fracasso: uma empresa de automóveis elétricos em um país extremamente dependente da gasolina. Com Musk no comando, a empresa estabeleceu um plano: Primeiro, vender um carro esportivo de alto desempenho dotá-lo de um motor que o diferenciasse do estereótipo de veículos elétricos pequenos e pouco potentes projetar um sedan de luxo e, finalmente, um carro elétrico de baixo custo e com grande autonomia Um empréstimo de US$ 456 milhões do governo dos EUA salvou a Tesla da falência em 2008. Dois anos depois, a empresa se tornou a primeira montadora americana a ter suas ações negociadas na bolsa desde a Ford, em 1956. E, em 2017, conquistou o que poucos imaginavam: superou a Ford e a General Motors em valor de mercado, por um curto período. Mas sérios atrasos na produção de seu Model 3, de baixo custo, resultaram em seguidos prejuízos. Na última quarta-feira, por exemplo, um dia depois de seu carro ter sido lançado no espaço, a Tesla amargou um prejuízo de US$ 675,4 milhões no último trimestre de 2017, valor cinco vezes maior do que no ano anterior (embora as receitas tenham aumentado 44%). CEO da Tesla, Elon Musk, durante lançamento do Model X JUSTIN SULLIVAN/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP Conquista do espaço Ao longo dos últimos cinco anos, Musk delineou diferentes planos e prazos para seu objetivo final de enviar humanos para colonizar o planeta Marte. No final do ano passado, ele disse esperar que a SpaceX enviasse uma missão de carregamento já em 2022, para estabelecer as bases, seguido por outra missão, dessa vez tripulada, em 2024. Mas as dificuldades práticas e os perigos do envio de seres humanos a uma distância de 160 milhões de quilômetros ainda são um grande desafio. A Nasa, a agência espacial americana, tem sido mais cautelosa e prevê uma missão tripulada para apenas meados da década de 2030. Mas, enquanto isso, a SpaceX começa a colher suas conquistas. Missões de reabastecimento para a Estação Espacial Internacional, lançamentos de satélites comerciais, contratos com a Nasa e a Força Aérea americana levaram a SpaceX a se aproximar do clube das empresas mais valiosas do mundo. Atualmente, seu valor de mercado totaliza US$ 21,2 bilhões (R$ 70 bilhões). A empresa também foi pioneira na nova tecnologia de lançamento de foguetes reutilizáveis e superou a Nasa e outros rivais, como a canadense Boeing, oferecendo voos espaciais (relativamente) baratos. Musk prevê enviar missão tripulada a Marte para 2024 SpaceX/Divulgação Viagem ao centro da Terra E enquanto a SpaceX busca conquistar o espaço, outra empresa de Musk se dedica a explorar o subsolo. Em outubro, sua empresa Boring Company obteve a permissão do governo dos EUA para escavar um túnel de teste de cerca de 12 quilômetros sob o Estado americano de Maryland. Musk espera que um dia passe por ali o "Hyperloop", um trem-bala eletromagnético que, segundo ele, transportará passageiros a até 1.233 km/h. Em julho do ano passado, o empresário tuitou que havia obtido a "aprovação verbal do governo" para construir um túnel similar entre Nova York e Washington, o que reduziria o tempo de viagem entre as duas cidades das atuais 3 horas a 29 minutos. No entanto, o governo negou a conversa.
Veja Mais

13/02 - GM fechará fábrica na Coreia do Sul e decidirá destino de 3 outras em semanas
Desde 2015 a GM saiu de mercados sem rentabilidade como Europa, Austrália, África do Sul e Rússia. Carros da GM Korea em Incheon Lee Jae-Won/Reuters A General Motors (GM) anunciou que fechará uma de suas quatro fábricas na Coreia do Sul e fará uma redução de US$ 850 milhões no balancete, parte de uma reestruturação de seu negócio deficitário na quarta maior economia da Ásia. A montadora norte-americana disse que decidirá o futuro de suas operações sul-coreanas restantes dentro de semanas e que está conversando com o governo e com sindicatos trabalhistas sobre como cortar gastos e tornar o negócio rentável. "O tempo é curto e todos devem agir com urgência", disse o presidente da GM, Dan Ammann. A medida é a mais recente de uma série que a montadora adotou para colocar o lucro e a inovação à frente das vendas e do volume. Desde 2015 a GM saiu de mercados sem rentabilidade como Europa, Austrália, África do Sul e Rússia. O plano da GM deixa o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em uma situação incômoda, já que ele prometeu criar mais vagas e proporcionar segurança no emprego em sua principal diretriz econômica. Parlamentares opositores criticaram o governo Moon nesta terça-feira pela perda de empregos em potencial da estratégia da GM para o país. Seul disse em um comunicado que lamenta a decisão "unilateral" da empresa dos EUA e que quer realizar uma auditoria de sua filial local, a GM Korea, enquanto estuda as opções que tem para ajudar com o plano de reestruturação. A GM disse em um comunicado que realizará a redução de US$ 850 milhões para refletir os custos da reestruturação, incluindo os US$ 375 milhões em espécie relacionados a despesas com funcionários.
Veja Mais

12/02 - Desfile de 115 carros da McLaren entra para o livro dos recordes
Encontro aconteceu no ano passado para homenagear Bruce McLaren, mas a homologação do recorde demorou para sair. Desfile de 115 esportivos da McLaren entra para o livro dos recordes Divulgação Agora é oficial. Um encontro de 115 esportivos da McLaren, realizado em 30 de julho do ano passado, entrou para o Livro dos Recordes Guinness com o maior desfile de carros da marca já registrado. O evento ocorreu no circuito Silverstone, na Inglaterra, e foi uma homenagem aos 80 anos de nascimento de Bruce McLaren, fundador da equipe de Fórmula 1. Evento foi realizado em julho do ano passado Divulgação Bruce morreu em 1970, aos 32 anos, em um acidente enquanto testava um carro de corrida. Depois de sua morte, a equipe continuou e virou também uma marca de esportivos de rua. O desfile de 115 carros foi puxado pelha única filha de Bruce, Amanda, que tinha apenas 4 anos quando o pai morreu. O recorde anterior era de 60 unidades, no Japão. Encontro ocorreu no circuito de Silverstone, na Inglaterra Divulgação
Veja Mais

11/02 - Por que se dirige do lado esquerdo no Reino Unido (e em outros 55 países do mundo)?
Acredita-se que convenção remonte a tempos romanos; governo britânico chegou a pensar em mudança em 1969, mas ideia foi refutada por motivos de custo e de segurança. Táxis em Londres com motoristas sentados do lado direito reca2g Por que se dirige do lado esquerdo no Reino Unido? "Essa é uma pergunta que sempre me fazem", diz o britânico Gareth Edmunds, de 59 anos, que vive em Bristol, no oeste da Inglaterra, e é dono de um alojamento para estudantes estrangeiros. "Quando saio com eles, percebo que ficam assustados quando veem outro carro se aproximando pela direita; acham que vamos bater", conta. A realidade não é exclusiva da Inglaterra: em outros 55 países e territórios na Ásia, África, Europa, Oceania ou nas Américas, segundo o levantamento Ways of the World: A History of the World's Roads and the Vehicles that Used Them ("Caminhos do Mundo: Uma história das estradas do mundo e os veículos que usam eles", em tradução livre), também se dirige do lado esquerdo. Entre eles, ex-colônias britânicas são, previsivelmente, maioria - representando, no total, quase dois terços da população mundial. No início do século 20, muitas dessas antigas colônias, depois de se tornarem independentes, preferiram passar a dirigir do lado direito, mas, em outras, a tradição herdada dos colonizadores permaneceu. Na prática, segundo um estudo da Universidade de Frankfurt, na Alemanha, um quarto das estradas em todo o mundo foi construída para carros com o volante do lado direito. Mas de onde vem essa antiga tradição? Modelo Bentley com volante do lado direito Divulgação As origens "Minha teoria é de que isso tem a ver com os tempos remotos nos quais, se um estranho se aproximasse de você, você se deslocaria para a esquerda, de modo a não baixar a guarda, uma vez que sua arma seria empunhada do lado direito", especula Edmunds. Essa hipótese é compartilhada por Stephen Laing, curador do British Motor Museum, que possui a maior coleção do mundo de carros históricos britânicos. Ele diz que esse hábito remonta aos tempos da Roma Antiga. "A maioria das pessoas é destra, cavalga com a mão esquerda e precisa deixar a direita livre para lutar", explica. "Os exércitos romanos, por exemplo, marchavam pela estrada do lado esquerdo e essa é a convenção que permaneceu", acrescenta. Com o desenvolvimento urbano, os cavalos e as carruagens continuaram a trafegar do lado esquerdo. Quando os carros apareceram, eram considerados carruagens sem cavalos, então também passaram a circular no lado esquerdo. Giles Chapman, que escreve sobre automóveis, diz que o British Roads Act de 1835 (uma espécie de Código de Trânsito) estabeleceu por lei que se dirigiria do lado esquerdo no Reino Unido e em suas colônias. "A regra foi exportada, por exemplo, para o Japão, onde os engenheiros britânicos planejaram que as ferrovias do país fossem conduzidas pela esquerda, o que levou ao estabelecimento de uma regra semelhante para os veículos que trafegavam nas estradas", explica. Por que outros países dirigem do lado direito? No final de 1700, a maior parte do mundo também dirigia do lado esquerdo. Pessoas tradicionalmente ricas dirigiam suas carruagens do lado esquerdo, mas com a chegada da Revolução Francesa, muitos deles passaram a querer se misturar com as classes mais baixas, então começaram a dirigir no centro ou do lado direito. Carro antigo com volante à direita Pixabay/Frank23 Muitos países da Europa acabaram seguindo o exemplo da França. Esse também foi o caso dos Estados Unidos que, embora colonizados pelos britânicos, não dirigem do lado esquerdo. Ainda em 1700, as carroças puxadas por vários pares de cavalos começaram a ganhar popularidade na então colônia britânica, explica o escritor Fraser McAlpine, especialista em cultura popular. Não havia assento para o condutor, que se sentava no último cavalo do lado esquerdo, uma vez que habitualmente segurava o chicote com a mão direita. Além disso, por estar sentado à esquerda, naturalmente preferia que outras carroças passassem por esse lado de forma a garantir uma distância segura das rodas de carroças que vinham no sentido contrário. Transitar pelo lado direito da estrada lhe possibilitava isso. Quanto custaria ao Reino Unido passar a dirigir do lado direito? O governo britânico avaliou essa possibilidade em 1969, dois anos depois que a Suécia passou a dirigir do lado direito. Mas a ideia acabou refutada por motivos de custo e de segurança. Naquele ano, o custo da mudança foi calculado pelo governo em 264 milhões de libras. Atualmente, este valor equivaleria a 4 bilhões de libras (ou R$ 18 bilhões). Trata-se, porém, de uma estimativa conservadora, considerando os grandes avanços na infraestrutura desde 1969. Stephen Laing, do Museu Britânico de Automóveis, diz que não consegue imaginar uma mudança desse tipo atualmente. "Acredito que estabelecemos nossas regras a ferro e fogo", diz ele. "Toda nossa infraestrutura foi construída pensando a condução do lado esquerdo; não consigo ver qualquer mudança no futuro". Em nota, o Departamento de Transportes do Reino Unido (órgão equivalente ao Ministério de Transportes no Brasil) informou que "não temos uma política a respeito disso porque é algo em que não estamos interessado neste momento". Mas por que os britânicos andam pelo lado direito? O Código de Pedestres do Reino Unido recomenda que, onde houver uma via, "se evite estar ao lado da calçada de costas para o trânsito". Considerando que os britânicos dirigem do lado esquerdo, obedecer essa regra significa andar do lado direito. Acrescenta o código: "se não houver calçada, mantenha-se do lado direito da via de forma que possa ver o tráfego que vem em sua direção".
Veja Mais

10/02 - Tesla Roadster no espaço, fim da XT 660R e preço da BMW G 310 GS; veja notícias da semana de carros e motos
Semana também teve moto da 2ª Guerra roubada, avaliação do Fiat Cronos e novo visual para o Ford Ka. Confira notícias sobre carros e motos que marcaram esta semana: Tesla Roadster no espaço Tesla leva carro para o espaço Parece coisa de um filme, mas neste exato momento um carro Tesla Roadster está à deriva no espaço. A empresa SpaceX lançou ao espaço o "superfoguete" Falcon Heavy, como parte de um projeto para futuras viagens espaciais, e aproveitou para levar o veículo para fora da orbita da terra. Fiat Cronos Fiat Cronos 1.8: G1 avalia o sedã do Argo Depois de muitos "teasers", enfim, a Fiat apresentou o Cronos, versão sedã do Argo. O G1 andou com a versão 1.8 e dá todos os detalhes em uma avaliação. Caminhões top Caminhões de luxo têm mordomias e alta tecnologia Iveco/Man/DAF/Volvo/Divulgação Telemetria, frenagem autônoma, câmbio de 16 marchas e até cortina blackout; veja as mordomias e tecnologias e mordomias dos caminhões mais luxuosos do país. Barrado de bermuda Post de Bruno Hatamoto, morador de Campinas, e a mãe com roupas trocadas viralizou nas redes sociais Reprodução/Facebook Indo fazer a prova para a habilitação de motos em Campinas, um rapaz foi barrado pelo Detran por estar de bermuda, a solução foi trocar de roupa com a mãe, pegando sua calça legging. Produção de veículos sobre Seguindo as expectativas de crescimento para o ano, a produção de veículos subiu 24,6% em janeiro, com novo recorde para as exportações no mês. Adeus, XTzona Yamaha XT 660R Yamaha/Divulgação A Yamaha confirmou no início dessa semana que a lendária XT 660R saiu de linha no Brasil, para a tristeza de seus fãs. Preço da G 310 GS BMW G 310 GS no Salão Duas Rodas 2017 Marcelo Brandt/G1 Enfim, o preço da pequena aventureira G 310 GS foi anunciado pela marca no Brasil. O modelo chega às concessionárias por R$ 24.900. Ford Ka estreia novo visual Novo Ford Ka aparece na Europa Divulgação Depois de apresentar a sua "versão aventureira" no Brasil, o Ka passou pelas primeiras mudanças em seu visual nesta nova geração. A novidade foi apresentadas na Europa e deve chegar ao Brasil no 2º semestre. Moto da 2ª Guerra é roubada Flyeing Flea foi utilizada pelo exército britânico na 2ª Guerra Mundial Royal Enfield/Divulgação Um raro modelo Royal Enfield Flying Flea, utilizado na 2ª Guerra Mundial, foi roubado no Reino Unido. A moto estava em uma van e parece ter sido levada por engano. Uber pagará multa para o Google A Waymo, empresa do grupo Alphabet, e o Uber chegaram a um acordo na disputa judicial sobre carros autônomos. O Uber aceitou pagar multa de US$ 245 milhões.
Veja Mais

09/02 - Uber pagará US$ 245 milhões a empresa do Google em briga por autônomos
Waymo esperava receber US$ 1,9 bilhão depois de acusar o Uber de usar segredos de seu projeto de carro sem motorista. Carro autônomo do Uber visto em garagem da empresa em São Francisco Eric Risberg/AP A Waymo, empresa do grupo Alphabet, e o Uber chegaram nesta sexta-feira (9) a um acordo na disputa judicial sobre carros autônomos, encerrando o julgamento que havia começado na última segunda-feira nos Estados Unidos. Acusado de roubar segredos sobre o projeto de carro sem motorista do Google, o Uber aceitou pagar cerca de US$ 245 milhões à Waymo. A Waymo processou o Uber e esperava receber cerca de US$ 1,9 bilhão em indenização, além de um pedido de desculpas. No entanto, o novo CEO da empresa de mobilidade, Dara Khosrowshashi, apenas expressou "arrependimento" pelas ações da empresa em um comunicado. Ele reafirmou que o Uber não utilizou possíveis segredos da Waymo nos seus carros autônomos. O acordo ainda contém uma cláusula garantindo que nenhuma informação confidencial da Waymo seja usada nos carros autônomos do Uber. "Estamos trabalhando com a Waymo para garantir que nosso Lidar e software sejam apenas resultado de nosso trabalho", afirmou. O fim da disputa permite que o Uber coloque outro escândalo para trás e avance com o desenvolvimento de tecnologia de direção autônoma após a tumultuada liderança do ex-presidente Travis Kalanick, que testemunhou no julgamento na terça e quarta-feira. A disputa Projeto de veículo autônomo do Google se transformou na Waymo AP / Eric Risberg A Waymo afirmou que o ex-engenheiro Anthony Levandowski baixou mais de 14 mil arquivos confidenciais de seu programa de carros autônomos, antes de pedir demissão e abrir sua própria empresa chamada Otto. A Otto seria uma empresa especializada em tecnologia autônoma para caminhões, que foi comprada pelo Uber em junho passado por US$ 680 milhões. Levandowski então passou a trabalhar no projeto de carros sem motorista do Uber, que alegou nunca ter usado nenhuma informação da rival. A start-up afirma ainda que sua tecnologia de sensores é diferente e foi desenvolvida antes da chegada do engenheiro. Apesar disso, a empresa decidiu afastar Levandowski do programa de carros autônomos após a acusação da Alphabet e, posteriormente, acabou demitindo o engenheiro, dizendo que ele se negou a ajudar no processo jurídico. Levandowski nunca falou publicamente sobre as acusações e a justiça não acusou ninguém de roubo. O engenheiro não foi réu no caso.
Veja Mais

09/02 - Volkswagen Touareg terá 'toque brasileiro' na 3ª geração
Desenho do novo SUV foi assinado pelo designer brasileiro Arnaldo Cruzeiro, que trabalha na Alemanha. Desenho do novo Touareg assinado pelo brasileiro Arnaldo Cruzeiro Divulgação A Volkswagen anunciou nesta sexta-feira (9) a data de lançamento da terceira geração do Touareg: 23 de março. O palco será na menos que o Salão de Pequim, na China, que a cada ano ganha mais destaque no cenário internacional. Por enquanto, apenas um desenho do SUV foi divulgado. Em letras pequenas, perto da roda dianteira, vai a assinatura de Arnaldo Cruzeiro, brasileiro que faz parte da equipe de design na Alemanha. O designer venceu um concurso de talentos promovido pela Volkswagen do Brasil em 2001 e depois foi transferido para a sede da empresa, onde trabalha atualmente sob a supervisão de Klaus Bischoff, chefe de design da marca. VW Touareg R-Line atual Divulgação O Touareg é o maior SUV da Volkswagen e deve receber novas tecnologias, como painel de instrumentos totalmente digital, suspensão a ar e esterçamento das rodas traseiras para garantir maior estabilidade. A terceira geração terá a responsabilidade de dobrar as vendas do SUV na China até 2023. Mais detalhes sobre o novo Touareg serão divulgadas perto do lançamento.
Veja Mais